Menu
Busca sábado, 26 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
MS

Sem consciência ecológica, em MS reciclagem de lixo não chega a 9%

05 junho 2015 - 14h30

G1

Em Mato Grosso do Sul, a falta de consciência ecológica da população resulta em pouco reaproveitamento do lixo. Segundo o idealizador de projeto ambiental, Rodrigo Albuquerque, apenas 8,9% de todo material descartado no estado vai para reciclagem.

Albuquerque ressalta que se o índice chegasse a 20%, os catadores de lixo poderiam ter uma usina de triagem boa e diminuir este tipo de trabalhador nas ruas.

“Mato Grosso do Sul só recicla 8,9%. Isso não é nada, se a gente tentar chegar a 15%, 20%. Se chegar a 20%, os catadores vão ter sua usina de triagem boa, não vai ter muito catador na rua. Então o benefício é grande, só falta a boa ação”, disse Albuquerque.

Os materiais para reciclagem mais conhecidos são papel, plástico e vidro. Mas entulho digital como eletroeletrônicos, computadores, impressoras podem ter um destino correto.

As peças têm elementos que fazem mal à saúde, como chumbo, mercúrio e cobre. Quando são jogados no meio ambiente podem contaminar o solo e o lençol freático. Para isso, uma empresa foi criada para reciclar o material que normalmente é descartado de maneira inadequada.

A sócia-administrativa Regina Ferreira explica que tudo é reutilizado de alguma foram. A empresa separa cerca de 500 quilos de peças de computador por mês. Os componentes são vendidos para outra que fica em São Paulo que também vende para fora do país.

“No caso da CPU a gente separa quase todos os tipos de resíduo e manda para São Paulo e fica, por exemplo, ferro que a gente destina aqui mesmo”, afirma.

Mas são produtos mais comuns que continuam sendo uma séria ameaça ao meio ambiente. Lâmpadas que vão para o lixo depois de queimar têm mercúrio e é só um exemplo de uma série de objetos jogados de forma errada todo santo dia.

“O mais difícil é o óleo de cozinha que você pode jogar no ralo. Uma gota contamina mais de 10 mil litros de água”, ressaltou Albuquerque.

A reciclagem começa com quem tem a iniciativa de levar o material no lugar correto. Para facilitar a vida das pessoas, foi criado um drive thru ecológico na rua Coronel Antonino Manoel Cecílio nº 780, no bairro São Bento, em Campo Grande. Bem prático, muita gente faz como se fosse comprar um lanche.
O instrutor Varnone Talaveira costuma levar o lixo reciclável no drivre thru. É um comportamento, que já faz parte da rotina da família dele.

“Há mais de 10 anos que eu faço isso, tenho uma menininha de 5 anos que tem uma consciência ambiental bem forte. Não joga nada no chão, vê os outros jogando e reclama na hora. Ela mesmo separa, quando vai visita em casa e joga o lixo errado ela faz trocar”, contou.

O drive tem um site que as pessoas que levam o lixo até lá podem se cadastrar e trocar por pontos. Esses pontos podem dar benefícios com empresas parceiras, como bares, farmácias de manipulação.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MARACAJU
Menina procura a avó e diz que foi obrigada a ver filmes pornográficos
CRISE AMBIENTAL
Papa cita na ONU 'perigosa situação da Amazônia e dos indígenas'
TAQUARUSSU
Ambiental autua quatro em R$ 8,4 mil e apreende 139 quilos de pescado
UEMS
Abertas inscrições para seleção de docentes temporários na área de Letras
TRÁFICO
Casal morador em Ponta Porã é preso com maconha em Minas Gerais
SAÚDE
Setembro Verde: Central de Transplantes realiza live no próximo domingo
POLÍCIA
“Ordem do presídio”, diz ladrão de 17 anos que atirou em caminhoneiro
FUTEBOL
STJD indefere pedido e confirma Palmeiras e Flamengo para domingo
MEIO AMBIENTE
Polícia desmonta acampamento, apreende arma e munição e evita caça ilegal
RIO DE JANEIRO
Lava Jato denuncia Wassef e mais 4 por peculato e lavagem de dinheiro

Mais Lidas

POLÍCIA
Caminhoneiro de Dourados morre ao capotar na serra de Maracaju
PANDEMIA
Novo decreto diminui toque de recolher e libera venda de bebidas em bares até as 23h
PROSSEGUIR
Governo atualiza mapa da Covid e Dourados volta para "bandeira vermelha"
PONTA PORÃ
Polícia apreende comboio com contrabando avaliado em R$ 1 milhão