Menu
Busca sexta, 25 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
FEDERAL MS

UFMS acata recomendação e altera edital de concurso público para técnicos administrativos

04 março 2020 - 16h05Por Da Redação

A Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) acatou recomendação expedida pelo Ministério Público Federal (MPF) e promoveu alterações no Edital PROGEP/UFMS n° 153/2019, referente a concurso público para ingresso de técnicos administrativos em educação. O certame previa a eliminação dos candidatos inscritos no sistema de cotas para negros e pardos que não fossem aprovados pela comissão de heteroidentificação, antes mesmo da realização das provas objetivas.

A Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC) recomendou que o edital fosse alterado com o escopo de permitir que os candidatos que não tivessem a autodeclaração confirmada pela comissão avaliadora fossem apenas transferidos para a ampla concorrência. Recomendou ainda que um novo dispositivo editalício fosse inserido a fim de assegurar a eliminação somente dos candidatos que apresentarem declaração falsa, isto é, que comprovadamente atuarem com o propósito de fraudar a política de cotas.

A UFMS atendeu a recomendação, e foi além: as alterações no edital agora permitem que o candidato inscrito na modalidade de ampla concorrência possa mudar sua inscrição e concorrer no sistema de cotas. Essa alteração tem por objetivo compensar o potencial desestímulo que pessoas fenotipicamente ambíguas - autoidentificadas como pardas, por exemplo - possam ter sentido com a possibilidade de exclusão do certame. De todo modo, os candidatos que comprovadamente tentarem burlar a política de ação afirmativa por meio de aparatos artificiais terão de fato sua participação no concurso vetada.

Comissão de heteroidentificação – O objetivo da comissão de heteroidentificação é evitar a fraude em provas e concursos que possuem, por lei, 20% das vagas destinadas a candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas. De acordo com o art. 2° da Lei n.° 12.990/2014, a única hipótese para eliminação dos candidatos autodeclarados pretos ou pardos seria a constatação de declaração falsa, a qual depende de comprovação de má-fé.

A UFMS, tomando como base essa lei, interpretou que candidatos reprovados pela comissão deveriam ser de toda forma excluídos do certame. Porém, para o MPF, apenas a reprovação na comissão não é o suficiente para alegar má-fé por parte do candidato, uma vez que a análise fenotípica dos indivíduos é extremamente subjetiva. "Há evidente distinção entre 'declaração falsa', hipótese prevista pelo legislador para punir os candidatos que atuaram dolosamente com o propósito de burlar a política de ação afirmativa, e a 'autodeclaração não confirmada' consagrada no ato infralegal, que se refere à mera discordância de uma comissão avaliadora a respeito do pertencimento do candidato a determinada raça/etnia. Isso não presume, por si só, a má-fé", diz a PRDC.

A recomendação ainda diz que a possibilidade de exclusão poderia desestimular candidatos cuja identidade racial não se resume a uma lógica binária (preto ou branco), uma vez que o medo de exclusão os faria evitar a modalidade de ações afirmativas. Deste modo, a política de inclusão teria efeito contrário, afastando candidatos que genuinamente se identificam como pretos ou pardos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ACESSO GARANTIODO
Brasil adere a aliança para aceleração da vacina contra a covid-19
SAÚDE DO PRESIDENTE
Bolsonaro passará por cirurgia nesta sexta-feira em São Paulo
CAPITAL
Jovem morre em troca de tiros com atual marido da ex-esposa
EDUCAÇÃO
Redes Sociais em Tempos de Pandemia
TEMPO
Sexta-feira de sol com algumas nuvens em Dourados; não chove
REGIÃO
Homem é encontrado morto com tiro no pescoço em bairro da Capital
BRASIL
Presidente Bolsonaro sanciona lei que amplia uso de assinatura digital
MARACAJU
Polícia apreende mais de 500 quilos de maconha em veículo abandonado
MS
Investigação aponta fazendas onde começou incêndio gigantesco no Pantanal
ANTÔNIO JOÃO
Casal é preso na região de fronteira com 126 quilos de cocaína

Mais Lidas

PANDEMIA
Novo decreto diminui toque de recolher e libera venda de bebidas em bares até as 23h
ACIDENTE
Mulher envolvida em acidente no Centro ficou presa às ferragens de veículo
PROSSEGUIR
Governo atualiza mapa da Covid e Dourados volta para "bandeira vermelha"
POLÍCIA
Homem morre ao tentar invadir delegacia de Glória de Dourados