Menu
Busca sábado, 16 de janeiro de 2021
(67) 99659-5905
OPINIÃO

O ano que começa depois do carnaval

08 fevereiro 2016 - 16h20

O carnaval deste ano tem o sabor de festa de fim-de-ano. Não pelo simbolismo, mas pelo imenso número de pendências que o país arrastou no recesso dezembro/janeiro dos poderes Legislativo e Judiciário. Enquanto parlamentares e magistrados viviam as férias de verão, os bastidores da política fervilhavam ao redor do impeachment presidencial, da possibilidade de afastamento do presidente da Câmara, do Senado e do processo a dezenas de parlamentares citados em casos de corrupção, além das reformas que poderão recolocar o pais nos trilhos. O governo luta para se equilibrar e não desiste de aumentar impostos, o que constitui uma boa parte de sua impopularidade.

Na segunda e terça-feira próximas, dias 15 e 16, todos os parlamentares e magistrados estarão em seus postos e o ano de 2016 começará efetivamente, cumprindo a máxima popular de que o ano só começa depois do carnaval. Bom que o carnaval desse ano acontece no começo de fevereiro, pois se fosse em março, como em alguns anos, perderíamos mais um mês à espera da solução de nossas pendências.

O cidadão comum, atropelado pela crise, inflação, desemprego e tantos outros males, já se mostra exausto. Abomina os políticos e principalmente as suas afirmativas que não se concretizam ou demoram muito. O Brasil de hoje espera de todos aqueles que têm em seus ombros a responsabilidade de decidir, o façam com a maior rapidez. Só depois de decidir, por exemplo, quem governará nos próximos anos, é que se poderá buscar alguma solução para a crise. Quanto aos denunciados crimes, o que se espera é que todos sejam punidos na exata extensão dos males que cometeram. Nem mais, nem menos.

O país precisa sair da provisoriedade para que o governo – pouco importa quem seja o governante – tenha ânimo, força e representatividade para adotar as medidas saneadoras dos problemas e indutoras do desenvolvimento. O trabalhador precisa encontrar oportunidade de trabalho e renda e as forças produtivas carecem de um ambiente equilibrado para atuar. Espera-se que nesse ano que simbolicamente se inicia agora, o Congresso Nacional, o Judiciário e o próprio Governo desempenhem estritamente suas obrigações legais, sem negligenciar nem extrapolar naquilo que a lei lhes faculta. Do contrário, teremos dias muito difíceis pela frente e até a democracia, de que muitos se orgulham mais não cuidam, estará sob risco...

Dirigente da Aspomil (Associação de Assistência Social dos Policiais Militares de São Paulo)
aspomilpm@terra.com.br*

Deixe seu Comentário

Leia Também

SES discute com Ministério da Justiça Operação de Distribuição de Vacina
CORONAVÍRUS
SES discute com Ministério da Justiça Operação de Distribuição de Vacina
EDUCAÇÃO
Estudantes podem conferir locais de prova do Enem Digital
'Disciplina do PCC' é preso por tráfico de drogas em Rio Brilhante
POLÍCIA
'Disciplina do PCC' é preso por tráfico de drogas em Rio Brilhante
FLAMENGO
Ministério Público denuncia 11 pessoas por incêndio no Ninho do Urubu
Ambiental captura tamanduá-bandeira em cima de muro de clube 
AMAMBAI
Ambiental captura tamanduá-bandeira em cima de muro de clube 
SELEÇÃO
Sebrae abre processos seletivos com vagas para a Capital e interior
CATANDUVAS
Operação garante transferência de "Bonitão" para presídio federal
JUSTIÇA
Piscina rachada dentro da garantia gera indenização ao comprador
APARECIDA DO TABOADO
Homem é preso após esfaquear o próprio pai na nuca durante discussão
IMUNIZAÇÂO
Dourados prepara estrutura de vacinação contra a Covid-19

Mais Lidas

DOURADOS
Prefeitura corta mais de 400 cargos comissionados de uma só vez
CLIMA
Chuva alaga ruas no centro de Dourados após calor acima de 38°C
PEDRO JUAN
Policial é executado com tiros de fuzil na fronteira
BR-163
Homem morre após colidir carro de passeio contra caminhão