Menu
Busca sexta, 23 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Clonagem de celular gera indenização de R$ 15 mil

04 julho 2005 - 09h19

O juiz da 13ª Vara Cível da comarca de Belo Horizonte, Llewellyn Davies Medina, condenou uma empresa de telefonia a indenizar por danos morais, em 50 salários mínimos (R$ 15 mil), uma funcionária, corretora de seguros, que teve o telefone celular "clonado". Segundo o processo, a securitária usa um celular da empresa em que trabalha para fins comerciais. A partir de março de 2003, a empresa começou a receber reclamações de clientes que tentavam entrar em contato com o celular e não conseguiam falar. A securitária recebeu uma advertência dos superiores e foi ameaçada de perder o emprego, mesmo já estando na empresa há 17 anos. Ela entrou em contato com seus clientes para saber o que estava acontecendo e foi informada que ninguém atendia ao número do telefone e, quando atendia, era um homem que não se identificava e desligava. Imediatamente, entrou em contato com a operadora e, após muitas reclamações e nenhuma solução, em abril de 2004, fez uma representação na Polícia Civil. Após, manteve novo contato com a operadora que alegou que ela deveria pagar as contas antes de resolver o problema. Mas, as contas eram superiores a R$ 1 mil e a securitária se recusou a pagar. A empresa, para pressionar, começou a fazer cortes nos serviços prestados. Cansada e com a imagem maculada resolveu ajuizar ação de indenização por danos morais. A empresa, em sua defesa, alegou que já tinha detectado o "clone" no aparelho e disponibilizou um novo para a securitária, além disso, o fato do aparelho ter sido "clonado" não impede seu uso e alegou, por fim, que a culpa não é dela e sim de terceiros que foram os responsáveis pela clonagem. O juiz, em sua sentença, disse que o fato de o telefone ter sido "clonado", "já é prova do defeito na prestação do serviço telefônico, pois não ofereceu a segurança que dele se devia esperar". Além disso, a funcionária sofreu constrangimento "visto que recebeu advertência do seu patrão" por causa de reclamações de clientes. Os danos materiais foram julgados improcedentes por que a securitária não comprovou o pagamento de valores indevidos. Os honorários advocatícios e as custas processuais serão divididos entre as partes.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

MS notifica mil casos na semana e tem segunda maior incidência de dengue do país
SAÚDE PÚBLICA
MS notifica mil casos na semana e tem segunda maior incidência de dengue do país
Estado confirma mais 48 óbitos por coronavírus e leitos de UTI/SUS continuam lotados
PANDEMIA
Estado confirma mais 48 óbitos por coronavírus e leitos de UTI/SUS continuam lotados
Viver Bem da Unimed faz programa de combate ao tabagismo
SAÚDE & BEM-ESTAR
Viver Bem da Unimed faz programa de combate ao tabagismo
PANDEMIA
Japão declara terceiro estado de emergência
Polícia estoura 'armazém' para refino de cocaína e prende 14 em MS
TRÁFICO
Polícia estoura 'armazém' para refino de cocaína e prende 14 em MS
ECONOMIA
Benefícios fiscais: atacadistas devem aderir ao ROT até dia 30 de abril
DOURADOS
Após comprar moto furtada, jovem é preso por receptação
IMUNIZAÇÃO
Renato Câmara reforça pedido de vacinação de professores e administrativos da rede estadual
MS
Profissionais da área da saúde são convocados em processos seletivos do Governo
POLÍCIA
Idosa denuncia sobrinha por furto em Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
Grupo receberia comissão se conseguisse negociar carga de maconha no Água Boa
DOURADOS
Jovem confessa 18 tiros, mas diz que idoso morreu antes por enforcamento
IVINHEMA
Polícia encontra mais de 800kg de maconha em casa alugada para o tráfico
DOURADOS
Ladrão invade alojamento do Hospital da Vida e leva pertences de enfermeiras