Menu
Busca segunda, 12 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Crackers bloqueiam dados e cobram para desbloquear

24 maio 2005 - 14h27

Usuários temerosos a respeito de vírus e roubo de identidade têm novas razões para se preocupar: crackers encontraram uma maneira de bloquear documentos eletrônicos no computador atacado e pedir dinheiro para devolver o acesso. Pesquisadores de segurança da Websense descobriram a "extorsão eletrônica" quando um cliente foi vítima de uma infecção que codificou arquivos incluindo documentos, fotografias e planilhas. Uma nota de resgate deixada incluía um endereço de e-mail e, mais tarde, os atacantes pediram US$ 200 para desbloquear os arquivos. "É o mesmo que alguém entrar em sua casa, colocar seus valores num cofre e não contar a você qual é a combinação", disse Oliver Friedrichs, gerente de segurança na Symantec, em reportagem da AP. O FBI diz que este caso - isolado, por enquanto - não se parece com nenhuma outra extorsão praticada pela Internet. Especialistas em segurança e empresas de antivírus estão atualizando seus programas de proteção para prevenir este tipo de ataque, batizado de "resgateware". "Isso parece ser totalmente maligno", diz Joe Stewart, pesquisador da Lurhq Corp. em Chicago. Ele estudou o programa atacante e desbloqueou os arquivos atacados sem pagar o "resgate", mas teme que versões melhoradas sejam bem mais difíceis de lidar. No caso em questão, a infecção se deu a partir da visita com um navegador desprotegido a um site comprometido. A infecção bloqueia pelo menos 15 tipos de arquivos de dados e deixa uma nota com instruções para enviar um e-mail a determinado endereço e comprar a chave para desbloquear. Na resposta ao e-mail, o cracker pediu o depósito de US$ 200 numa conta de Internet banking. "Envio o programa para o seu e-mail", garantiu o atacante. A AP tentou contato com o endereço, mas não houve resposta. Os especialistas dizem que não há registro de que este tipo de ataque esteja se disseminando. O site que originou a infecção já foi tirado do ar. Eles também asseguram que a exigência de pagamento por parte do cracker pode se constituir numa fraqueza, já que transações bancárias são facilmente rastreáveis. "O problema é mandar dinheiro para algum lugar: se o golpe envolver algum tipo de transação monetária, será muito mais fácil rastrear a conta do que um endereço de e-mail", diz Stewart.    

Deixe seu Comentário

Leia Também

Nos primeiros 100 dias do ano, governo gasta 12 vezes menos com pandemia
LEVANTAMENTO
Nos primeiros 100 dias do ano, governo gasta 12 vezes menos com pandemia
TRÊS LAGOAS
Polícia prende autor de furto de fios elétricos
Vacinação contra Influenza visa 1,4 milhão de pessoas a menos do que da Covid
MATO GROSSO DO SUL
Vacinação contra Influenza visa 1,4 milhão de pessoas a menos do que da Covid
CNM pede coordenação para enfrentar covid-19 e nega estoque de vacina
PANDEMIA
CNM pede coordenação para enfrentar covid-19 e nega estoque de vacina
Campanha para arrecadar agasalhos é lançada em Dourados
INVERNO SOLIDÁRIO
Campanha para arrecadar agasalhos é lançada em Dourados
REGIÃO
Adolescente é flagrada vendendo cocaína após mãe ser presa por tráfico de drogas
BRASIL
Vacinação contra a gripe deve atingir 80 milhões de pessoas
DOURADOS
Polícia 'estoura' entreposto do tráfico no Jardim Guaicurus
EDUCAÇÃO
Inscrições para ocupação de bolsas remanescentes do Prouni ocorrerão em 3 e 4 de maio
SIDROLÂNDIA
Acusado de matar homem e ocultar corpo em Assentamento se apresenta à polícia

Mais Lidas

HOMICÍDIO
Jovem é morta com tiros de escopeta em Itaporã
DOURADOS
Motociclista tem suspeita de fratura nas pernas após ser atingido por carro
ITAPORÃ
Jovem morta com tiros de escopeta tinha passagem por tráfico de drogas
PANDEMIA
Covid mata 11 pessoas em Dourados em dia de 149 novos casos