Menu
Busca sábado, 31 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
LIMINAR

Tribunal de Justiça nega habeas corpus a acusado de violência doméstica

23 outubro 2017 - 18h05Por Da Redação

Em sessão de julgamento, os desembargadores da 1ª Câmara Criminal, do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do SUl) por unanimidade, denegaram a ordem de habeas corpus, com pedido liminar, em favor de D.L. de O.S., preso preventivamente pelos crimes de violência doméstica, ameaça, lesão corporal e porte ilegal de arma de fogo.

Consta nos autos que na madrugada de 24 de setembro de 2017, no Jardim Centenário, na Capital, o denunciado ofendeu a integridade de sua esposa e a agrediu com socos na cabeça e na boca. O autor utilizou uma arma de fogo e deu várias coronhadas na cabeça da vítima, logo depois a empurrou do carro em que estavam, a ferindo gravemente. Com a arma na cabeça da esposa, ele ainda ameaçou matá-la.

De acordo com a denúncia, a arma que o denunciado portava era de uso permitido de uma terceira pessoa e estava no carro onde ocorreram as agressões. O agressor passou a portá-la ilegalmente e utilizá-la para prática de delitos. Consta que o acusado efetuou disparos com a referida arma de fogo, em lugar habitado, visto que atirou para cima no quintal de sua residência.

O acusado foi preso em flagrante e teve sua prisão convertida em preventiva, sob o argumento de garantia da ordem pública.

Diante de tal decisão, a defesa impetrou a ordem de habeas corpus, com pedido liminar, apontando estarem ausentes os requisitos para manutenção do encarceramento. Pleiteou a aplicação de medidas cautelares diversas da prisão ou, ainda, a conversão para o regime domiciliar, tendo em vista se tratar de portador de doença grave.

A liminar foi indeferida.

Em seu voto, o relator do processo, Des. Manoel Mendes Carli, entende que é inviável a conversão da prisão preventiva em prisão domiciliar, uma vez que não foi comprovado que o homem deixou de ter atendimento médico adequado no cárcere.

Argumenta que, nos termos do artigo 313 do Código de Processo Penal, admite-se a prisão preventiva nos crimes dolosos punidos com pena privativa de liberdade superior a 4 anos, bem como se já houver condenação em outro crime doloso, se envolver violência doméstica e familiar ou se houver dúvida sobre a identidade civil.

Aponta o relator que a prisão preventiva pode ser decretada para garantir a ordem pública e econômica ou, ainda, para a conveniência da instrução criminal e para assegurar a aplicação da lei penal, bem como quando há prova da existência do crime e indício suficiente de autoria.

“Diante dos fatos apresentados, a prisão preventiva deve ser mantida para garantia da ordem pública, pois, de fato, há possibilidade real de o paciente cumprir as ameaças de morte, considerando a arma de fogo apreendida. Portanto, denego a ordem”.

O processo tramitou em segredo de justiça.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRANSTORNOS
Pesquisa revela aumento da ansiedade entre brasileiros na pandemia
DOURADOS
Antevéspera de Dia de Finados já tem movimento nos cemitérios municipais
BRASIL
Com covid-19, ministro da Saúde segue internado em Brasília
DOURADOS
Outubro teve calorão recorde na primeira quinzena e terminou com tempestade
PANDEMIA
MS tem mais 346 confirmações e quatro mortes por Covid-19
SERRA DO MAR
Monitoramento na Mata Atlântica busca salvar onça-pintada
BRASIL
TRF3 mantém restrições à publicidade de produtos para lactantes e crianças de primeira infância
INTERIOR
Autuado por crime ambiental é preso pela dívida de pensão alimentícia
ESTADO
Neno Razuk prestigia ações da campanha de Onevan de Matos, em Naviraí
ELEIÇÕES 2020
Dourados terá carga, lacração e conferência das urnas de 5 a 6 de novembro

Mais Lidas

JÚRI
Assassinos de jovem após "tribunal do crime" em Dourados são condenados
VILA VARGAS
Hotéis em distrito de Dourados eram utilizados como entreposto do contrabando
DOURADOS
Homem suspeito de estuprar criança que saiu para comprar doce é colocado em liberdade
AVENIDA PRESIDENTE VARGAS
Titan com quase R$ 400 mil em multas é apreendida em Dourados