Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
(67) 99257-3397
DESBUROCRATIZAÇÃO

Publicada lei que possibilita venda direta de imóveis residenciais e comerciais do Estado

16 outubro 2020 - 11h32Por Da Redação

Foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) desta sexta-feira (16), a lei 5.577, de 15 de outubro de 2020, que estabelece a venda direta de imóveis residenciais e comerciais objeto da Regularização Fundiária Urbana de Interesse Específico (Reurb-E), de propriedade do Estado e das entidades de administração indireta vinculadas, garantindo a regularização dos imóveis e a titulação para os ocupantes.

A nova lei dispõe de várias regras e procedimentos aplicáveis à venda, entre as principais é que a comercialização seja feita desde que a ocupação seja anterior a 22 de dezembro de 2016 e que o ocupante esteja em dia com suas obrigações com o Estado.

O governador do Estado e o titular de cada uma das entidades de administração indireta vinculadas, que possuam imóveis que precisem ser regularizados, deverão designar comissões de regularização fundiária com no mínimo três membros para identificação dos imóveis, notificação dos ocupantes, procedência e negociação nos termos da Lei e acompanhamento de todo o processo até o registro em cartório.

Quanto ao valor do imóvel, caberá a Junta de Avaliação do Estado de Mato Grosso do Sul (JAE), vinculada à Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra) avaliar. O preço da venda será fixado com base no valor de mercado. Poderão ainda ser regularizados mediante venda direta, para um mesmo ocupante, até dois imóveis, sendo um residencial e um não residencial.

Pagamento

Para ocupantes com renda familiar entre cinco e dez salários mínimos, a aquisição poderá ser realizada à vista ou em até 240 parcelas mensais e consecutivas, mediante um sinal de no mínimo 5% do valor de avaliação.

Já para ocupantes com renda familiar acima de dez salários mínimos, o pagamento poderá ser à vista ou em até 120 parcelas mensais consecutivas, mediante um sinal de no mínimo 10% do valor de avaliação.

Em caso de imóvel não residencial, a forma de pagamento deverá ser definida de acordo com a renda familiar do titular da empresa que funciona o imóvel.

No caso de imóveis de propriedade da Agência de Habitação Popular de Mato Grosso do Sul (Agehab), os recursos serão depositados na conta do Fundo Estadual de Habitação de Interesse Social (FEHIS).

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÊS LAGOAS
Ao ser abordado, homem diz passar fome e que precisa ser preso
BRASIL
PGR pede ao STF para aprofundar investigação contra Renan Calheiros
Bombeiros encerram buscas por idoso desaparecido há 11 dias
PANTANAL
Bombeiros encerram buscas por idoso desaparecido há 11 dias
EDUCAÇÃO
UFGD abre 457 vagas em cursos de mestrado e doutorado para 2022
CAPITAL
Sequestro que durou 1 hora termina com dois presos e reféns liberadas
EMPREGO
Divulgada abertura de Seleção da Agepan e convocação da Ageprev
CORUMBÁ
Motorista de aplicativo é sequestrada durante roubo na fronteira
204 MIL VAGAS
IBGE cancela concurso para o Censo 2022 e diz que devolverá inscrição
REGIÃO
Dupla é detida após invadir fazenda e abater animal da propriedade
UEMS
Inscrições abertas: Concurso público para docente de Medicina

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Bombeiros encontram mais três corpos e número de mortos em naufrágio chega a seis
ROMA I
Acusados de estupro, mãe de menor e jovem responderão processo em liberdade
DOURADOS
PMA prende e autua dois pescadores em R$ 2,6 mil
DOURADOS 
Cidade não tem desabrigados, mas tempestade afetou dezenas de casas na periferia