Menu
Busca quinta, 22 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Delcídio vai a Roraima tentar resolver conflito indígena

05 fevereiro 2004 - 12h28

O Senador Delcídio do Amaral Gomez (PT/MS) e os  membros da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado embarcam na noite desta quinta-feira, com destino a  Boa Vista, capital de Roraima, onde vão ajudar na solução do conflito que envolve índios , produtores rurais, o Governo de Roraima e a própria Funai (Fundação Nacional do Índio), em conseqüência da criação da Reserva Raposa/Serra do Sol, na fronteira do Brasil com a Venezuela e a Guiana.O senador sul-mato-grossense foi convocado para a viagem  pelo Ministro da Coordenação Política , Aldo Rebelo, que  o chamou ao Palácio do Planalto e destacou a importância da missão para o governo. O Presidente Luís Inácio Lula da Silva está preocupado com a situação em Roraima, que envolve, inclusive, questões de segurança nacional. Delcídio é o único parlamentar do PT a integrar a comissão do Senado criada especialmente para acompanhar e ajudar na solução de conflitos indígenas no país. Ele vai atuar como relator da comissão, que é integrada, também, pelos senadores  Mozarildo Cavalcanti (PPS/RR), Romero Jucá (PMDB/RR), Jeferson Perez (PDT/AM) e Eduardo Siqueira Campos (PSDB/TO). Depois de Roraima, a comissão virá a Mato Grosso do Sul, acompanhar o conflito que envolve produtores rurais e indígenas no município de Japorã, no Cone Sul do estado.O conflito que envolve índios, produtores rurais, a Funai e o estado de Roraima vem se arrastando há décadas. No final de 2002, último ano da administração do presidente Fernando Henrique Cardoso, o governo decidiu acatar estudo antropológico da Funai e aprovou a criação da Reserva Raposa/Serra do Sol, a partir da união de duas aldeias distantes 150 km uma da outra. Com isso foi criado uma reserva com aproximadamente 1 milhão e 700 mil hectares, onde estão localizadas centenas  de  propriedades rurais - a maioria produtora de arroz -  e até uma cidade inteira -  Uiramutã -  que teriam de ser removidas. A reserva ocupa uma faixa de 2 mil quilômetros de fronteira do Brasil com a Guiana e a Venezuela, o que provoca sérias preocupações das Forças Armadas em relação à soberania e à segurança nacional. Na região vivem integrantes de cinco povos indígenas : Macuxis, Ingaricós, Tauarepangues, Uapixangues e Patamonas. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

O QUE DIZ A CIÊNCIA
Veja 10 razões que indicam que o coronavírus é transmissível pelo ar
CAPITAL
Preso sexto envolvido na execução de homem encontrado com tiro na nuca
Presidente da Assomasul vai a Brasília e se encontra com Azambuja 
REGIÃO
Presidente da Assomasul vai a Brasília e se encontra com Azambuja 
Proprietários rurais de MS são orientados sobre prevenção aos incêndios 
OPERAÇÃO `PROLEPSE
Proprietários rurais de MS são orientados sobre prevenção aos incêndios 
Prefeitura inicia pavimentação asfáltica no Jardim das Primaveras
DOURADOS
Prefeitura inicia pavimentação asfáltica no Jardim das Primaveras
ANDERCI
Namorado diz que roubava com professora morta para comprar cocaína
GERAL
Ciclista sul-mato-grossense de 16 anos é contratado por equipe portuguesa
MEIO AMBIENTE
Ambiental recolhe 4 filhotes de coruja de forro de residência em reforma
EDUCAÇÃO
UEMS divulga 3ª convocação para matrículas de 22 a 26 de abril
DOIS IRMÃOS DO BURITI
Em depoimento, suspeito disse que matou irmão a tiros após ser ameaçado

Mais Lidas

TIRADENTES
Comércio, vacinação e bancos; veja o que funciona no feriado em Dourados
CLIMA
Dourados pode ter mínima abaixo de 10 graus na próxima semana, indica previsão 
BR-163
Mulher encontrada carbonizada estava desaparecida desde sábado
DOURADOS
Grupo receberia comissão se conseguisse negociar carga de maconha no Água Boa