Menu
Busca sexta, 15 de outubro de 2021
(67) 99257-3397
OPINIÃO

Coronavírus cancela o Carnaval

30 outubro 2020 - 13h55Por Dirceu Cardoso

Em fevereiro, tem Carnaval – diz a música “Pais Tropical”, de 1969, que nunca deixou de ser sucesso. Mas fevereiro de 2021 será diferente. Os organizadores e as escolas de samba do Rio de Janeiro, maior centro carnavalesco do Brasil, decidiram que, sem vacina e a população imunizada, não haverá festa. Não há como realizar desfiles como os da Avenida Marquês de Sapucaí, sem que haja a aglomeração, o que é proibido pelos protocolos de controle da pandemia. E, como faz o Rio, fatalmente farão todas as cidades brasileiras, para evitar a realimentação da Covid 19 que, até agora, já adoeceu 5,5 milhões e matou 159.033 brasileiros. Os mais preciosistas dizem que o bom teria sido, nas primeiras notícias de que o mundo seria varrido pelo vírus chinês, não ter se realizado o Carnaval já em 2020. Mas, como essa afirmação vem no contexto de críticas aos prefeitos e governadores, que teriam sido omissos, é melhor não considerá-la para evitar o nefasto embate político dentro de uma questão tão séria.

Mas agora, com o lastro do sofrimento pessoal e econômico da população e a pandemia em viés de baixa, é preciso manter os cuidados para evitar o ressurgimento. Além da suspensão dos desfiles de rua, as autoridades sanitárias devem atuar junto aos clubes que realizam a festa em salão para definir protocolos a serem cumpridos. Até porque, em ambiente fechado, o risco de proliferação viral é maior. O melhor, mesmo, seria não realizar o Carnaval ou, ainda, esperar a chegada da vacina para fazê-lo, mesmo que meses depois do calendário tradicional.

Depois das quarentenas – que ainda mantém restrições por todo o país – não podemos abrir as portas para a possível reinfestação. Se ela ocorrer por esse motivo, terá sido em vão todo o esforço empreendido. Ainda, devemos prestar atenção à segunda onda do coronavírus em andamento nos países europeus, que voltam a impor restrições. O vírus, segundo se informa, sofreu mutações e pode ter comportamento diferente do anterior. Outro ponto a considerar é o estudo realizado por 22 cientistas contratados pela ONU (Organização das Nações Unidas) que diz estar o mundo sujeito a uma “Era de Pandemias” que poderão matar mais do que a Covid-19. O documento cita a existência de 500 mil vírus que podem atacar o homem.  

Por conta de todas as variáveis, devemos evitar procedimentos que induzam à infestação e transmissão. Pelo menos até que as vacinas estejam inteiramente desenvolvidas e chegem à população...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da Aspomil (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo). 

Artigos opinativos são de responsabilidade de seus autores e em nada refletem a opinião do jornal. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

'LOREM IPSUM'
Governo Bolsonaro faz post sem conteúdo sobre mil dias de gestão
PMA recolhe filhotes de beija-flor que caíram com ninho durante ventania
MEIO AMBIENTE
PMA recolhe filhotes de beija-flor que caíram com ninho durante ventania
CORTE DE VERBA
Bolsonaro sanciona lei que retira mais de R$ 600 milhões da ciência
Prefeitura de Naviraí interdita ponte por conta de risco de desabamento
REGIÃO
Prefeitura de Naviraí interdita ponte por conta de risco de desabamento
CULTURA
Festival de dança valoriza a melhor idade e promove a confraternização
VIOLÊNCIA
Diretor-adjunto é condenado por estuprar criança de 10 anos em escola
DOURADOS
Incubadoras da UFGD selecionam propostas de novos empreendimentos
CAPITAL
Ao se negar entregar celular a ladrão, menina de 12 anos é esganada
VACINA
Saúde reduz intervalo da AstraZeneca de 12 para 8 semanas
LADÁRIO
Polícia prende irmãos acusados de matar jovem a tiros em bar

Mais Lidas

DOURADOS
Polícia indicia três e recupera R$ 32 milhões de golpe milionário em empresa
FRONTEIRA
"Olheiro" de vítimas da chacina em Pedro Juan é preso
VIOLÊNCIA
Ataque na fronteira deixa um morto e dois feridos, entre eles vereador
CLIMA
Chuva e ventos fortes derrubam árvores em Dourados e causam estragos em posto da PRF