Menu
Busca quinta, 22 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
ARTIGO

O Arroubo Âmago do Cedro!

20 novembro 2017 - 17h50Por Rosildo Barcelos

A história de um país que remete-nos a antiguidade histórica também leva-nos a homenagear nesse 22 de novembro  a história de um povo que carrega em sua bagagem  a marca das lutas, das dificuldades, e mas também não tão menos importante uma sequencia de muitas conquistas, alegrias e glórias. Propugnavam, apesar de desgastado  pelas guerras que travou para conquistar, não territórios ou riquezas, mas, sim, uma identidade, uma cultura e o respeito dos outros povos. A história libanesa remonta há mais de seis mil anos de cultura e escrita, herdando todo o arcabouço adquirido pelas viagens de comércio do antigo povo fenício, que tantas contribuições nos legou.

Foi cultuando os valores que consagram a liberdade e o amor ao próximo que adquiriram sua identidade política, consolidando uma realidade que já se projetara na história. Criou o alfabeto fonético, o Alfabeto de Biblos, com 22 letras, e propagou-o pelo mundo. Também Biblos é a cidade mais antiga do mundo a editar a Bíblia.

Já no século II depois de Cristo, Beirute era chamada de a Mãe das Leis, porque já possuía sua Escola de Direito, que teve um papel preponderante no  Código de Justiniano. Nessa Constituição,  Papiniano, ensinou que a igualdade de todos é a liberdade de cada um.Regra que se fosse seguida à risca, facilitaria enormemente nossas relações interpessoais

Seguindo a história, quando o império otomano ruiu, a França e a Reino Unido disputaram o território entre si. Depois de alguns desentendimentos, chegaram a um acordo em 1916: a Síria e o Líbano ficariam com a França, e o Egito, a Jordânia e o Iraque, com os britânicos. Com  fulcro no lema "dividir para governar", a França tratou de separar administrativamente o Líbano da Síria, formando dois Estados.

No que tange à origem da palavra "Líbano" ou "Lubnam", a versão mais discrepante das demais é aquela segundo a qual o termo deriva da raiz árabe "Lbn", que significa "branco" ou "ser branco", em referência ao cume do monte de mesmo nome, que fica coberto de neve até o começo do verão.

Outrossim,a simbiose do homem da montanha e do homem do mar moldou o libanês com nítidos contornos de humanismo, propiciando-lhe as condições necessárias para a edificação de uma civilização expansiva e liberal, acessível a outros povos, muitos dos quais a assimilaram em função de uma real identificação com ela. Olhando por este prisma, ser libanês espelha-se no supedâneo do reconhecimento cabal da condição de País dos Cedros; de ponto de equilíbrio e encruzilhada da cultura ocidental com várias culturas orientais de países de língua árabe, de assimilador de raças e de harmonizador de credos religiosos

É mister ressaltar que a imigração libanesa para o Brasil começou há mais de 140 anos, quando no porto de Santos desembarcaram as primeiras famílias. Aliás,para se ter uma ideia a cidade de Lucy,  é uma cidade libanesa onde mais se fala português do que árabe. Ao fugir das perseguições econômicas e políticas, das guerras e da falta de oportunidades que lhe eram oferecidas na época, os libaneses encontraram o Brasil eivado de generosidade e hospitalidade,fato que propiciou-nos a chance de construir juntos um País diferente para os nossos filhos; com expectativa de vida, trabalho e lazer. Fato vivenciado pelo paulista de Tietê Michel Miguel Elias Temer Lulia, Presidente da República Federativa do Brasil, filho de   Nahul Temer, que cultivava azeitonas em seu país de origem; e com os descendentes de  Assaf Trad e Margarida Maksoud, Marcos Marcelo Trad,(cujo nome homenageia o tio, comercialino ícone como cronista esportivo) que na gestão atual  administra a capital do Estado.de Mato Grosso do Sul.

Urge inferir,  que a integração do imigrante não se limitou à sua adaptação aos costumes e ao estabelecimento de laços familiares, posto que o Brasil   devolveu aos libaneses a oportunidade de poderem sonhar novamente. E essa essência não pode ser mudada. Se continuarmos nesse norte, fatalmente teremos uma nação mais unida e essa união, essa vontade de ser livre é que faz do nosso país um celeiro para a humanidade.

*Articulista

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Sanesul amplia serviços de saneamento no município de Ponta Porã
JUDICIÁRIO
TJ/MS promove o 4º Seminário de Gestão Socioambiental na próxima semana
CAPITAL
Homem é preso após mulher reagir a assalto e derrubar ladrão de motocicleta
CLIMA
Previsões indicam que outubro deve acabar chuvoso em Dourados
REGIÃO
MS recupera mais de R$ 90 milhões de créditos em Dívida Ativa com o Refis
DOURADOS NEWS PERGUNTA
Como diminuir os gastos com a folha salarial, que por um ano ficou acima da Lei de Responsabilidade?
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 32 milhões nesta quinta-feira
TV DOURADOS NEWS
Liandra Brambilla fala de sua experiência trabalhando na saúde em Dourados
UFGD
Mulheres na ciência é tema de webconferência na próxima segunda-feira
DOURADOS
Aced traz Aly Baddauhy Jr para Roda Empresarial desta quinta-feira

Mais Lidas

DOURADOS
Acidente entre carreta e motocicleta mata mulher na BR-163
HOMICÍDIO EM 2013
Condenada pela morte do ex em Dourados é presa na Capital
DOURADOS
Motorista bêbado causa acidente em semáforo da Avenida Marcelino Pires
DOURADOS
Carona de motociclista que morreu em acidente com carreta corre risco de ter perna amputada