Menu
Busca segunda, 21 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
CAMPO GRANDE

Justiça mantém bloqueio de R$ 10 mi de empresários contratados para atuarem no Aquário do Pantanal

05 agosto 2020 - 08h37Por André Bento

Obra faraônica lançada pelo Governo de Mato Grosso do Sul em maio 2011 com orçamento inicial previsto de R$ 84 milhões, o Aquário do Pantanal é uma mina de problemas. Nesta semana, empreiteiros envolvidos no projeto sofreram revés no STJ (Superior Tribunal de Justiça), com a manutenção do bloqueio de R$ 10,7 milhões em bens.

Tornada pública na terça-feira (4), decisão monocrática de 25 de julho do ministro João Otávio de Noronha, presidente da Corte, negou pedido de desbloqueio feito por Massashi Ruy Ohtake, José Antonio Toledo Areias e Ruy Ohtake Arquitetura e Urbanismo LTDA.

Ligados à uma empresa contratada para atuar na obra, eles requeriam que fossem sustados todos os efeitos da decisão de indisponibilidade de bens até o julgamento de mérito do recurso, afirmando a existência de perigo de dano irreparável em razão da decisão proferida pela 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande.

Foi a Justiça da Capital que determinou, originalmente, o bloqueio de bens que segundo os empreiteiros chegou à “quantia estratosférica de R$ 10.789.102,48 (dez milhões, setecentos e oitenta e nove mil cento e dois reais e quarenta e oito centavos)”.

De acordo com o Campo Grande News, a origem dessa demanda judicial é uma ação em que o MPE-MS (Ministério Público Estadual) “denuncia  ilegalidades na contratação da  empresa Fluidra, que assumiu serviço antes destinado à construtora Egelte –mas que acabou com a outra empresa depois de revisão do projeto de suporte à vida. Suspeita-se que as mudanças ocorreram apenas para beneficiar a Fluidra”.

“A Fluidra seria responsável pela implantação do sistema de filtragem, automação, iluminação e cenografia dos tanques. Com os novos serviços, seu contrato chegou a R$ 25.087.950,77. A acusação sustenta a existência ‘conluio’ das empresas com agentes públicos para a operação”, detalha a publicação da capital.

O Dourados News apurou que o MPE pleiteava o bloqueio de R$ 107.891.024,80 somente a título de dano moral coletivo e de R$ 21.578.201,96 a título de multa, mas a Justiça havia estabelecido o limite de até R$ 10.789.102,48.

Esse bloqueio, porém, chegou a ser revertido em recurso julgado pelo TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), mas no STJ houve nova decisão favorável ao pleito ministerial.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MATO GROSSO DO SUL
Com apoio do governo federal, MS tenta controlar focos de calor no Pantanal
NOVA ANDRADINA
Condutor com mais de 180 kg de maconha tenta fugir mas é capturado pela PRF
ECONOMIA
Estudo da FGV aponta que pandemia provocou queda de renda de 20,1%
REGIÃO
Carro com placas de São Paulo é flagrado com mais de 300 quilos de maconha em MS
COVID-19
Saúde atualiza números da pandemia do coronavírus e Brasil tem 363 novos óbitos
TRÁFICO DE DROGAS
PRF apreende 200 kg de maconha dividida em fardos em Bataguassu
POLÍTICA
Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro decide que Cristiane Brasil continuará presa
ÁGUA CLARA
Após perseguição, traficante abandona acompanhante e carro com 64 kg de maconha
R$ 381 MIL
Idosa leva multa por incêndio em área de 95 hectares de vegetação nativa
BRASIL
Marco Aurélio, do STF, recebe alta após passar por cirurgia no joelho

Mais Lidas

RIO BRILHANTE
Homem de 56 anos cai de trator e morre atropelado em fazenda
ESTADO
Confraternização em fazenda termina com tragédia após briga familiar
TRAGÉDIA
Bombeiro em Dourados morre durante acidente em Santa Catarina
DOURADOS
Amigos e familiares de entregador morto em acidente pedem que justiça seja feita