Menu
Busca quinta, 22 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
MEIO AMBIENTE

Veterinários do CRAS já trataram 17 animais vítimas das queimadas em MS

26 setembro 2020 - 10h45Por Da Redação

Entre os dias 13 e 22 de setembro, 17 animais silvestres receberam atendimento da equipe de médicos veterinários do CRAS (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), na sede em Campo Grande e na unidade móvel destacada para o Parque Estadual das Nascentes do Rio Taquari e região.

A maioria dos animais atendidos neste período sofreu ferimentos em decorrência das queimadas que atingem o Estado.  Na unidade de Campo Grande passaram 12 animais, dos quais sete morreram e cinco estão em recuperação.

Os animais que não resistiram aos ferimentos são um preá (de Campo Grande), uma anta (de Rio Verde), um filhote de Jandaia (de Alcinópolis), um filhote veado campeiro (de Alcinópolis), um curiango (de Campo Grande), um macaco prego e um tatu.

Seguem em atendimento dois filhotes de arara, um veado campeiro jovem e um tamanduá mirim, de Campo Grande. E um gavião-asa-de-telha vindo de Rochedinho. A veterinária Aline Duarte, coordenadora do CRAS, explica que os animais silvestres vítimas de queimadas ficam muito debilitados pela desidratação causada principalmente pela fumaça e o calor. E em caso de filhotes a situação se agrava por terem perdido as mães e serem mais vulneráveis.

Unidade móvel do CRAS

A unidade móvel do CRAS enviada para o atendimento aos animais vítimas de incêndios florestais no Parque Estadual das Nascentes do Rio Taquari e região, atendeu cinco animais desde dia 13 de setembro. Dois morreram, dois seguem em atendimento e um já retornou à natureza.

Um filhote de gato mourisco e um filhote de cateto não resistiram aos ferimentos, enquanto dois filhotes de cateto foram atendidos e passam bem e um tamanduá mirim foi solto após receber tratamento. Além do atendimento emergencial aos animais feridos, a equipe do CRAS também prepara alimentação a base de frutas e verduras, que são levados aos locais que já estão livres do fogo, para auxiliar na recuperação das espécies sobreviventes, que já enfrentam escassez de alimento na mata.

Na região de Corumbá e Ladário a recepção contará com apoio da PMA (Polícia Militar Ambiental, onde será montado um centro de atendimento. Na região a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) disponibilizou a base de pesquisa na estrada-parque também para receber animais atingidos pelo fogo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Em carta, advogado pede perdão por morte de PM em acidente
FISCALIZAÇÃO
Tecnologia auxilia na apreensão de agrotóxicos irregulares em MS
CHAPADÃO DO SUL
Após festa, homem bêbado arrasta esposa grávida pelos cabelos
JUSTIÇA
Construtoras devem indenizar cliente por atraso na entrega de imóvel
ROCHEDO
Trabalhador rural morre após sofrer queda e ser atingido por trator
DECISÃO
BR-163 em MS tem relicitação da concessão autorizada pelo governo federal
JUDICIÁRIO
STF decide que MS tem direito ao ICMS de gás importado da Bolívia
BRASILEIRO SÉRIE D
Águia Negra empata no Mato Grosso e continua fora do G-4
POLÍTICA
Deputados sugerem medidas para reduzir mortes violentas no País
PONTA PORÃ
PF faz segunda maior apreensão de cocaína do ano em MS

Mais Lidas

DOURADOS
Acidente entre carreta e motocicleta mata mulher na BR-163
HOMICÍDIO EM 2013
Condenada pela morte do ex em Dourados é presa na Capital
DOURADOS
Motorista bêbado causa acidente em semáforo da Avenida Marcelino Pires
DOURADOS
Carona de motociclista que morreu em acidente com carreta corre risco de ter perna amputada