Menu
Busca quarta, 27 de maio de 2020
(67) 99659-5905
MPE E MPF

Recomendação conjunta quer fiscalização de carreatas em MS

01 abril 2020 - 10h38Por Da Redação

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul, por intermédio da Promotora de Justiça da Saúde Filomena Depolito Fluminhan, e o Ministério Público Federal (MPF) recomendam ao Governo do Estado e ao Município de Campo Grande que adotem todas as providências de fiscalização cabíveis para que sejam cumpridas as normas sanitárias e de trânsito na realização das carreatas previstas para os próximos dias, para evitar a aglomeração de pessoas e, consequentemente, a propagação intempestiva e acelerada da COVID-19 em função do descumprimento das orientações de distanciamento social.

Como argumento, os órgãos ministeriais citam decretos estaduais e municipais que dispõem sobre a situação de emergência, autorizando várias medidas para fins de controle e prevenção da infecção causada pelo vírus. Citam ainda a Lei n° 13.979/2020, que prevê a adoção de medidas de isolamento e quarentena, dentre outras, além do reconhecimento, pelo Congresso Nacional, da ocorrência de estado de calamidade pública.

A Recomendação destaca que dois fatos imperiosos precisam ser considerados: a diferença entre a velocidade de propagação da doença e do número de óbitos nos diversos países, comparando Coreia do Sul e Itália, por exemplo; e a aparente constância no momento em que o crescimento exponencial do número de infectados passa a ser verdadeiramente percebido, aproximadamente um mês após a detecção do primeiro caso, denotando que o pior ainda está por vir.

Segundo a Recomendação, o distanciamento/isolamento social é estratégia que se tem mostrado eficaz no retardamento da velocidade de propagação da doença. Retardar a velocidade de propagação é a única forma de mitigar os impactos sobre o Sistema de Saúde, impedindo – ou, ao menos reduzindo –, com isso, o número de mortes evitáveis, causadas por ineficiência no atendimento médico-hospitalar.

O documento considera ainda o elevado risco de que, neste momento, uma contaminação simultânea de grande parte da população do Estado de Mato Grosso do Sul pela COVID-19 leve a um colapso do sistema de saúde, tanto público como suplementar, em face da virtual insuficiência de profissionais, de equipamentos, de insumos e de medicamentos na rede pública e na rede privada.

Estado e Município têm o prazo de 24 horas para informar se acatarão os termos da Recomendação, comprovando as medidas adotadas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORREIOS
Cadela encontra droga avaliada em R$ 200 mil em encomendas despachadas
ECONOMIA
Senado Federal aprova MP do aumento salário mínimo para R$ 1.045
CORUMBÁ
Cinco funcionários são presas acusadas de venda e receptação de tijolos
PROTOCOLOS
Comitê de ações da UEMS publica Plano de Biossegurança Institucional
POLÍTICA
Planalto teme que quebra de sigilo repercuta na cassação de Bolsonaro
CAPITAL
Homem acusado de esfaquear a mãe e um amigo da ex-mulher é preso
REMÉDIO CONTRA MALÁRIA
França proíbe uso da hidroxicloroquina para tratamento da Covid-19
PONTA PORÃ
Ambiental autua homem em R$ 15 mil por maus-tratos a animais
DATAFOLHA
Para 61% dos que viram reunião, Bolsonaro quis interferir na PF
POLÍCIA
Idosa é agredida após ter a casa invadida por morador de rua

Mais Lidas

DOURADOS
Prefeitura estende toque de recolher em 2h em Dourados
PANDEMIA
Dourados tem mais de 150 casos de Covid-19 e secretário diz ser assustadora a crescente na região
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher