Menu
Busca sexta, 04 de dezembro de 2020
(67) 99659-5905
AMBIENTAL

Operação apreende espinheis e azóis de galho em rio na fronteira

19 dezembro 2019 - 12h35Por Da Redação

Depois de denúncias, a Polícia Militar Ambiental, versando sobre pesca predatória na foz do rio Apa com o rio Paraguai, deslocou uma das equipes que trabalha na operação piracema fazendo fiscalização preventiva na região do Nabileque para a área denunciada, mesmo sendo o ponto crítico da denúncia em território Paraguaio.

Essa região é crítica porque pescadores paraguaios e brasileiros armam muitos petrechos ilegais nos rios, normalmente à noite, pela facilidade de fuga em território do País vizinho, caso sejam surpreendidos pela fiscalização.

Nos dias 26 e 27 de outubro, quando a pesca estava aberta, oito espinheis (cabos de aços e cordas com 30 anzóis grandes, estendidos pelo rio) com 30 anzóis cada um, que estavam armados no curso rio Apa, tinham sido retirados, durante a operação pré-piracema. Nos dias 28 e 30 do mesmo mês, foram apreendidos mais 50 espinheis e mais 165 anzóis de galho nos rios Apa e Paraguai. Vários peixes que estavam vivos nos petrechos ilegais foram soltos no rio.

Ontem e hoje (19) foram retirados dos dois rios 42 espinheis, com média de 30 anzóis cada um, e 67 anzóis de galho na região. As equipes continuarão na área para evitar o uso desses petrechos ilegais e também, porque a denúncia era de que, da foz do rio Apa, que fica em território paraguaio, os pescadores estariam adentrando também o território brasileiro. Durante os trabalhos até agora não foi encontrado nenhum pescador nos rios na região. Bloqueios também estão sendo executados nas rodovias e estradas vicinais próximas dos rios. Ressalta-se que a pesca também está fechada pela legislação do Paraguai.

Fiscalizações preventivas dessa natureza são fundamentais para a prevenção à pesca predatória, em princípio, para que os pescadores continuem respeitando as normas, mas principalmente, para a retirada desses petrechos ilegais, tendo em vista o grande poder de captura e depredação dos cardumes, como esses retirados do rio pelos policiais. Além disso, há grande dificuldade de deter os autores, pois tais petrechos são armados em curto espaço de tempo e os pescadores não permanecem no rio durante a pesca, fazendo somente a retirada dos peixes, também em tempo bastante curto. Na área fiscalizada, a maioria dos petrechos é colocada por pescadores paraguaios.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Paciente com covid morre em acidente com ambulância na MS-339
BODOQUENA
Paciente com covid morre em acidente com ambulância na MS-339
AVANÇO DA PANDEMIA
Brasil ultrapassa a marca de 6,5 milhões de casos de Covid-19
CAMPO GRANDE
Tio e dois sobrinhos desapareceram em córrego durante temporal na Capital
JUSTIÇA
Mutirão DPVAT realiza 386 perícias na comarca de Dourados
ACIDENTE
Garoto de 15 anos desaparece em córrego durante temporal na Capital
CULTURA
Festival da Canção da UEMS divulga música campeã da edição 2020
COTAÇÃO
Dólar fecha cotado a R$ 5,12, menor valor desde 22 de julho
APELO
Com mudanças no toque de recolher, bares e restaurantes temem prejuízos e demissões
DOURADOS
Mulher é esfaqueada pelo ex após discussão no Canaã IV
DOURADOS
Fim de semana pode ter chuva e máxima não passa de 26°C

Mais Lidas

POLÍCIA
Homem é encontrado morto em ponte próximo à Vila Cachoeirinha 
CAARAPÓ
Jovem que matou companheira com mata-leão é autuado em flagrante por homicídio doloso
ACIDENTE
Rodas de carreta se soltam e atingem mulher na calçada em Amambai
DOURADOS
Corpo encontrado na pedreira é de homem desaparecido há quatro dias