Menu
Busca quinta, 09 de julho de 2020
(67) 99659-5905
ESTADO

Relatório final é entregue pela equipe do programa MS de Integridade

16 dezembro 2019 - 13h05Por Da Redação

Seis meses após o início do piloto do programa MS de Integridade (PMSI) composto por representantes da Controladoria-Geral do Estado (CGE); Procuradoria-Geral do Estado (PGE); Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra), por meio da Agência Estadual de Empreendimentos (Agesul); Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica, por meio da Subsecretaria de Comunicação (Subcom); e Iagro (Agência Estadual de Vigilância Sanitária Animal e Vegetal), foi entregue o relatório final ao diretor-presidente da Agesul, Luís Roberto Martins de Araújo.

Na Agesul foram realizadas diversas visitas nas 10 diretorias para a elaboração do mapeamento dos processos e a rotina dos trabalhos, além do fluxograma das ações. Com essas informações, agora será mais fácil a execução do serviço e o acompanhamento de tudo que envolver os projetos nos quais a Agência faz parte.

De acordo com o assessor da CGE e coordenador do programa MS de Integridade, João Francisco Arcoverde Lopez, a equipe fez o levantamento de ações que podem ser melhor realizadas. “Hoje o que estamos entregando à Agesul é um plano propositivo para que a instituição possa colocar em prática, de maneira preventiva, e também como oportunidade de melhoria e fortalecimento da integridade para que possa ter mais êxito na efetivação das atribuições que lhe compete”, afirmou.

Para o corregedor-Geral da CGE, Carlos Eduardo Girão de Arruda, o programa MS de Integridade tem como principal vertente a “melhora e garantia da segurança do ordenador de despesas das instituições e a meta é inserir no contrato de gestão do Governo do Estado de 2020”, revelou acrescentando que “o programa é inovador em âmbito estadual e a questão do compliance no Brasil não tem volta e não tem como fugir porque é uma garantia de negócios seja no setor privado ou público”, finalizou.

De acordo com a assessora Valéria do Nascimento Yahn Petine, participar da construção e efetivação do Programa foi importante. “Nós, enquanto Procuradoria-Geral do Estado, colaboramos para a implantação de um Programa bastante desafiador, pois não tínhamos parâmetros. Além de ser inovador para o estado de Mato Grosso do Sul, pois ele apresenta a transparência das etapas das ações a serem executadas, desenvolve e fortalece a integridade da gestão e promove um processo no qual a sociedade tem mais visibilidade do bem público e o que está sendo feito dele”, ponderou.

Na quarta-feira (11.12) a entrega do relatório foi feita para a Iagro, e na quinta-feira (12.12) quem recebeu os documentos foi a equipe da Agesul e nesta sexta-feira (13) foi a vez da equipe da Segov.

Lei Anticorrupção

A Lei nº 12.846/2013, também conhecida como Lei Anticorrupção, representa importante avanço ao prever a responsabilização objetiva, no âmbito civil e administrativo, de empresas que praticam atos lesivos contra a administração pública nacional ou estrangeira.

O PMSI propõe que os responsáveis pelas atividades das organizações e áreas afins trabalhem, conjuntamente, de forma coordenada, a fim de garantir uma atuação íntegra, minimizando os possíveis riscos de integridade. O Programa MS de Integridade foi estruturado considerando os principais eixos de suporte às ações e às medidas que constituem o seu conteúdo.

Programa MS de Integridade

O Programa MS de Integridade é uma inovação trazida pela Lei Anticorrupção. A criação dele foi publicada no Diário Oficial do Estado pelo Decreto nº 15.222, de 7 de Maio de 2019.
De acordo com o Decreto, a Segov e a CGE, conjuntamente, deverão adotar medidas para a sistematização de práticas relacionadas à integridade do setor público, mediante a criação e a implantação do PMSI.

O Programa de Integridade também conhecido como “Programa de Compliance” é um conjunto de medidas e de ações institucionais voltadas à prevenção, detecção, punição e à remediação de fraudes e de atos de corrupção, compondo a estrutura de incentivos organizacionais, visando a orientar e a guiar o comportamento dos agentes públicos de forma a alinhá-los ao interesse público.

De acordo com a publicação, no prazo de 18 meses, a contar da data de publicação do decreto, os órgãos e as entidades públicos estaduais (secretarias, autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista), deverão aderir ao PMSI, mediante a formalização de um Termo de Adesão pactuado com a Segov e a CGE.

Deixe seu Comentário

Leia Também

REDE MUNICIPAL
Em meio a pandemia, mais de 100 merendeiras são demitidas em Dourados
CRIME AMBIENTAL
Homem que destruiu nascentes é multado por crime ambiental
BRASIL
Bolsonaro sanciona lei que prioriza teste para profissional essencial
LEGISLATIVO DE MS
Pautadas sete matérias para a Ordem do Dia desta quinta-feira
MUNDO NOVO
Ação conjunta termina com 200 mil pacotes de cigarros contrabandeados
ESTADO
Dengue tem alta de 18 mil notificações, 10 mil casos confirmados e 15 mortes em um ano
BRASIL
Nascidos em abril podem sacar primeira parcela de auxílio hoje
FLAGRANTE
Perseguição termina quase meia tonelada de maconha apreendida
DOURADOS
Vereadores tentam reverter ordem judicial que proíbe saída da cidade e contato entre si
BRASIL
Pandemia causou impacto em 57% das companhias exportadoras, revela CNI

Mais Lidas

DOURADOS
Decreto vai mandar fechar bares e academias por 10 dias
PANDEMIA
Comerciante de 45 anos é a 37ª vítima do coronavírus em Dourados
DOURADOS
Publicado, decreto que fecha bares e academias por 10 dias poderá ser prorrogado
DOURADOS
Após trégua, frio intenso deve voltar até o final de semana