Menu
Busca sexta, 17 de setembro de 2021
(67) 99257-3397
OPINIÃO

O desinteresse do jovem pela eleição, por Dirceu Cardoso

11 agosto 2014 - 12h07

Apenas um em cada quatro jovens de 16 e 17 anos – o equivalente a 26% da população nesta faixa etária – se inscreveu para votar nas próximas eleições. Nas eleições presidenciais de 2002, 2006 e 2010, o percentual variou entre 36 e 37% e chegou a 43% nas municipais de 2008 e 2012. Estudiosos procuram as causas desse desinteresse e concluem ser resultado do desencanto decorrente das manifestações ocorridas a partir do ano passado. Mas a causa não deve ser tributada exclusivamente à frustração e falta de solução aos problemas abordados nos atos públicos. Podem, sim, estar ligadas ao quadro de descontentamento que levou a população a sair às ruas em protesto.

Já faz um bom tempo que, quando vemos os governantes e os políticos falarem da situação nacional, temos a impressão de que falam de outro país. As falas - otimista do governo e catastrófica da oposição - não condizem com aquilo que sentimos no Brasil do dia-a-dia. Não é difícil concluir que tanto uns quanto outros estão divorciados da realidade e produzem suas manifestações apoiadas em técnicas de puro marketing eleitoral. O resultado não poderia ser outro: descrédito.

O primeiro mês da campanha eleitoral, deflagrada no dia 5 de julho, demonstra que em vez de propostas, os candidatos de todos os níveis priorizam falar mal de seus adversários. Perdem o precioso tempo em que deveriam estar convencendo o eleitorado sobre seus propósitos de trabalho na eventualidade de serem eleitos. O clima belicoso, em vez de atrair o povo para a causa eleitoral, o afugenta e potencializa a repulsa à desgastada figura do político.

Precisamos, com toda urgência, mudar o eixo das discussões. Os malfeitos – não importa quem seja o malfeitor – têm de ser todos apurados pela polícia e apenados pela justiça, sem qualquer interferência, corporativismo ou tráfico de influência. Os candidatos têm de encontrar meios de chegar ao eleitor e convencê-lo de seus bons propósitos. Não é falando mal do adversário que se vai alcançar esse objetivo. É fundamental que o eleitor passe a ver o voto como a sua ferramenta de condução do país e da sociedade, não como uma ineficaz obrigação legal. A retração do jovem no alistamento eleitoral é sintomática e mau prenúncio, pois é o jovem de hoje que comporá do quadro de eleitores das próximas cinco décadas, já que o voto é obrigatório até os 70 anos de idade...

*Dirigente da Aspomil (Associação de Assistência Social dos Policiais Militares de São Paulo)
aspomilpm@terra.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

Com mandado de prisão em abertos, brasileiro é expulso do Paraguai
PARAGUAI
Com mandado de prisão em abertos, brasileiro é expulso do Paraguai
EDUCAÇÃO
UEMS regulamenta retomada gradual das atividades presenciais
FÁTIMA DO SUL
Homem grava vídeo para inocentar esposa: "Erro meu, bebi demais"
IMUNIZANTE
Sociedade Brasileira de Pediatria defende vacinação em adolescentes
Ambiental desmonta acampamento de caçadores às margens do Apa 
MEIO AMBIENTE
Ambiental desmonta acampamento de caçadores às margens do Apa 
NÚMEROS DA TRAGÉDIA
Brasil se aproxima de 590 mil mortes por Covid; média segue estável
DROGA
Paraguai destrói 36 toneladas de maconha que viriam para o Brasil
Cultura prorroga prazo para inscrição ao Auxilio Emergencial
CAPITAL
Jovem marca encontro, é estuprada e idosa presta socorro
Bolsas de sangue vindas do Ceará para MS chegam neste sábado

Mais Lidas

DOURADOS
Após denúncias, casal é preso por tráfico no Jardim Guaicurus
24 HORAS DE VACINA
Dourados terá 'viradão' da vacina para aplicar doses em cinco grupos
DOURADOS
'Trevo do DOF' terá viaduto de 40m e ficará pronto em oito meses
DOURADOS
Homem morre no hospital depois de ser atropelado na área central