Menu
Busca sábado, 26 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
AGRICULTURA

Vazio sanitário: Em 10 anos, MS reduz 92% casos de ferrugem asiática

12 junho 2015 - 17h45

Os mais de 10 mil sojicultores de Mato Grosso do Sul têm feito a lição de casa com o vazio sanitário e contribuído com a diminuição nos casos de ferrugem asiática. Em dez anos, período de 2005 e 2015, o estado reduziu em 92% o número de registros do fungo. Entre 15 de junho a 15 de setembro, todas as plantas de soja existentes nas lavouras devem ser erradicadas, por meio de produtos químicos ou equipamentos evitando incidência da doença na entressafra.

Enquanto na safra 2014/2015 o estado registrou 19 casos da doença, em 2005, foram constatadas 246 casos. A justificativa para redução está no comportamento do agricultor. “Desde 2009, quando o vazio foi adotado como forma de proteção, produtores sul-mato-grossenses são receptivos quanto às datas de início e termino do período”, ressalta o presidente da Aprosoja/MS – Associação de produtores de Soja e Milho de MS, Mauricio Saito.

Conforme estabelece lei estadual, a medida tem o objetivo de prevenir, controlar e auxiliar na erradicação da ferrugem, uma das principais doenças que afeta a cultura. O fungo Phakopsora pachyrhizi Sydow se aproveita do clima mais ameno e úmido para proliferação, é por isso que durante 90 dias fica proibida a semeadura do grão no Estado.

Evitando a entrada do fungo, o produtor garante maior produtividade, mais lucro e menos custo com o manejo. “Quando ela aparece no início do cultivo é preciso entrar com correções e não prevenções, isso aumenta de 5% a 10% o custo de produção, já que, dependendo da temperatura e da região, serão necessárias várias aplicações de fungicidas”, explica o agrônomo, Leonardo Carlotto. explica o analista de grãos da Aprosoja/MS, Leonardo Carlotto.

Cuidado com a soja guaxa

Já é sabido que o vazio sanitário reduz o impacto negativo causado pela ferrugem asiática. Mas fora da propriedade, durante o transporte de soja nas rodovias, os grãos caem dos caminhões na beira da estrada e nascem. As plantas são chamadas ‘soja guaxa’ e, apesar de não terem sido semeadas, é responsabilidade do agricultor extraí-las.

Além de Mato Grosso do Sul, os estados da Bahia, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins cumprem com o vazio, com datas estipuladas de acordo com as condições climáticas de cada região.

No Estado, equipes da Iagro – Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal irão fiscalizar propriedades rurais verificando o cumprimento da medida no intervalo dos 90 dias.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Profissionais podem se increver até 6 de outubro no CNJ Inova
CRIME
Imagem de satélite leva a flagrante de desmatamento ilegal em MS
REGIÃO
Presos pela PRF com caminhonete roubada são autuados em Dourados
BRASILEIRÃO
TRT-RJ suspende Palmeiras e Flamengo devido a infectados pela covid-19
DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS
Próximo prefeito de Dourados terá orçamento menor no primeiro ano de governo
MS
Idosa de 84 é multada em R$ 11 mil por derrubada de árvores em área protegida
BRASIL
Bolsonaro recebe alta após cirurgia para retirada de cálculo na bexiga
DOURADOS
Bombeiros atendem segunda ocorrência de incêndio residencial no mesmo dia
DOURADOS
MPE descarta omissão de servidores e arquiva inquérito sobre homicídio na PED
PERIGO
Em alerta por onda de calor e baixa umidade, Dourados tem temperatura mais alta no ano

Mais Lidas

POLÍCIA
Caminhoneiro de Dourados morre ao capotar na serra de Maracaju
PANDEMIA
Novo decreto diminui toque de recolher e libera venda de bebidas em bares até as 23h
PROSSEGUIR
Governo atualiza mapa da Covid e Dourados volta para "bandeira vermelha"
PONTA PORÃ
Polícia apreende comboio com contrabando avaliado em R$ 1 milhão