Menu
Busca sábado, 08 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Crime organizado movimenta US$ 2 trilhões por ano, diz UNODC

01 setembro 2004 - 18h50

O crime organizado movimenta em todo o mundo de 2% a 5% do Produto Interno Bruto (PIB) global, um volume de recursos que pode ser estimado em cerca de US$ 2 trilhões. Esses números foram divulgados hoje pelo representante do Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC) para o Brasil e Cone Sul, Giovanni Quaglia, que participou da abertura do Encontro Internacional de Combate à Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos. O evento acontece em Brasília e é realizado pelo Ministério da Justiça e pelo Banco do Brasil, em parceria com o UNODC. Dos US$ 2 trilhões movimentados pelo crime organizado, US$ 1 trilhão está diretamente associado à corrupção, disse Giovanni Quaglia. O narcotráfico é responsável por um montante que varia entre US$ 300 bilhões e US$ 400 bilhões, sendo que esse mesmo valor é associado ao tráfico de armas. "O restante equivale a roubo de cargas, contrabando e tráfico de seres humanos", explicou Quaglia, que considera difícil trabalhar com números precisos quando o tema é o crime organizado. Segundo ele, as cifras anunciadas são "um consenso entre os especialistas". O representante do UNODC ressaltou que a realidade no Brasil não é muito distante do cenário internacional. Sendo assim, o crime organizado no país movimenta recursos que variam entre 2% e 5% do PIB nacional. Sobre o combate à lavagem de dinheiro, o representante do UNODC ressaltou o fato de a comunidade internacional estar avançando no aspecto normativo. Estes avanços podem ser medidos em diferentes aspectos, segundo dados do Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime. Entre 1998 e 2002, subiu de 43% para 69% o percentual de países onde a legislação nacional caracteriza a lavagem de dinheiro como crime. No mesmo período, subiu de 70% para 80% o percentual de países que considera a lavagem de dinheiro um crime passível de extradição. Outro aspecto importante é a conscientização dos governos sobre a importância da investigação qualificada de crimes financeiros. Nos últimos quatro anos, subiu de 52% para 72% o percentual de países com unidades de inteligência financeira voltadas para investigar a lavagem de dinheiro. "A parte normativa é importante, mas os países precisam avançar para o campo operacional", disse Quaglia. O combate à lavagem de dinheiro é um tema fundamental para o UNODC, que atua em mais de 150 países, incluindo o Brasil, sempre em parceria com governos, iniciativa privada e sociedade civil. O UNODC conduz, em nome de todo o Sistema ONU, o Programa Global contra Lavagem de Dinheiro, que fornece assistência técnica e legal aos países que querem desenvolver a infra-estrutura necessária para combater este delito. O canadense Timothy Lemay, chefe desse programa, fará uma palestra no encontro amanhã, às 10hs. A abertura do Encontro Internacional de Combate à Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos contou com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do presidente do Superior Tribunal de Justiça, Edson Vidigal, do ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, do Procurador Geral da República, Cláudio Fontelles, do ministro-chefe da Controladoria Geral da República, Waldir Pires, e do presidente do Banco do Brasil, Cássio Casseb. Em seu discurso, o presidente Lula afirmou que o Brasil quer estreitar os laços de cooperação internacional no combate à lavagem de dinheiro e na recuperação dos valores desviados. "A coisa que mais entristece é saber que uma pessoa foi punida, que está há anos na cadeia, e depois não se consegue trazer de volta um único centavo para os cofres da instituição que foi roubada", afirmou o presidente. Lula reconheceu que os criminosos envolvidos com lavagem de dinheiro são difíceis de serem punidos. "São pessoas ligadas às mais diferentes instituições, com seus braços na política, no empresariado, no sistema financeiro, no Poder Judiciário. Até pensamos que são gente de bem, que estão trabalhando a serviço da sociedade", disse. Em tom de brincadeira, citou o sambista Zeca Pagodinho e o apresentador de televisão Ratinho para se referir aos criminosos envolvidos com lavagem de dinheiro. "Como diria o Zeca Pagodinho, essa gente tem bala na agulha, ou como diria o Ratinho, essa gente tem café no bule". .

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Como fazer suas compras de mantimentos de forma segura
PANDEMIA
Covid-19: o que fazer com as compras quando chegar em casa
CPI
CPI mira vacinas em audiências com Anvisa e Pfizer
Comissão debate representatividade política das pessoas com deficiência
DIREITOS HUMANOS
Comissão debate representatividade política das pessoas com deficiência
Pauta do Plenário tem três MPs, Loteria da Saúde e proibição de reajuste de medicamentos
POLÍTICA
Pauta do Plenário tem três MPs, Loteria da Saúde e proibição de reajuste de medicamentos
SAÚDE
Pesquisa mostra aprofundamento de desigualdades na infância
GERAL
Explosão de gás destrói restaurante em Belém
ASTRAZENECA
Ministério da Saúde anuncia distribuição de doses para próxima segunda
POLÍTICA
Secretaria da Mulher debate situação das domésticas na pandemia
DOURADOS
Polícia apreende drogas que seriam entregues à detento da PED

Mais Lidas

DOURADOS
Mulher presa com armas, drogas e veículos mantinha relacionamento com interno da PED
JÓQUEI CLUBE
Jovem é presa em Dourados com armamento de uso restrito, drogas e veículo clonado
DOURADOS
Carga de tijolos cai de caminhão em rotatória na Coronel Ponciano; veja vídeo
BR-163
Colisão entre viatura e carreta termina com policial ferido