Menu
Busca terça, 02 de junho de 2020
(67) 99659-5905
NATUREZA

Pela primeira vez em 43 anos MS registra 100 desastres naturais

11 setembro 2017 - 18h50

Mato Grosso do Sul registrou pela primeira vez, desde 1974, a marca histórica de 100 ocorrências naturais causadas por algum fenômeno climático. O centésimo registro de desastre, no período de janeiro a setembro de 2017, ocorreu nesta segunda-feira na cidade de Paranhos, causado por um incêndio florestal.

A informação foi repassada pelo coordenador-adjunto da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), tenente-coronel Fábio Catarinelli. Ele explicou que desde 2012 a Secretaria Nacional de Defesa Civil disponibiliza de um sistema integrado de informações de desastres, que possibilita o monitoramento de ocorrências naturais ou humanas em todo o País.

"O acompanhamento da incidência de registros de desastres é um indicativo não apenas das mudanças climáticas que vem ocorrendo, mas, também, do comportamento e aprimoramento da gestão pública em relação às ações de defesa civil", disse Catarinelli.

Segundo ele, o registro de 100 ocorrências no Estado demonstra, também, que existe um sistema estadual operando e vigilante, numa integração entre o governo estadual e os municípios. "A Cedec tem promovido a capacitação de agentes locais a operar o sistema", explicou.

Importância do registro

Os primeiros registros de desastres naturais o Estado datam de 1974 e eram ainda incipientes. Naquele ano, foram registradas nove ocorrências, sendo a primeira em 23 de janeiro, uma inundação em Dois Irmãos do Buriti. No ano de 2011, foram 82 registros, e em 2005, 73.

As 100 ocorrências de janeiro a setembro incluem, além do incêndio florestal em Paranhos, casos de deslizamentos, chuvas de granizo, alagamentos, Enxurradas, estiagem, temporais, tornados, vendaval, voçoroca, geadas e incêndios em aglomerados residenciais.

O coordenador-adjunto da Cedec ressaltou a importância de a coordenação de defesa civil do município fazer o registro de algum desastre, de pequena ou grande intensidade, para que a prefeitura possa justificar a captação de recursos para obras preventivas.

"Mesmo que não seja uma ocorrência de grandes proporções ou que justifique a tomada de uma situação de alerta ou emergência, é fundamental que o município registre o desastre para tomada de ações futuras. O desastre é simultaneamente registrado pelo sistema nacional e pelo Estado", explicou Catarinelli.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SÃO GABRIEL
Prefeitura prorroga inscrições para concurso até o dia 14 de junho
AMAMBAI
Em Dia de Combate ao Feminicídio, mulher é agredida com facada nas costas
AJUDA DE 600 REAIS
Mais 2,7 milhões têm direito hoje a mais um lote do Auxílio Emergencial
EDUCAÇÃO
Ensino a Distância Unip Polo Dourados MS
A PARTIR DE HOJE
Via movimentada muda de sinalização no Parque Alvorada
BRASIL
Celso de Mello arquiva pedido de apreensão de celular de Bolsonaro
LOTOFÁCIL
Aposta feita em Rio Brilhante acerta 15 números fatura R$ 738 mil
ECONOMIA
Receita Federal prorroga suspensão de cobranças até 30 de junho
NOVA ANDRADINA
Motorista bêbado ‘filho de polícia’ encara PM e acaba preso com arma e droga
TEMPO
Terça-feira nublada, ainda com possibilidade de chuva em Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
HU emite nota de esclarecimento sobre atendimento de mulher que morreu com Covid-19
PANDEMIA
Com mais 27 casos, Dourados ultrapassa 300 confirmações de coronavírus
PANDEMIA
Dourados registra mais 19 casos de coronavírus em 24 horas
6ª VARA CÍVEL
Empresário vai à Justiça contra toque de recolher em Dourados