Menu
Busca quarta, 20 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
NEGOCIAÇÃO

Trabalhadores da construção civil da Capital querem 16,5% de reajuste salarial

03 fevereiro 2016 - 16h50

Os operários da construção civil de Campo Grande decidiram em assembleia geral que querem 16,5% de reajuste salarial a partir de 1º de março, data base da categoria. Além disso, querem também participação no lucro das empresas; refeições gratuitas nos canteiros de obras e melhorias diversas nas áreas de saúde e segurança no trabalho, informa José Abelha Neto, presidente do sindicato da categoria, o Sintracom (Sind. dos Trab. nas Ind. da Construção Civil e do Mobiliário de Campo Grande).

“Esse percentual cobre as perdas salariais no acumulado dos 12 meses que antecedem nossa data base, que deverá ficar em torno de 11%. Portanto, estamos pedindo em torno de 5% de ganho real, que é muito justo”, afirmou Abelha Neto.

O líder sindical disse ainda que os trabalhadores pedem também refeições gratuitas nos canteiros de obras; Mais segurança e plano de saúde para todos. “Precisamos avançar também nessas outras questões. O lucro das empresas é muito grande e é preciso dividir com os operários que precisam de salários e condições dignas para o sustento de suas famílias”, afirmou.

O empenho das empresas construtoras para que os trabalhadores tenham mais condições de se aperfeiçoarem profissionalmente, também fará parte do elenco de pedidos que serão encaminhados na próxima semana à classe patronal. Querem também o combate à terceirização no setor, pois esse sistema só penaliza os trabalhadores, explica Abelha Neto. Ele lembra que o combate ao assédio moral também precisa ser trabalhado nos canteiros de obras para melhoria das condições de trabalho dos operários.

Durante a assembleia dos operários, para discutir a pauta de reivindicação, o Dieese apresentou estudos que demonstraram uma retração no ano passado (2015) na venda de materiais de construção. Foi a primeira queda nas vendas em 12 anos. Ainda assim, foi pequena, de 5,8%. O setor ainda conseguiu abocanhar nada menos que R$ 56,5 bilhões, segundo dados da Associação Nacional dos Comerciantes de Materiais de Construção.

Esses dados, segundo o Sintracom/CG demonstram que o setor não teve um impacto muito grande e que as obras continuaram e o faturamento foi grande para todos os segmentos envolvidos na construção civil. Só o trabalhador teve seus salários limitados e dispensados como forma de conter os impactos negativos.

“Está na hora de devolver o emprego e pagar melhor nossos trabalhadores. Esses homens e mulheres que verdadeiramente impulsionam o desenvolvimento da indústria da construção civil neste Mato Grosso do Sul”, afirmou Abelha Neto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
AGU mantém na Justiça segundo dia de provas do Enem
Homem leva multa de R$ 10 mil por construção de rancho em área protegida
CRIME AMBIENTAL
Homem leva multa de R$ 10 mil por construção de rancho em área protegida
GOVERNO DO ESTADO
Mesmo com vacina, população deve seguir em alerta sobre a Covid-19
EDUCAÇÃO
Ministro dá posse a novos reitores de três universidades federais
NA CAPITAL
Prefeitura de Campo Grande corrige e toque de recolher volta às 22h
RENAVE
Registro Nacional de Veículos em Estoque é lançado em Mato Grosso do Sul
PANDEMIA
Brasil registra 1.340 mortes por Covid-19 em 24h
BONITO
Quase 400 quilos de maconha deixados em veículo são apreendidos
COTAÇÃO
Dólar cai para R$ 5,31 com otimismo por posse de Biden
REABILITAÇÃO
Onça que sofreu queimaduras em incêndio na Serra do Amolar será solta

Mais Lidas

DOURADOS
Promotor vê preconceito em comentários contra vacina para índios e denuncia à PF
DOURADOS
Mulher é presa acusada de dar cobertura para assaltantes que rendiam família
DOURADOS
Em ação conjunta, polícia deflagra operação para investigar crimes
TRAGÉDIA
Casal morre após caminhonete colidir contra carreta na BR- 163