Menu
Busca sábado, 05 de dezembro de 2020
(67) 99659-5905
OPERAÇÃO

Polícia Federal investiga fraudes em 14 concursos públicos

18 setembro 2017 - 17h20

A Polícia Federal descobriu fraudes em 14 concursos públicos nacionais aplicados pela Fundação Carlos Chagas. Segundo a Operação Afronta II, que encontrou as irregularidades, 47 candidatos se beneficiaram de escutas eletrônicas no momento de realizar as provas. De acordo com a PF, alguns desse candidatos já foram habilitados e empossados nos cargos para os quais concorreram.

Hoje (18), a PF cumpriu dois mandados de prisão temporária, quatro mandados de condução coercitiva e dez mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal em São Paulo, nas cidades de Campinas (SP) e Maceió. Os demais candidatos foram intimados para prestar esclarecimentos.

Em outubro do ano passado, a PF deflagrou a primeira etapa da operação, em Sorocaba (SP), para apurar uma fraude no concurso público do Tribunal Regional Federal da 3ª Região para os cargos de técnico e analista judiciário.

Na ocasião, foram indiciados nove membros da organização criminosa: o líder do grupo, o técnico responsável pelos equipamentos eletrônicos, quatro pessoas que desviavam as provas, e três que corrigiam as questões desviadas. Foram indiciados ainda doze candidatos que receberam as questões por meio de equipamentos de ponto eletrônico, e duas pessoas que também tiveram participação na fraude, embora não fossem membros da organização.

A Polícia Federal solicitou à Fundação Carlos Chagas informações acerca de outros certames que os indivíduos responsáveis por desviar as provas haviam se inscrito. Pediu ainda que a fundação fornecesse os gabaritos de respostas de todos os candidatos destes concursos suspeitos.

Os gabaritos foram então encaminhados à perícia, que constatou que a fraude havia sido consumada em 14 certames e que 47 candidatos haviam participado do crime. O sistema também encontrou indícios de cópia de respostas entre candidatos, comumente conhecida como "cola", em outros 24 certames.

Os candidatos serão indiciados pelo crime de fraudes em certames de interesse público, cuja pena varia de um a quatro anos de reclusão, e pelo crime de
associação criminosa, cuja pena varia de um a três anos de reclusão.

A Fundação Carlos Chagas foi procurada pela reportagem, mas ainda não se manifestou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Populares encontram carro, mas vítima de roubo segue desaparecida
Abevê ressalta a importância da prevenção contra o câncer de mama e próstata
SAÚDE
Abevê ressalta a importância da prevenção contra o câncer de mama e próstata
IMUNIZAÇÃO
Rússia começa a vacinar principais grupos de risco contra covid-19
Aced questiona prefeitura e diz que horário estendido evita aglomeração no comércio
DOURADOS
Aced questiona prefeitura e diz que horário estendido evita aglomeração no comércio
LOTERIA
Com maior premiação da história alcançada, Loteca pode pagar R$ 5,7 mi na segunda
PANDEMIA
Em 24h, MS confirma quase 1,3 mil novos casos e 9 mortes por Covid-19
BODOQUENA
Acidente que matou dois em rodovia aconteceu durante tentativa de ultrapassagem
PORTO MURTINHO
Mulher morre após marido perder controle de moto e cair
DOBRADINHA
Articulação com o governo garante ligação asfaltada a bairro de Dourados
BALANÇO
Apreensões de drogas em MS ultrapassam 700 toneladas

Mais Lidas

DOURADOS
Novo decreto não autoriza horário estendido do comércio em dezembro
TRÊS LAGOAS
Mãe vê menina com vizinho ao chegar do trabalho e descobre estupro
ECONOMIA
Pessoas que receberam auxílio emergencial irregular serão cobradas por SMS
PANDEMIA
Com novo óbito, Dourados confirma sexta morte por Covid em quatro dias