Menu
Busca terça, 15 de junho de 2021
(67) 99257-3397
UFGD

Pesquisador descobre novas espécies de peixes na bacia do Taquari

12 maio 2021 - 06h47Por Carlos Ferraz

Fernando Cesar Paiva Dagosta e Mário de Pinna coletaram duas novas espécies de peixe no município de Alcinópolis, em Mato Grosso do Sul, em um local ermo do rio Taquarizinho, tributário do rio Taquari, onde nenhuma expedição de pesquisadores jamais havia atuado. Fernando é professor da Faculdade de Ciências Biológicas e Ambientais da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), e Mário é diretor do Museu de Zoologia da USP (Universidade de São Paulo). Juntos eles publicaram, em abril, um artigo na revista científica Papéis Avulsos de Zoologia, no qual descrevem as duas espécies de peixes novas para a Ciência.  

Fruto do projeto "Distribuição, Biogeografia e Conservação dos Peixes do Cerrado", sediado na UFGD, financiado pelo CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e realizado desde 2018, a descoberta está no artigo intitulado “Two new catfish species of typically Amazonian lineages in the Upper Rio Paraguay (Aspredinidae: Hoplomyzontinae and Trichomycteridae: Vandelliinae), with a biogeographic discussion”, que pode ser traduzido como: Duas novas espécies de bagres de linhagens tipicamente amazônicas no Alto Rio Paraguai (Aspredinidae: Hoplomyzontinae e Trichomycteridae: Vandelliinae), com uma discussão biogeográfica.

O artigo chama a atenção, portanto, para o registro de peixes de linhagens tipicamente amazônicas em Mato Grosso do Sul, em uma região que faz parte da bacia do Rio Paraguai. Para os autores do artigo, essas espécies provavelmente chegaram ao Rio Taquari durante o processo de formação do Pantanal, em um evento geológico que resultou no afundamento da região. Por causa disso, os rios mudaram a direção de seus cursos, e rios que antes drenavam para a bacia Amazônica, começaram a drenar para a bacia do Rio Paraguai, carregando com eles alguns peixes amazônicos.

CONHEÇA AS NOVAS ESPÉCIES

As novas espécies de peixes são parentes dos bagres, conhecidas popularmente como Candiru e Banjo, tem pequeno porte, medindo no máximo três centímetros e receberam os nomes científicos de Paracanthopoma saci e Ernstichthys taquari, respectivamente. Paracanthopoma saci faz alusão à sigla do projeto que resultou na descoberta do primeiro exemplar da espécie (SACI – South American Characiform Inventory), dirigida pelo pesquisador Naercio Aquino Menezes, do Museu de Zoologia da USP, enquanto Ernstichthys taquari é uma referência ao Rio Taquari, onde foi encontrada.

Candiru que recebeu o nome científico de Paracanthopoma saci

Embora uma das espécies descritas seja um Candiru, cujos parentes amazônicos são temidos por invadir os orifícios genitais de banhistas, a espécie encontrada na bacia do Rio Taquari não oferece perigo, uma vez que, até hoje, não há registros de espécies desse gênero que tenham causado problemas aos humanos. Como todos os Candirus, é conhecido como um “peixe-vampiro”, pois se alimenta de sangue de outros peixes, por meio de ferimentos que faz nas brânquias dos seus hospedeiros. Os animais usados como base para a descrição foram capturados em bancos de areia no meio do rio, em locais sombreados pela mata ciliar, sem vegetação aquática, em profundidades que variam entre 30 e 150 centímetros. Parece ser uma espécie razoavelmente comum na área em que foi coletada, sendo a descrição da espécie feita com base em mais de uma dezena de animais.

Banjo que recebeu o nome científico de Ernstichthys taquari

Já o Banjo alimenta-se basicamente de larvas de pequenos insetos que encontra no fundo dos rios. Os exemplares que serviram de base para a descrição da nova espécie foram capturados em rio raso e de águas claras, com fluxo moderado de água, em substrato constituído por rocha e areia. A vegetação é formada por plantas aquáticas em alguns locais, com mata ciliar bem conservada, em ambiente sombreado. A espécie parece não ser abundante localmente, tendo em vista o pequeno número de indivíduos registrados até o momento nos estudos realizados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil derrota Eslovênia na Liga Mundial de vôlei
ESPORTE
Brasil derrota Eslovênia na Liga Mundial de vôlei
Dourados tem nove moradores locais e 10 de outras cidades na fila por UTI Covid
SISTEMA DE SAÚDE
Dourados tem nove moradores locais e 10 de outras cidades na fila por UTI Covid
Homem é preso suspeito de disparos de arma de fogo
POLÍCIA
Homem é preso suspeito de disparos de arma de fogo
PMA intensifica combate a caça ilegal e quatro pessoas acabam presas
PMA intensifica combate a caça ilegal e quatro pessoas acabam presas
Dois pacientes de Dourados com Covid estão em estado gravíssimo em Rondônia
PANDEMIA
Dois pacientes de Dourados com Covid estão em estado gravíssimo em Rondônia
DEPUTADOS
Câmara aprova urgência para revisão da Lei de Improbidade Administrativa
DOURADOS
Pelo menos 30 estabelecimentos foram notificados no primeiro dia útil pós-lockdown
POLÍCIA
Veículo furtado é recuperado em cruzamento
POLÍCIA
Com maconha escondida no MS, adolescente é detido em São Paulo
COTAÇÃO
Dólar fecha em queda de 0,53%, à espera das decisões de política de juros do Fed e do Copom

Mais Lidas

DOURADOS
Adolescente morre atropelado na BR-163 e condutor foge do local
REGIÃO
Homem é executado a tiros na rodoviária de Nova Alvorada do Sul
DOURADOS
Jovem é encontrado caído em via na área central e estado de saúde é grave
DOURADOS
Homem tem carro furtado depois de ir com quatro pessoas para motel na BR-463