Menu
Busca domingo, 07 de março de 2021
(67) 99257-3397

Confira o artigo de Dom Redovino sobre o Mosteiro das Clarissas

07 agosto 2009 - 08h37

Mosteiros, pulmões verdes em terras queimadas*

 

Na maior parte dos países europeus, durante a Idade Média e Moderna, surgiram centenas de mosteiros e conventos, denominados “de clausura” ou “de vida contemplativa”. Eram habitados por pessoas que buscavam um caminho de santificação pessoal e comunitária no silêncio, na oração, no trabalho e na vivência dos votos de pobreza, castidade e obediência. Convencidas de que «o visível é transitório e o invisível é eterno» (2Cor 4,18), ocultavam-se aos olhos do mundo, não para dele fugir, mas para amá-lo com mais intensidade e eficácia.
O materialismo, que ameaça destruir os ideais mais nobres semeados por Deus no coração da humanidade, talvez tenha induzido os incautos a pensarem que essa época de ouro seja coisa do passado. Não o confirmam os inúmeros mosteiros que, de vinte anos para cá, foram fechados em toda a Europa?
A meu ver, o que eles confirmam é que o progresso econômico, quando não acompanhado pelo desenvolvimento ético e espiritual, faz mais mal do que bem. A busca egoísta e desenfreada do bem-estar material cria uma multidão de necessidades, deixando as pessoas numa constante insatisfação, escravas de esperanças que fracassam, de expectativas que ruem e de frustrações que se acumulam – o campo mais fértil para a pandemia do mal do século, a depressão. É a elas que se dirige o salmista, com amargura: «A abundância lhes fechou o coração» (Sl 17,10).
Os mosteiros de vida contemplativa nos trazem à memória a experiência de vida de Santo Agostinho. Depois de ter provado tudo o que o mundo lhe podia oferecer em matéria de prazer, dinheiro, cultura e fama, acabou reconhecendo: «O nosso coração foi feito para Deus, e ele não encontra sossego senão em Deus».
É por isso que a Diocese de Dourados se sente privilegiada por abrigar em seu seio, a partir do dia 9 de agosto, um mosteiro de vida contemplativa, fundado pelas Irmãs Clarissas, no ano em que a Família Franciscana celebra oito séculos de existência. A nova residência foi colocada sob a proteção de Santa Maria dos Anjos. A escolha do orago tem o seu significado na motivação que suscitou a nova fundação: com sua presença, as Irmãs Clarissas atualizam o mandato recebido por Francisco na primitiva igrejinha da “Porciúncula”, em Assis: «Vai, e renova a minha Igreja!».
Foi nessa perspectiva que o Papa Bento XVI viu a atualidade da vida contemplativa, em alocução pronunciada no dia 21 de novembro de 2006: «Por que “fechar-se” para sempre dentro dos muros de um mosteiro e privar, assim, os outros da contribuição das próprias capacidades e experiências? Que eficiência pode ter a sua oração para a solução dos numerosos problemas concretos que continuam a afligir a humanidade? O que leva esses nossos irmãos e irmãs a dar um passo de tamanho compromisso, senão o fato de ter compreendido, como ensina o Evangelho, que o Reino dos Céus é um “tesouro” pelo qual vale a pena tudo abandonar? Eles testemunham silenciosamente que, entre as vicissitudes cotidianas, por vezes bastante agitadas, o único apoio que jamais vacila é Deus, rocha inabalável de fidelidade e amor. “Tudo passa, Deus não muda”, escrevia a grande mestra espiritual, Santa Teresa de Ávila. Por isso, esses lugares aparentemente inúteis, são, pelo contrário, os “pulmões” verdes de uma cidade: fazem bem a todos, também àqueles que não os freqüentam e, talvez, ignoram a sua existência».
Às palavras do Papa, faz eco o documento de Aparecida, ao reconhecer: «A América Latina e o Caribe necessitam da vida contemplativa, testemunha de que somente Deus basta para preencher a vida de sentido e de alegria».
Se a cidade de Dourados foi abençoada com a presença de um novo mosteiro de vida contemplativa, isso se deve, em grande parte, ao zelo e à coragem de Frei Bernardo Dettling, que assim se pronunciou sobre os motivos que o levaram a batalhar pela nova fundação: «As Irmãs Clarissas não mantêm obras sociais, mas fornecem o “combustível” para que elas se realizem. Nisto consiste o seu auxílio pelo mundo: rezar pelos irmãos exatamente naquela situação em que todas as atividades, argumentos e métodos se mostram limitados e esgotados. Estar presente, disponível para Deus e, com isso, também para os irmãos. Essa vocação para a “substituição” é um aspecto essencial da vida das Clarissas».
 


 


 

Dom Redovino Rizzardo, cs
 

domredovino@terra.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

PONTA PORÃ
Homem fica nervoso ao ver policiais e é preso com mandado de prisão em aberto
Abel Ferreira pede tranquilidade ao Palmeiras na Final da Copa do Brasil
ESPORTES
Abel Ferreira pede tranquilidade ao Palmeiras na Final da Copa do Brasil
Embriagada, mulher bate carro em poste e vai parar na delegacia
REGIÃO
Embriagada, mulher bate carro em poste e vai parar na delegacia
Após cometer crime  no Brasil, bandido foge para o Paraguai, mas acaba preso
SE ACIDENTOU NO TRAJETO
Após cometer crime no Brasil, bandido foge para o Paraguai, mas acaba preso
PMA autua dois pescadores por pesca ilegal e apreende petrechos de pesca
AMAMBAI
PMA autua dois pescadores por pesca ilegal e apreende petrechos de pesca
BRASIL
TRF3 concede aposentadoria por invalidez a trabalhador rural portador de lombalgia
MS
Pescadores são autuados por pescar em cachoeira
STJ
Ministro nega pedido do Coaf para suspender investigação sobre conduta de servidores
ESTADO
Empresa divulga balanço das atividades na MS-306 após 11 meses de concessão
BRASIL
STF decide que Petrobras não precisa se submeter à Lei das Licitações

Mais Lidas

EXECUÇÃO
Executado na fronteira era publicitário e morador em Dourados
PONTA PORÃ
Homem é assassinado na região de fronteira e autores deixam recado ao lado do corpo
SIDROLÂNDIA
Empresário morre em acidente que deixou outros três feridos
FRONTEIRA
Corpo de bebê é encontrado em matagal e enrolado em cobertor