Menu
Busca sábado, 08 de agosto de 2020
(67) 99659-5905
IGUATEMI

União deverá fornecer água para escola de comunidade indígena de MS

17 dezembro 2019 - 16h05Por Da Redação

Após pedido do Ministério Público Federal (MPF) em Naviraí, a Justiça Federal determinou que a União providencie, no prazo de 30 dias, o fornecimento de água potável à escola construída em área ocupada pela comunidade indígena Pyelito Kuê, em Iguatemi. O fornecimento deve se dar de forma contínua e suficiente para o pleno funcionamento do estabelecimento de ensino.

A referida comunidade ocupa, desde 2014, área cedida em comodato pelo proprietário do imóvel rural após acordo judicial celebrado entre as partes. Desde então os moradores pleiteiam a construção de uma escola, a fim de garantir às crianças o direito à educação diferenciada e bilíngue. Após uma série de obstáculos burocráticos, a estrutura da escola ficou pronta em março de 2019 e restou definido que a escola passaria a funcionar como extensão a partir de 2020.

No tocante ao abastecimento de água, há sentença judicial no bojo de Ação Civil Pública ajuizada pelo MPF obrigando a União a “finalizar a implementação de medidas administrativas eficazes, tendentes à garantia de contínuo fornecimento de água potável aos indígenas integrantes da Comunidade Pyelito Kuê”. Segundo a União, a decisão vem sendo cumprida por meio da distribuição de água com caminhão-pipa, locado para abastecer dois reservatórios de cinco mil litros uma vez por semana em favor da comunidade de Pyelito Kuê.

Entretanto, a iminência do início de funcionamento da escola da comunidade gerou uma nova demanda por água potável, notadamente de responsabilidade da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai). Questionado, o coordenador do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) alegou “indisponibilidade de recursos e impossibilidade de realizar obras em áreas não regularizadas”.

No pedido que foi atendido pela Justiça, o MPF destaca que é responsabilidade da União, por meio da Sesai, prover o abastecimento de água em prol da comunidade indígena, independentemente do status fundiário da área que atualmente ocupam. “Embora a União esteja abastecendo as residências dos indígenas de Pyelito Kuê, a falta de água potável na escola os colocará novamente em situação de vulnerabilidade; ou a escola não entrará em funcionamento ou funcionará com o uso de água imprópria para o consumo, colocando em risco justamente o elo mais frágil da comunidade – as crianças. Agora, além da saúde das crianças de Pyelito Kuê, a educação bilíngue e diferenciada, atrelada aos seus costumes e tradições – conforme constitucionalmente garantido – está ameaçada”, reforçou o órgão ministerial.

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVID-19
Brasil supera 100 mil mortes, segundo consórcio de veículos de imprensa
UTI
Pastor se recupera da covid, recebe alta e ganha festa depois de 11 dias
POLÍCIA
Mulher denuncia ex por ameaças um mês após separação: 'Prefiro você morta'
PANDEMIA
Quase 30 casos novos de coronavírus são registrados por hora em MS
CRIME AMBIENTAL
Paulista é multado em R$ 113 mil por desmatamento de vegetação nativa
SAÚDE
Óleo da maconha é eficaz no tratamento da epilepsia, diz estudo
CAMPO GRANDE
Polícia volta à mata para buscar corpo de homem desaparecido
AUTOMOBILISMO
GP dos 70 anos da F1: Bottas toma pole de Hamilton na última volta,
CHAPADÃO DO SUL
Ônibus que levava trabalhadores para usina fica carbonizado após acidente
TELEVISÃO
Chica Xavier, atriz de 'Sinhá Moça' e 'Renascer', morre aos 88 anos

Mais Lidas

INVESTIGAÇÕES
Polícia desarticula quadrilha responsável por furtos e tentativa de homicídio em Dourados
DOURADOS
Mãe e marido de adolescente de 12 anos são autuados por estupro de vulnerável
PANDEMIA
Com mais dois óbitos confirmados, Dourados chega a 61 mortes por coronavírus
DOURADOS
Equipe do Samu se desloca para atender vítima de facadas em bairro