Menu
Busca quarta, 28 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
ARTIGO

O julgamento de Lula e a ordem jurídica

08 janeiro 2018 - 13h35Por Dirceu Cardoso Gonçalves

De repente, o rotineiro ato jurídico de um tribunal de segunda instância julgar um processo é pautado como acontecimento nacional e até passível causar instabilidade. O prefeito de Porto Alegre pediu ajuda federal para controlar a “invasão” da cidade, dia 24 próximo, no julgamento do ex-presidente Lula. O governo federal diz ser desnecessário, o réu insiste em ser ouvido pelos desembargadores e seus seguidores aproveitam o clima para pregar a desobediência civil. Embora enfraquecidos depois do impeachment de Dilma, os ditos movimentos sociais – que Lula já chamou de “exércitos” - ameaçam comparecer em massa, mas ninguém é capaz de antever o que isso pode representar quantitativamente.

Alguns exagerados garantem que, mesmo condenado em segunda instância, o ex-presidente “será candidato”.

É preciso muito juízo nesta hora. Politizar o julgamento certamente é estratégia do réu. Mas não pode exagerar a ponto de promover o caos e nem enveredar para o descumprimento da legislação vigente. O que os juízes do TFR-4 vierem a decidir no processo é o que deverá ser cumprido. E os insatisfeitos poderão recorrer ao STJ e talvez até ao STF, tudo dentro do ordenamento jurídico. Alí se decidirá exclusivamente se o tribunal referenda ou não a sentença do juiz Sérgio Moro, que condena o ex-presidente em relação ao apartamento triplex do Guarujá.

Embora o direito à livre manifestação seja constitucional, não há razão para chamar a militância para a porta do tribunal e nem para insuflá-la a cometer exageros. Da mesma forma, não interessa a ninguém promover “na marra” a candidatura de Lula ou de quem quer que seja. Se a sentença for confirmada, estará configurada sua condição de ficha suja e a legislação impede candidatura de eleitores nesta condição. E assim deverá ser feito, a não se que se promova a quebra institucional.

O momento é delicado. Temos o presidente da República denunciado, ministros sob investigação, muitos parlamentares investigados, processados e alguns apeados do poder já presos. A nomeada ministra do Trabalho enfrenta a rebelião contra sua posse e os diferentes partidos discutem candidaturas para as eleições de outubro. Espera-se que todos os atores do nosso grande teatro político tenham bom senso para que as eleições transcorram em ordem e dela surjam as bases da conciliação nacional. Embora tenha a responsabilidade intrínseca do voto, o eleitor não merece o trauma que a classe política o está fazendo suportar...
 
* Dirigente da Aspomil (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 
aspomilpm@terra.com.br                                                                                                     

Deixe seu Comentário

Leia Também

SELIC
Copom decide manter juros básicos da econômia em 2% ao ano
JARDIM
Briga após dia de trabalho termina com funcionário de fazenda morto
ECONOMIA
Governador anuncia pagamento de outubro e garante o 13° salário
CAMPO GRANDE
Adolescente que estava desaparecida desde sexta-feira é encontrada
FUTEBOL
Com um a menos, Santos segura empate com Ceará pela Copa do Brasil
ECONOMIA
Dólar dispara e fecha cotado a R$ 5,76
CLIMA
Tempo muda nas próximas horas e há risco de temporal em Mato Grosso do Sul
COXIM
Usuário de cocaína dispara contra residência e acaba preso em flagrante
INTERNACIONAL
Alemanha adotará lockdown de um mês em reação à disparada de Covid-19
MATO GROSSO DO SUL
Boletim inclui 179 novas notificações por dengue em uma semana

Mais Lidas

DOURADOS
Enquanto filma chuva, interno mostra ‘plantação’ de maconha em cela da PED
GRANDE DOURADOS
Cobertura de barracão de cerealista ‘voa’ com o vento; veja vídeo
BR-463
Homem para carro em bloqueio, desce atirando e morre em confronto com a polícia
DOURADOS
Délia decreta emergência por causa de danos provocados pela tempestade