Menu
Busca sexta, 10 de julho de 2020
(67) 99659-5905
ELEIÇÕES 2020

MP quer maior rigor na fiscalização das cotas de gênero

30 junho 2020 - 19h35Por Da Redação

O Ministério Público Eleitoral (MP Eleitoral) no Mato Grosso do Sul, por meio da Procuradoria Regional Eleitoral (PRE), enviou aos promotores eleitorais do estado a Orientação Normativa 02/2020, que estabelece diretrizes para atuação dos órgãos do MP no combate à simulação de cumprimento da regra inscrita no art. 10, § 3º, da Lei n. 9.504/97, que assegura as cotas de gênero nas eleições proporcionais.

O MP Eleitoral considera fundamental a fiscalização quanto ao efetivo cumprimento das cotas de gênero, ainda no período de registro de candidaturas. Como cada partido político deve encaminhar à Justiça Eleitoral, junto ao Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários (DRAP), a lista dos candidatos e das candidatas que disputarão o pleito municipal, orienta-se que os(as) promotores(as) eleitorais requeiram nos autos do DRAP o indeferimento do pedido de registro do partido político sempre que houver indícios da ocorrência de fraude à cota de gênero.

No documento, a PRE orienta aos promotores eleitorais que ajuízem ambas as demandas judiciais cabíveis — Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (AIME) e a Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) —, com a finalidade de coibir fraudes praticadas por ocasião do lançamento de candidaturas femininas, observando-se, para tanto, as premissas fixadas pelo TSE em julgamentos anteriores.

O que diz a lei – O terceiro parágrafo do art. 10 da Lei n. 9.504/97 (Lei das Eleições) garante que cada partido ou coligação preencherá o mínimo de 30% e o máximo de 70% para candidaturas de cada sexo. Cabe ao MP Eleitoral fiscalizar a efetiva implementação da política pública de reserva de vagas para o lançamento de candidaturas femininas, uma vez que os indícios da ocorrência desse tipo de fraude à cota de gênero, em geral, são constatados após o pleito, e evidenciados por situações como a ausência de votos à candidata, a não realização de campanha, a inexistência de gasto eleitoral, a não transferência e tampouco a arrecadação de recursos – com prestação de contas “zerada”.

Nas eleições municipais de 2016, o número de mulheres eleitas ao cargo de prefeita foi menor do que o relativo ao pleito de 2012; enquanto o número de vereadoras eleitas no país manteve-se praticamente estável, o que revela a subrepresentação feminina na política nacional.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Corpo de homem com mãos e pés amarrados é encontrado em mata
MS-162
Mais de meia tonelada é apreendida em Dourados após perseguição
BRASIL
Prova de vida de aposentados e pensionistas é suspensa até setembro
MEIO AMBIENTE
Dourados terá novo viveiro com capacidade para pelo menos 5 mil mudas
DOURADOS
Adolescente é flagrado com porção de maconha e pé do entorpecente em casa
POLÍTICA
Bolsonaro nomeia Milton Ribeiro como novo ministro da Educação
IMUNIZAÇÃO
Mato Grosso do Sul atinge meta e vacina 90,78% do público-alvo contra Influenza
PANDEMIA
Homem que estava internado em Dourados morre por covid-19
MERCADO IMOBILIÁRIO
3 táticas para atrair clientes no mercado imobiliário
DOURADOS
Full House Band movimenta fim de semana com live sertaneja "solidária"

Mais Lidas

DOURADOS
Decreto vai mandar fechar bares e academias por 10 dias
DOURADOS
Publicado, decreto que fecha bares e academias por 10 dias poderá ser prorrogado
PANDEMIA
Pneumologista é o terceiro médico a morrer por covid-19 em Dourados
DOURADOS
Decreto é alterado e agora autoriza delivery e drive-thru para bares e conveniências