Menu
Busca domingo, 25 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
INTERCÂMBIO

MS e Bolívia avançam nas negociações sobre gás natural e desenvolvimento da fronteira

05 dezembro 2017 - 14h35

O Governo de Mato Grosso do Sul deverá ampliar, a partir de janeiro de 2018, a compra direta do gás natural boliviano, dos atuais 600 mil metros cúbicos/dia para dois milhões de metros cúbicos/dia, para atender a termelétrica que está sendo implantada entre os municípios de Corumbá e Ladário.

O acordo foi definido nesta terça-feira pelo governador Reinaldo Azambuja, em reunião com o presidente da Bolívia, Evo Morales, em Brasília, com a participação dos governadores dos estados fronteiriços à Bolívia que também tem interesse neste acordo: de Mato Grosso, Pedro Taques; de Rondônia, Confúcio Moura; e do Acre, Tião Viana.

A compra direta do insumo, considerado estratégico para o desenvolvimento do Estado e na atração de novos investimentos privados, será oficializada em reunião em Puerto Ustarez (Beni), no dia 30 de janeiro do próximo ano.

“Vamos firmar o memorando de entendimento, que vai ter aval do governo federal, e com isso o Estado ganha uma fonte de energia competitiva para atrair novos investimentos”, disse o governador. “O Governo do Estado repassará o gás à iniciativa privada, sem onerar os cofres públicos e gerando receita com a venda e a arrecadação (12%) do ICMS”, completou.

O encontro aconteceu pouco antes da reunião de Evo Morales com o presidente Michel Temer. Presentes, o secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, e o diretor-presidente da Companhia de Gás de Mato Grosso do Sul (MSGás), Rudel Trindade, e os ministros bolivianos Milton Claros Hinojosa (Obras Públicas Servicios y Vivienda) e Luis Alberto Sánchez (Hidrocarburos).

 Negociações

“O presidente Evo Morales sinalizou positivamente com a possibilidade de contratação independente do contrato da Petrobras”, informou o secretário Jaime Verruck. Ele acrescentou que o governador Reinaldo Azambuja apresentou as demandas do Estado e ficou estabelecido um cronograma de ações de curto e longo prazo. No curto prazo, a preocupação é com relação ao gás natural.

“Nossa negociação é para termos a possibilidade de fornecimento de gás natural para outras empresas e terceiros, independente do contrato com a Petrobras, que vence em 2019. No caso de Mato Grosso do Sul, queremos potencializar o gás natural, especificamente na região de Corumbá, assegurando o fornecimento de gás natural para UTE fronteira”, enfatizou Verruck.

O diretor-presidente da MSGás, Rudel Trindade, informou que o acordo bilateral foi produtivo e o documento definitivo pleiteado pelos estados fronteiriços à Bolívia em relação à compra direta do gás será elaborado em um novo encontro no dia 20, em Cuiabá, com a presença do ministro boliviano Luis Alberto Sánchez (Hidrocarburos).

“Neste encontro de hoje (terça-feira), fomos incisivos e fizemos uma pressão sobre o governo boliviano para que atenda nossas reivindicações. Destacamos a importância e a necessidade do gás boliviano para o desenvolvimento bilateral de Mato Grosso do Sul e da Bolívia”, explicou Trindade. “Em janeiro, esperamos resolver definitivamente as nossas demandas.”

 Ramal do gás

Para o Governo do Estado, é primordial que a MSGás continue com a possibilidade de ofertar gás dentro da política de atração de investimentos, com preço competitivo. Hoje, o valor cobrado pelo gás é o mesmo em todos os estados brasileiros, mas, nos próximos anos, a cobrança será feita de forma separada, da molécula e do transporte.

O fornecimento do gás natural diretamente pela MSGás à termelétrica de Ladário, além de viabilizar o projeto de R$ 900 milhões do grupo baiano GPE (Global Participações em Energia), beneficia ainda o Estado quanto ao uso do ramal de gás natural, de 40 km, construído na década de 1990 entre a fronteira e Corumbá para abastecer a usina do antigo grupo MMX, que não entrou em operação por falta de licença.

“O Estado investiu R$ 60 milhões na implantação desse ramal e precisa dar uma solução, não apenas comercial, pois hoje temos um custo de R$ 1 milhão/ano na sua manutenção”, explicou Rudel Trindade. Ele disse ainda que a UTE aguarda o acordo para compra direta de dois milhões de metros cúbicos/dia do gás para participar de leilões de venda de energia.

 Ações integradas

Ainda durante o encontro com Evo Morales, o governador Reinaldo Azambuja apresentou outras demandas de Mato Grosso do Sul com o país vizinho. Além do gás natural, foi entregue um documento ao governo boliviano com solicitações referentes à infraestrutura e propostas conjuntas de desenvolvimento da região de fronteira, adiantou Jaime Verruck.

Este documento busca estabelecer um sistema de parceria entre Mato Grosso do Sul e a Bolívia, possibilitando transferência tecnológica, relações sociais e relações de fronteira, visando o desenvolvimento integrado da região de fronteira entre a Bolívia e o Estado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TINDER ELEITORAL
Plataforma ajuda a escolher e acompanhar vereadores para eleições
PANDEMIA
China reabilita frigoríficos de MT e MS suspensos por Covid-19; um é em Dourados
CONDENADO
Médium João de Deus foi internado no Sírio Libanês, em Brasília
CULTURA
Municípios têm até segunda para assinar adesão à lei Aldir Blanc
CULTURA
Livro sul-mato-grossense é um dos finalistas do Prêmio Jabuti
PESQUISA
Fóssil achado em MG pode revelar novidades sobre dinossauros
QUEIMADAS
Corpo de Bombeiros começa a desmobilizar equipes da "Operação Pantanal II"
CAMAPUÃ
Após perseguição, veículo é apreendido com mais de 1t de maconha
SESSÃO REMOTA
Senado vai fazer sessão especial em homenagem aos médicos nesta segunda
POLÍTICA
Senadora Soraya Thronicke é condecorada com Ordem do Mérito Aeronáutico

Mais Lidas

DOURADOS
Acusado de matar mulher por asfixia no Canaã I é preso no Piratininga
TRÂNSITO
Moto invade preferencial, é atingida por caminhonete e dois ficam feridos na Marcelino
TRÁFICO DE DROGAS
Jovens que saíram de Dourados são flagrados com maconha no interior paulista
PONTA PORÃ
PF faz segunda maior apreensão de cocaína do ano em MS