Menu
Busca terça, 07 de julho de 2020
(67) 99659-5905
CAMPO GRANDE

TJ decide ser contra o desmatamento do Parque dos Poderes

20 fevereiro 2020 - 11h13Por Da Redação

Na manhã de terça-feira, no Auditório Dra. Cláudia Menezes Pereira, no prédio do Ministério Público Estadual foi realizada a Audiência Pública para discutir o tombamento do complexo do Parque dos Poderes. Capitaneada pelo Promotor de Justiça Luiz Antônio Freitas de Almeida, contou com a participação do Promotor de Justiça e Coordenador do Núcleo Ambiental do MPMS, Luciano Furtado Loubet; do Superintendente da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, Rafael Biagi; da Procuradora do Estado Ana Cláudia Ali Garcia, representando o Governo; de Marinalda Junges Rossi, representado a Fundação de Cultura; do Secretário Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana, Luís Eduardo Costa; além de diversas entidades como: Instituto Mamede, Movimento SOS Parque dos Poderes, Movimento Social Juristas pela Democracia, especialistas da área ambiental e a sociedade civil.

No momento em que era realizada a Audiência Pública de Tombamento do Parque dos Poderes na sede do MPMS, acontecia na 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul o provimento parcial de agravo de instrumento interposto pelo MPMS e que impediu a supressão de parte da mata no Parque dos Poderes.

O Promotor de Justiça Luiz Antônio, após ser avisado do resultado do julgamento do recurso pela representante do Governo durante a audiência, considerou a notícia positiva e agradeceu: “Preciso agradecer aqui a todos os presentes. Vocês que estão aqui representam uma parcela importante e significativa da sociedade por movimentar o Ministério Público do Estado. Houve uma vitória do meio ambiente. ”

Durante Audiência Pública, diversas entidades, especialistas e doutores em meio ambiente dedicaram suas falas para questionar, debater e manifestar suas opiniões acerca da atual situação ambiental de Campo Grande, debate esse valorizado pelo MPMS. “Queremos que o Governo desista de desmatar. Existem alternativas locacionais para deslocar serviços públicos para o Centro da cidade. É algo até insano, em pleno século XXI, com tantos problemas climáticos que Campo Grande vem enfrentando, problemas de alagamento, o clima está quente, seco, os recursos hídricos vão ficar comprometidos”, afirmou a Coordenadora do Movimento Juristas pela Democracia, Giselle Marques.

No encerramento da Audiência Pública, o Promotor de Justiça Luiz Antônio Freitas de Almeida concluiu: “Os próximos passos são: analisar a Ata, diante do que foi discutido nesta Audiência Pública; definir quais as dificuldades e de que forma o MP pode auxiliar em relação ao pedido de tombamento que tramita na Fundação de Cultura, bem como solicitar estudos técnicos que concluam pela necessidade ou não do tombamento”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Bodoquena, Bela Vista e Terenos solicitam reconhecimento de calamidade pública
BRASIL
Mais de 200 mil candidatos se inscreveram no primeiro dia de abertura do Sisu
BRASIL
Senado aprova convite a Mourão para debater Conselho da Amazônia
CAMPO GRANDE
Na Capital, anta é resgatada após cair em piscina de chácara
DOURADOS
Dono encontra carro que havia locado “depenado” em barracão
ECONOMIA
Dólar fecha em alta com cautela externa por coronavírus
DOURADINA
TJ mantém preventiva de acusado de tentar matar a ex a marteladas
BRASIL
Maia quer votar projeto que regulamenta Fundeb na próxima semana
PANDEMIA
Comerciante de 45 anos é a 37ª vítima do coronavírus em Dourados
PANDEMIA
Com quase 100% dos leitos de UTI ocupados, HR vai “partilhar” pacientes

Mais Lidas

DOURADOS
Antes do crime, homem que matou secretário havia sido demitido por não usar máscara
DOURADOS
Acusado de matar secretário em Dourados acaba preso em barreira sanitária
DOURADOS
Carro que atingiu ciclista pega fogo após bater em árvore ao lado de Avenida
DOURADOS
Adolescente pilota moto embriagado e tio morre após queda na Coronel Ponciano