Menu
Busca sábado, 04 de abril de 2020
(67) 9860-3221
SAÚDE

Riscos da automedicação em crianças

26 março 2020 - 08h36Por Redação

A prática popular de acionar o “Dr. Google” quando surgem dores diversas, febres, gripes e problemas de saúde é muito comum no Brasil.
Segundo pesquisa do Conselho Federal de Farmácia (CFF), 25% da população brasileira se automedica pelo menos uma vez por semana, quase metade uma vez por mês e o hábito é comum entre 77% dos brasileiros.

Os remédios mais comuns usados sem prescrição médica são os analgésicos, antitérmicos, anti-inflamatórios, antigripais, xaropes para tosse, vitaminas e antiácidos.

A prática é bastante perigosa para a saúde de todas as pessoas, mas a questão é ainda mais delicada quando se trata de crianças. 

Os especialistas da Rede D'Or São Luiz reforçam que automedicar crianças é perigoso, pois pode gerar efeitos colaterais indesejáveis, intoxicação, mascarar doenças graves e agravar o problema de saúde manifestado por meio dos sintomas.

A consulta ao pediatra é imprescindível. Ele poderá receitar o medicamento, indicar as doses e frequência adequadas, de acordo com o quadro clínico, idade e peso da criança. 

Intoxicação

Se o medicamento e a dose ministrada forem equivocados e acima do que seria recomendado, o risco de intoxicação é alto e pode até ser fatal.

Os sintomas da intoxicação medicamentosa são diversos: alteração no ritmo dos batimentos cardíacos, no diâmetro das pupilas, na pressão arterial, dor abdominal, suor excessivo, vômitos, diarreia, vermelhidão ou feridas na pele, sonolência, desequilíbrio no sistema excretor (fezes e urina) e alucinações.

Caso esses sintomas apareçam depois da automedicação, é recomendado levar a criança imediatamente ao pronto socorro e informar ao médico corretamente quais a substância e a dose que foram ministradas.

Mascarar os sintomas

Outro problema da medicação inadequada, usando como base os sintomas, é o risco de mascarar um sintoma. O que parece ser uma simples dor de barriga, febre ou gripe, pode indicar doenças mais graves.

Sem uma avaliação pediátrica criteriosa não é possível ter um diagnóstico correto e a prática da automedicação pode até agravar o quadro clínico.  

Resistência bacteriana

Um grande erro da automedicação é repetir a receita de um antibiótico já receitado anteriormente quando os sintomas de um problema de saúde voltam a aparecer.

O uso indiscriminado deste tipo de medicação pode tornar as bactérias causadoras da doença mais resistentes, o que faz com que no futuro seja necessário doses mais altas.

A resistência bacteriana causada por excesso de antibióticos é a 5ª maior ameaça à saúde global, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Combinação indevida de medicamentos

Um exemplo: pense em uma família que teve uma criança atendida por um pediatra em Santo André. Ou seja, já está tomando alguma medicação prescrita para o quadro que ela apresenta. Portanto, não compete aos pais ou responsáveis acrescentarem outros remédios que não foram receitados pelo especialista, por achar que a criança vai melhorar mais rápido.

É totalmente desaconselhável ministrar outra substância medicamentosa sem consultar o médico. Isso vale para remédios "aparentemente inofensivos", como antitérmicos e analgésicos.

Essa prática pode causar problemas de saúde secundários no estômago e rins. E em alguns casos podem ser fatais.

Outra ponto de atenção é que algumas substâncias medicamentosas, quando usadas ao mesmo tempo, podem anular ou potencializar a ação uma da outra.

Dicas importantes

Mantenha contato com o pediatra. Ao aparecerem sintomas, o mais correto é buscar o atendimento médico o mais rápido possível, seja no consultório, emergência hospitalar ou clínica. Se não for possível, ligue para o pediatra e converse sobre a situação. Somente um especialista pode indicar quais atitudes devem ser tomadas em cada caso.

Remédio não é doce. Remédios muitas vezes são coloridos e docinhos e podem ser confundidos pelas crianças com guloseimas. Uma recomendação importantíssima é jamais dizer a uma criança que um remédio um tipo de doce para convencê-la a tomar. Se o gosto for bom, isso despertará nela a vontade de buscar por mais.

Não é à toa que a recomendação de manter os medicamentos fora do alcance das crianças é tão comum em suas embalagens e bulas. O ideal é manter os remédios em locais altos ou trancados e não descuidar nunca.

Informação clara. Quando a criança tiver que ser medicada na creche, escola ou por qualquer pessoa, é fundamental que a dosagem e os horários sejam claramente informados. Para evitar esquecimentos, recomenda-se o uso de despertadores.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CHOCOLATE E PEIXES
Pesquisa mostra aumento nos produtos para a Páscoa em Dourados
COXIM
Homem vai andando até avenida para buscar ajuda após ser baleado
CLIMA
Dia começa com céu limpo e temperatura amena em Dourados
NEGÓCIOS & CIA
Como a SFT Imobiliária se mantém produtiva neste período desafiador
Educação
Cursos profissionalizantes oferecidos em abril em dourados
CAPITAL
Polícia localiza jovem que estava desaparecida desde quarta-feira
POLÍTICA
'Médico não abandona paciente', diz Mandetta sobre eventual demissão
CAPITAL
Mulher vê filha ser estuprada pelo avô que também a violentou quando criança
COVID-19
Saúde de MS recebe seis mil testes rápidos para diagnóstico do coronavírus
FRONTEIRA
Polícia Militar apreende 327 quilos de maconha em dois veículos

Mais Lidas

DOURADOS
Exame de jovem que morreu no HU testa negativo para coronavírus
COVID-19
Dourados tem mais um caso confirmado de coronavírus
DOURADOS
Jovem morre no HU e município pede agilidade no resultado do exame de coronavírus
CORONAVÍRUS
Dourados registra mais dois casos de Covid-19 e MS tem 60 confirmações