Menu
Busca sábado, 30 de maio de 2020
(67) 99659-5905
MS

Suicídio é 3ª causa de morte entre jovens e psicóloga alerta para prevenção

19 setembro 2017 - 19h50

Os números impressionam. Citando estatísticas da Organização Mundial de Saúde (OMS) e de entidades como a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), a psicóloga do Hospital Nosso Lar em Campo Grande, Neomar Herculano de Souza, alertou para verdades e mitos relacionados ao suicídio. O ato de tirar a própria vida corresponde à terceira causa de morte entre os jovens com até 22 anos no Brasil, ficando atrás somente dos acidentes de trânsito e da violência urbana. "A cada 45 minutos uma pessoa se suicida no país, que já é o oitavo no ranking mundial", afirmou.

A psicóloga enfatizou que 95% dos casos podem ser evitados e que apenas 2% têm motivações ideológicas. "Temos que entender que o suicídio é um sintoma e que precisamos buscar as causas, que podem estar relacionadas aos transtornos mentais, a fatores genéticos e ambientais. Uma vez compreendidos os fatores e tratados, na grande maioria dos casos, não há mais o desejo de acabar com a própria vida", explicou Neomar, que tem experiência de 15 anos em saúde mental.

Ela faz parte da equipe multiprofissional do Nosso Lar, que dispõe de aproximamente 100 leitos para internação e também atende no Hospital Dia. "Após a internação, os pacientes continuam recebendo assistência para evitar que tenham recaídas. Em todas as etapas, é fundamental o apoio familiar", disse. Neomar ressaltou a importância da valorização da vida e da escuta amorosa como instrumentos de prevenção.

Para ela, é preciso deixar que as pessoas falem a respeito de angústias e pensamentos que remetam ao ato de colocar fim à vida. "Entre os mitos, estão a ideia de que quem fala não faz, de que é direito de cada um fazer o que quiser porque estaria exercendo o livre-arbítrio. Sabemos que, em muitos casos, as pessoas estão verdadeiramente doentes", analisou.

Segundo ela, a luz amarela acende quando há mudanças bruscas de comportamento, desinteresse repentino por aquilo que antes era motivador, condutas de risco, como dirigir embriagado, e isolamento. "É preciso buscar atendimento e apoio profissional", orientou.

Todos os anos são registrados cerca de dez mil suicídios no Brasil e mais de um milhão no mundo (Conselho Federal de Medicina - CFM/OMS).

Dia 5 de setembro passado, o advogado e professor Celso Luiz Rodrigues Catonio também esteve na Casa de Leis a convite da deputada para falar a respeito da prevenção, como parte das ações do Setembro Amarelo, e apresentou estatísticas relacionadas ao assunto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Pai recebe vídeo de bebê sendo forçado a beber pimenta e denuncia
INFLUENZA
Campanha de vacinação contra a gripe é prorrogada até 30 de junho
SAÚDE
Cartilha na língua terena informa sobre cuidados com a Covid-19
PAGAMENTO
Salário dos servidores estaduais estará dispinívels no dia 05 de junho
TRÊS LAGOAS
Polícia investiga morte de bebê de seis meses após queda de carrinho
ECONOMIA
Saque aniversário do FGTS poderá ser usado para garantir empréstimos
TRÁFICO
Polícia apreende 743 quilos de maconha que seguiria para a Capital
RECURSOS
Estado repassa R$ 6 milhões para auxiliar ações na saúde de Dourados
ECONOMIA
Novo Plano Decenal de Energia trará ajustes por causa da pandemia
DOURADOS
Bancários empossam nova diretoria no domingo

Mais Lidas

DOURADOS
Protocolo é seguido e mulher vítima do coronavírus é enterrada sem despedida de familiares
MAIORIA JOVENS
Vítima fatal da Covid-19 faz parte da faixa etária com mais casos da doença em Dourados
COVID-19
Curva segue ascendente e Dourados ultrapassa 200 casos de coronavírus
PANDEMIA
Comitê diz que Dourados não é epicentro do novo coronavírus e descarta lockdown