Menu
Busca segunda, 21 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
JUSTIÇA

TJ nega adoção por não oferecer vantagens para a criança

11 fevereiro 2020 - 15h50Por Da Redação

Por unanimidade, os desembargadores da 1ª Câmara Cível negaram provimento ao recurso interposto por um auxiliar de produção, residente no interior de MS, contra a sentença de primeiro grau que julgou improcedente a ação na qual propôs a adoção de sua enteada de um ano.
 
De acordo com o processo, na época do pedido, o autor e a mãe da criança conviviam em união estável há sete meses e não tinham filhos dessa união. Quando passaram a conviver, a companheira já tinha uma filha que o homem tratava como filha, despendendo tratamento igual ao dado aos filhos biológicos.
 
A mãe concordou com a adoção e o autor afirmou possuir condições financeiras para criar e educar a menina, mas o juiz de primeiro grau julgou improcedente a ação de adoção que pedia a adoção da criança, com expedição de novo registro civil, ante a falta de identificação do pai biológico da menina.
 
Na sentença, o juiz apontou que não se constatou relação de vínculo seguro e significativo de afetividade da menina com o autor, mas tão somente uma sensação de segurança que poderia ser observada com qualquer outro adulto em seu meio de convívio.
 
O juiz considerou ainda o depoimento do filho biológico de 13 anos do autor, destacando que o pai não conseguia cuidar nem dos filhos legítimos, que dirá de outros, e entendeu que o autor não atendeu as exigências legais que resguardam o melhor interesse da criança e o fundamento legítimo para a adoção.
 
Para o relator da apelação, Des. João Maria Lós, acertada a sentença de improcedência, pois o art. 43 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) prevê que a adoção somente será deferida quando se apresentar reais vantagens para o adotando e fundar-se em motivos legítimos.
 
“À luz das particularidades fáticas do litígio não foram demonstrados tais pressupostos. Ao contrário, ficou consignada a reiterada omissão do padastro em relação ao exercício do pátrio poder de vários outros filhos biológicos, sem prejuízo da dubiedade dos motivos que levaram ao ajuizamento da demanda”, escreveu o desembargador.
 
Em seu voto, o relator citou ainda que se comprovou que o autor possui sete filhos de relacionamento anteriores, com os quais não mantém contato próximo, e destes um externou não ser a adoção uma boa ideia, considerado o pouco caso com que o pai trata a vasta prole anterior. “Em face do exposto, conheço do recurso e nego provimento”.

O processo tramitou em segredo de justiça.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÁFICO DE DROGAS
Dois são pegos vendendo cocaína e maconha no centro de Batayporã
MATO GROSSO DO SUL
Reforma do IML de Corumbá vai custar quase R$ 300 mil ao Governo do Estado
POLÍTICA
Deputados federais visitam áreas de queimadas no Pantanal de MS e MT
IMPRUDÊNCIA
Idoso de 74 anos acaba preso após ser flagrado dirigindo bêbado
REGIÃO
Polícia encontra carro abandonado com mais de meia tonelada de maconha
POLÍTICA
Com pauta cheia, comissões do Senado fazem sessões semipresenciais
POLÍCIA MILITAR
Homem é preso por disparo em via pública e porte ilegal de arma de fogo
PANDEMIA
Dos mais de 64 mil casos de coronavírus em MS, 90% já estão recuperados
BRASIL
Barroso: ceticismo com mudança climática é obstáculo a ser superado
JARDIM
Mulher é autuada por derrubar árvores em área protegida de mata ciliar de córrego

Mais Lidas

RIO BRILHANTE
Homem de 56 anos cai de trator e morre atropelado em fazenda
ESTADO
Confraternização em fazenda termina com tragédia após briga familiar
TRAGÉDIA
Bombeiro em Dourados morre durante acidente em Santa Catarina
DOURADOS
Amigos e familiares de entregador morto em acidente pedem que justiça seja feita