domingo, 16 de junho de 2024
Dourados
22ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

Decisão do STJ pode causar prejuízo a bancos

26 outubro 2004 - 16h10

A decisão do Superior Tribunal de Justiça de que “cabe ao correntista o ônus da prova da culpa do banco em caso de saques irregulares com cartões magnéticos” pode forçar os clientes a deixar de usar caixas eletrônicos para movimentar contas ou fazer pagamentos. Isso congestionaria as agências e provocaria enormes prejuízos à rede bancária como um todo, no entender da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais. A polêmica surgiu a partir do julgamento em terceira instância da ação de Raimundo dos Santos contra a Caixa Econômica Federal. Em 2001, ele esqueceu o cartão magnético de uma conta poupança na agência bancária, de onde depois foram retirados R$ 6.100,00. Segundo a advogada Patrícia Batista, ainda na fase de investigações, Raimundo, a própria gerente e um funcionário da agência chegaram a assistir a uma fita de vídeo em que aparecia uma mesma pessoa fazendo dois saques irregulares. “Só que essa fita, solicitada nos autos, foi destruída pela direção do banco”, afirma a advogada. A diretoria da CEF em Brasília não se pronunciou sobre o assunto. Para o perito criminal federal Paulo Quintiliano, a decisão do STJ chega a ser injusta do ponto de vista estrutural. Segundo ele, “os bancos têm como saber se há indícios de fraudes, onde os saques foram feitos, a data, a hora, o minuto, o segundo, o local". Quintiliano considera que "o cliente é a parte frágil", não sabe nada. "Se o cartão dele for clonado, por exemplo, ele só vai saber depois de alguns dias. Isso tudo vai causar um descrédito na forma de trabalhar dos bancos, todos automatizados. As pessoas vão querer voltar a fazer tudo direto nas agências” avalia. Quintiliano disse que não chega a ver alternativa para o cliente evitar problemas como o de Raimundo dos Santos, sem ter que arcar com os prejuízos, se a decisão do STJ for mantida. A advogada Patrícia Batista se disse perplexa com a decisão do ministro Fernando Gonçalves, da Quarta Turma do STJ. “É uma decisão inédita, que contraria todas as decisões tomadas por outras turmas do mesmo tribunal em casos semelhantes. Até agora, não sei ainda como agir, porque preciso ler o Acórdão (documento que contém a decisão)”, explica. Normalmente, decisões como essa levam de 45 a 60 dias para serem publicadas. No entanto, pelo caráter inédito e pela repercussão que caso está ganhando, a advogada acredita que logo deverá ser publicada

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 53 milhões
LOTERIAS

Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 53 milhões

Estadual Sub-20 abre rodada com vitórias de Aquidauanense e Dourados
FUTEBOL

Estadual Sub-20 abre rodada com vitórias de Aquidauanense e Dourados

POLÍTICA

Presidente do Solidariedade, Eurípedes Jr. se entrega após 4 dias foragido

Jovem é morto pelo próprio irmão após supostamente agredir a mãe
CASSILÂNDIA

Jovem é morto pelo próprio irmão após supostamente agredir a mãe

TEMPO

Domingo de sol com algumas nuvens em Dourados; não chove

POLÍTICA

Comissão aprova punições para pessoas e empresas que discriminarem pessoas com autismo

MARKETING

Pesquisa aponta pulverização no mercado de influenciadores digitais

NAVIRAÍ

Moto é recuperada e mulher é presa por receptação

POLÍTICA

Haddad: cenário externo é desafiador, mas Brasil pode virar liderança

SETE QUEDAS

Homem sofre acidente e é preso alcoolizado e com pistola

Mais Lidas

NEGÓCIOS E CIA

Veja quem recebe o PIS/Pasep na próxima semana

LUTO

Policial civil sofre infarto no trabalho e morre em hospital de Dourados

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

Missão Caiuá é "desclassificada" pela Sesai e deixará de atender saúde indígena em Dourados

DOURADOS

Motociclista 'fura' preferencial, é atingida por veículo e morre no Hospital da Vida