Menu
Busca segunda, 26 de julho de 2021
(67) 99257-3397

Concentração na mídia prejudica diversidade, diz especialista

16 outubro 2004 - 11h22

O jornalista e especialista em mídia Venício Lima alerta para os perigos inerentes à concentração da propriedade dos meios de comunicação. “Quanto menos controladores tiver a mídia, menos diversidade de conteúdo e menos pluralidade você vai ter. A maioria dos meios de comunicação é controlada por empresas privadas, cujo principal objetivo é ter sucesso no mercado. O grande critério que define a programação dessas emissoras é a audiência, com isso a qualidade do conteúdo fica em segundo plano. Esse é o maior problema do Brasil hoje”, destaca Lima, professor aposentado da Universidade de Brasília (UnB). Para Lima, a falta de mecanismos legais dificulta a democratização na mídia no Brasil. Ele cita o exemplo da legislação americana, que traz mecanismos que impedem a chamada propriedade cruzada, ou seja, verificada, por exemplo, quando um mesmo grupo detém um jornal e uma emissora de televisão. “No Brasil, um mesmo grupo tem no mercado várias concessões de televisão, rádio e jornais. Nos EUA, existem ainda limitações de domicílios que o mesmo grupo pode atingir, numa tentativa de coibir o monopólio de audiência. No caso brasileiro, você tem um grupo que, através de filiações contratuais não reguladas por lei, atinge 99%, praticamente 100% dos domicílios. A situação é diferente no Brasil pela ausência de mecanismos legais que impeçam o controle de um só grupo”, avalia. Outra crítica de Venício Lima diz respeito ao número de parlamentares brasileiros com interesses na área de radiodifusão. “O Brasil talvez seja o país do mundo que tenha entre seus parlamentares o maior número de representantes da população com interesses diretos na área de concessão de rádio e TV. Mesmo com a regulação básica da área, o código é de 1962, porque praticamente não se consegue nenhuma alteração legal na área. Quem legisla são as pessoas que têm interesse direto na área”, observa. Já o jornalista, sociólogo e professor da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo Laurindo Leal Filho diz que as emissoras públicas têm o papel de mostrar que existe possibilidade de alternativa ao “modelo cristalizado” das televisões comerciais. “Elas têm a missão de mostrar que existe o monopólio, a concentração, que concessões públicas são dadas pelo Estado em nome da sociedade e que, portanto, devem ser fiscalizadas por essa sociedade. São serviços públicos como qualquer outro, como de água, de energia, como os transportes, e, portanto, a sociedade tem que exigir qualidade desse serviço público. Portanto, um dos papéis das emissoras públicas é o de esclarecer essa caixa-preta que são as concessões do rádio e da televisão no Brasil”, salienta.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

"Soldado" de grupo terrorista que atuava na fronteira é preso no Paraguai
POLÍCIA
"Soldado" de grupo terrorista que atuava na fronteira é preso no Paraguai
PLANOS DE SAÚDE
Presidente veta projeto que obriga cobertura de tratamento de câncer
Homem é preso após agredir patrão e jogar gasolina em residência
BRASIL
Saúde aponta 'irregularidades' em contrato na gestão de Ricardo Barros
GOLPE
Mulher transfere R$ 4.300 após golpista se passar pelo filho dela
SAÚDE
Monitoramento aponta boa qualidade das águas subterrâneas de MS
BATAYPORÃ
Polícia apreende cerca de 500 quilos de pasta base de cocaína na MS-134
PRÁTICAS
Detran/MS dobra número de exames realizados no primeiro semestre
TRÊS TONELADAS
Caminhão que saiu de MS é apreendido no Paraná com maconha
FUTEBOL
Justiça anula eleição de Caboclo na CBF e nomeia Landim interventor

Mais Lidas

DOURADOS
Revoltados por morte de adolescente, populares atacam casa de acusado
POLÍCIA
Adolescente de 13 anos morre após ser atropelado no Estela Porã; motorista fugiu
DOURADOS
Homem é esfaqueado na Rua Monte Alegre e encaminhado em estado grave ao HV
DOURADOS
Jovem bêbado é preso dirigindo em 'zigue-zague' na Presidente Vargas