Menu
Busca quarta, 03 de junho de 2020
(67) 99659-5905
MS

Nova lei deve facilitar a regularização fundiária urbana da população de baixa renda no Estado

21 setembro 2017 - 19h05

De acordo com dados do Ministério das Cidades, mais de 50% dos imóveis urbanos no Brasil estão com algum tipo de irregularidade, o que é aproximadamente 100 milhões de pessoas que moram em imóveis irregulares. Com a finalidade de auxiliar no processo da regularização que a Frente Parlamentar para a Regularização Fundiária da Casa de Leis em parceria com a Agência de Habitação Popular de Mato Grosso do Sul (Agehab), realizou nesta quinta-feira (21/9), o Workshop ‘Regularização Fundiária Urbana’.

O diretor do departamento de Assuntos Fundiários Urbanos do Ministério das Cidades, Silvio Eduardo Marques falou da nova legislação, a Lei Federal 13.465/2017. A proposta tem como objetivo simplificar, agilizar os procedimentos da regularização fundiária urbana, ampliando a possibilidade de acesso à terra urbanizadas pela população de baixa renda.

Ele destacou algumas das mudanças da lei, ela amplia o alcance da regularização dos núcleos informais com usos e características urbanas, ainda que situados em zonas rurais. Permite ainda que milhares de domicílios, principalmente dentro da Amazônia Legal possam ser regularizados. Altera-se o conceito de assentamento irregular para núcleo urbano informal, contemplando os núcleos clandestinos e irregulares, com usos residenciais e não residenciais, sob a forma de parcelamentos do solo, de conjuntos habitacionais ou condomínios, sejam horizontais, verticais ou mistos.

Outro acréscimo da Lei é a criação e regulamentação, pelos estados de fundos específicos destinados à compensação total ou parcial dos custos referentes aos atos registrais da regularização fundiária urbana. Neste sentido o fundo viabiliza a gratuidade para os beneficiários e municípios. A proposta também possibilita a titulação de duas famílias residentes em unidades habitacionais sobrepostas, no mesmo lote, de forma que cada uma tenha sua matrícula. "Com essa apresentação eu quis dar uma noção básica do que traz a nova legislação, suas principais alterações", considerou Marques.

"Todos os instrumentos que possam ajudar na regularização fundiária são bem-vindos, e quero lembrar que foram alteradas mais de 20 leis que facilitam e auxiliam neste processo", afirmou o coordenador da Frente Parlamentar, deputado Renato Câmara (PMDB).

Participaram também do debate o gerente de regularização fundiária e cartográfica da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), André Nogueira Borges, o promotor de justiça, Luciano Furtado Loubet e o prefeito de Santa Rita do Rio Pardo, Cacildo Dagno Pereira.


Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÁFICO
PRF apreende 1,2 tonelada de maconha e 20 Kg de skunk na BR-267
SENADO
Aprovado congelamento de preços de medicamentos e de planos de saúde
COSTA RICA
Filho acusado de agredir pai de 91 anos é preso descumprindo medida judicial
ÁUDIO VAZADO
Presidente da Fundação Palmares chama movimento negro de 'escória'
CAPITAL
Condenado por estupro de vulnerável, homem é preso em encontro religioso
POLÍTICA
Senado aprova em definitivo projeto de doação de refeições não vendida
PORTO MURTINHO
Técnico de laboratório suspeito de aborto consegue habeas corpus
JUSTIÇA
Banco deve indenizar por inserir gravame a terceiros sem consentimento
MARACAJU
Mulheres denunciam tarado que se tocava em terminal rodoviário
COVID-19
'Lamento todos os mortos, mas é o destino de todo mundo', diz Bolsonaro

Mais Lidas

6ª VARA CÍVEL
Empresário vai à Justiça contra toque de recolher em Dourados
PANDEMIA
Com mais 27 casos, Dourados ultrapassa 300 confirmações de coronavírus
PANDEMIA
Novo epicentro, Dourados é a cidade com mais casos de coronavírus em MS
PED
Policiais penais frustram tentativa de fuga na Penitenciária de Dourados