segunda, 15 de julho de 2024
Dourados
10ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
OPERAÇÃO

Polícia Federal investiga fraudes em 14 concursos públicos

18 setembro 2017 - 17h20

A Polícia Federal descobriu fraudes em 14 concursos públicos nacionais aplicados pela Fundação Carlos Chagas. Segundo a Operação Afronta II, que encontrou as irregularidades, 47 candidatos se beneficiaram de escutas eletrônicas no momento de realizar as provas. De acordo com a PF, alguns desse candidatos já foram habilitados e empossados nos cargos para os quais concorreram.

Hoje (18), a PF cumpriu dois mandados de prisão temporária, quatro mandados de condução coercitiva e dez mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal em São Paulo, nas cidades de Campinas (SP) e Maceió. Os demais candidatos foram intimados para prestar esclarecimentos.

Em outubro do ano passado, a PF deflagrou a primeira etapa da operação, em Sorocaba (SP), para apurar uma fraude no concurso público do Tribunal Regional Federal da 3ª Região para os cargos de técnico e analista judiciário.

Na ocasião, foram indiciados nove membros da organização criminosa: o líder do grupo, o técnico responsável pelos equipamentos eletrônicos, quatro pessoas que desviavam as provas, e três que corrigiam as questões desviadas. Foram indiciados ainda doze candidatos que receberam as questões por meio de equipamentos de ponto eletrônico, e duas pessoas que também tiveram participação na fraude, embora não fossem membros da organização.

A Polícia Federal solicitou à Fundação Carlos Chagas informações acerca de outros certames que os indivíduos responsáveis por desviar as provas haviam se inscrito. Pediu ainda que a fundação fornecesse os gabaritos de respostas de todos os candidatos destes concursos suspeitos.

Os gabaritos foram então encaminhados à perícia, que constatou que a fraude havia sido consumada em 14 certames e que 47 candidatos haviam participado do crime. O sistema também encontrou indícios de cópia de respostas entre candidatos, comumente conhecida como "cola", em outros 24 certames.

Os candidatos serão indiciados pelo crime de fraudes em certames de interesse público, cuja pena varia de um a quatro anos de reclusão, e pelo crime de
associação criminosa, cuja pena varia de um a três anos de reclusão.

A Fundação Carlos Chagas foi procurada pela reportagem, mas ainda não se manifestou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA

Brasil chama embaixador na Argentina para consultas sobre Milei

Motorista que atropelou e matou motociclista é condenado

JUDICIÁRIO

Abin Paralela: Moraes retira sigilo de áudio de conversa de Bolsonaro

PORTO MURTINHO

Secretária de finanças é indiciada por simular sequestro para dar golpe

EDUCAÇÃO

Ex-alunos da UFGD têm oportunidade de voltar para a faculdade

CORUMBÁ

Polícia prende três transportando maconha pela rodovia BR-262

FUTEBOL

Federação confirma confrontos das quartas de final do Estadual Sub-20

PARAÍSO DAS ÁGUAS

Morre pedagoga que sofreu acidente ao deixar evento de motos

MERCADO FINANCEIRO

Dólar ameniza alta e fecha em R$ 5,44, após atentado contra Trump

FUTEBOL

CBF agenda sorteio da Copa do Brasil para quinta-feira

Mais Lidas

OPORTUNIDADE

Com recrutamento noturno, indústria abre 400 vagas de trabalho em Dourados

MS

Inscrições para o Curso de Libras EAD Nível I do 2º Semestre abrem dia 15 de julho

DOURADOS

Dupla acusada de furtar comércios e deixar prejuízo estimado em R$ 100 mil a empresários é presa

DOURADOS

Ministro admite atraso e prevê projeto de novo terminal do Aeroporto concluído até fim de julho