Menu
Busca quinta, 28 de outubro de 2021
(67) 99257-3397
ARTIGO

Política não é profissão

27 novembro 2020 - 10h59Por Rodolpho Barreto

Estamos na véspera do segundo turno das eleições municipais. Os vereadores e alguns prefeitos, já eleitos em primeiro turno, possuem um grande compromisso com os cidadãos que os elegeram. A "festa da democracia" por meio do voto é, na verdade, a procuração dada pela sociedade para um encargo muito sério, de alta responsabilidade. Felizmente, o eleitor brasileiro está cada vez mais crítico e exigente quanto ao desempenho dos políticos. Uma das principais marcas das recentes eleições foi a revolta e a indignação ganhando cada vez mais espaço na internet. Nos últimos tempos, a insatisfação popular parece ter contaminado toda a classe política. Não é de hoje que o nível de credibilidade dos brasileiros nos seus políticos é muito baixo.

Política tem que ter fiscalização e avaliação, não tem que ter fã-clube. Mas o ideal é que o preparo daquele que pretende ocupar um cargo de poder já tenha sido avaliado de perto pelo eleitor, na hora do voto. Ou seja, é preciso saber como é o candidato, fora do espaço político, na comunidade e no meio profissional. Afinal, político não é profissão. Vamos refletir?

Todas as pessoas têm sua história de vida pessoal e profissional. O sucesso, em qualquer área, só vem com esforço, dedicação, experiência, amadurecimento e boa vontade. Há candidatos, infelizmente, que não são profissionais dedicados e responsáveis nas suas áreas escolhidas, mas quando surge a oportunidade de concorrer a um cargo eletivo, interpretam a chance como sendo uma oportunidade de ascensão social. Um médico, um advogado, um engenheiro, todos têm sua atividade profissional reconhecida pela comunidade, desde que exercida de forma honesta e produtiva. Política deveria ser um ato de doação à sociedade, jamais um meio de ganhar a vida. Mas quando alguém ainda responde à pergunta "qual a sua profissão?" com "sou político!", isso representa todo um sistema equivocado.

Segundo Gaudêncio Torquato, consultor na área, em seu artigo "Política é Missão, Não Profissão", precisamos compreender que "a política não é um fim em si mesmo, mas sistema-meio para administrar as necessidades do povo. Aristóteles ensina que o cidadão deve servir à pólis visando ao bem comum. Ao se afastar dessa meta, dá lugar à corrupção, pois se desvia do objetivo e passa a governar de acordo com seus interesses. A política não deve ser escada para promover pessoas ou facilitar negócios. O sistema político desenvolve a capacidade de responder a aspirações, transformar expectativas em programas, coordenar comportamentos coletivos e recrutar para a vida pública quem deseja cumprir missão social."

No entanto, os chamados "políticos profissionais" tendem a formar uma casta, distante das preocupações do povo. Tratar política como profissão significa: privilégios fora da realidade e aumentos salariais injustificáveis, aposentadorias especiais e mandatos que se perpetuam, de reeleição em reeleição, sem que isso signifique um ganho real para os cidadãos em melhoria de serviços públicos (saúde, segurança, educação etc). É só lembrar que pagamos pelos políticos que estão entre os mais caros do mundo (e não tem desconto, nem "Black Friday", pelo contrário, só aumenta o preço), mas com índices de escolaridade e violência urbana dos mais tristes do mundo. Gastamos muito com política e recebemos muito pouco de volta. É uma conta que não fecha. Para o cidadão contribuinte é um péssimo negócio. Tem como reclamar pelo código de defesa do consumidor? Eu não sei porque nos chamam de "contribuintes", pois se o imposto não fosse obrigatório, garanto que quase ninguém iria querer "contribuir".

E por falar em conta que não fecha, ainda nas palavras de Torquato, temos um grande questionamento acerca das grandiosas campanhas eleitorais brasileiras (que sabemos envolver grandes quantias de dinheiro). É uma lamentável constatação, sabermos que ainda "poucos se elegem com somas pequenas. Se a campanha política é tão dispendiosa e se candidatos gastam mais do que ganham, por que o empenho para assumir a sacrificada missão de servir ao povo? Ou há muito desvio entre o espírito cívico de servir e o sentido prático de se servir?"

De outra sorte, há muitos cidadãos de bem, que batalharam durante suas vidas para progredirem profissional e socialmente, com muita ética, integridade e competência, mas estes não colocam seus nomes para concorrer nas eleições, afinal, política "não é coisa de gente séria e honesta", dizem os sérios e honestos. No entanto, esse pensamento precisa ser mudado, e os bons profissionais e cidadãos decentes participarem mais do universo da política, já que as decisões que eles tomam afetam a vida de todos nós, queiramos ou não. Ou continuaremos a ser governados pelos políticos profissionais, com desempenho lamentável, como já sabemos (corrupção e incompetência na administração dos nossos recursos públicos). 

De nada adianta querer ser apolítico. Tem muita gente boa que poderia contribuir muito com suas ideias e com seu trabalho. Mas, infelizmente, o que temos hoje, com esta "profissionalização da política", é um sistema que permite a ascensão de políticos sem caráter, sem serventia e sem propósito benéfico para a sociedade.

Encerrando a nossa opinião, transcrevo a conclusão do artigo de Gaudêncio, explicando muito resumidamente o caminho que desvirtua a política brasileira para um dos "negócios" mais lucrativos do país: "primeiro, conquista-se o mandato; a seguir, a política vira instrumento de intermediação no mercado de 27 Estados (com o DF). São estruturas, cargos e posições nas esferas federal, estadual e municipal. Um PIB informal constituído por recursos extraídos das malhas da administração nas três instâncias federativas. Sanguessugas predadoras escondem-se em parcela do corpo político para sugar as veias do Estado brasileiro."

Facebook: rodolphobpereira

Whatsapp: (51) 98616-3132

*O autor é analista judiciário, pós-graduado em direito público e eleitor no Rio Grande do Sul

Deixe seu Comentário

Leia Também

Alan anuncia o pagamento antecipado do 13º salário no Dia do Servidor Público
DOURADOS
Alan anuncia o pagamento antecipado do 13º salário no Dia do Servidor Público
Vídeo flagra caminhão 'entalado' no túnel de acesso ao Parque das Nações
DOURADOS
Vídeo flagra caminhão 'entalado' no túnel de acesso ao Parque das Nações
BRASIL
Fiocruz e AstraZeneca assinam acordo para importação de IFA em 2022
Condutor de caminhonete que "roletou" preferencial levava o avô para fazer exame
DOURADOS
Condutor de caminhonete que "roletou" preferencial levava o avô para fazer exame
BRASIL
Câmara: votação da PEC dos precatórios pode ocorrer na próxima semana
DOURADOS
Três alunos testam positivo para a Covid-19 e escola suspende aulas por sete dias
DOURADOS
Caminhonete 'roleta' preferencial e causa acidente envolvendo mais cinco carros
MIRANDA
Serpente peçonhenta é capturada em residência
FERIADO
PMR intensificará fiscalização em rodovias de MS durante feriado
MEIO AMBIENTE
Tucano encontrado às margens de rodovia é devolvido à natureza

Mais Lidas

DOURADOS
Jovem formou consórcio com amigos para comprar e usar ecstasy em festas
LAGUNA CARAPÃ
Motorista morre prensado ao tombar caminhão na MS-379
DOURADOS
Jovem que se formou há dois meses é presa com ecstasy no Parque Alvorada
DOURADOS
Jovem negro e com tatuagem "Jesus Cristo", vítima fatal de acidente ainda não foi identificada