Menu
Busca sábado, 04 de julho de 2020
(67) 99659-5905
LADÁRIO

Liminar derruba decreto que previa orações e jejum na pandemia

26 maio 2020 - 20h05Por Da Redação

O desembargador Luiz Gonzaga Mendes Marques concedeu nesta terça-feira, dia 26 de maio, liminar contra decreto da Prefeitura de Ladário, que pedia 21 dias de oração e um de jejum para combater a pandemia do novo coronavírus.

A medida ocorre depois de Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) interposta pela Comissão de Estudos Constitucionais da OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Mato Grosso do Sul).

Na liminar, o desembargador destacou que “um Estado laico deve ser coletivamente neutro em relação a existência ou inexistência de Deus ou Deuses, não podendo tolerar nenhuma referência religiosa ou antirreligiosa em atos oficiais do poder público, devendo tomar o cuidado de separar os compromissos e políticas governamentais de qualquer dimensão espiritual, por melhor sejam as intenções”.

Segundo o site Campo Grande News, o decreto, assinado pelo prefeito Iranil de Lima Soares (PSDB) e publicado no Diário Oficial no dia 15 de maio, previa a todos os cristãos orações diárias em casas e locais de adoração, além de participações em cerco espiritual de orações.

Seis dias depois, o prefeito alterou o decreto, porém manteve as orientações e sugestões de orações entre 18 de maio e 7 de junho, além de jejum, com intenção de complementar as medidas sanitárias realizados pelo município contra a disseminação do novo coronavírus.

O presidente da OAB-MS, Mansour Elias Karmouche, classificou o decreto como inconstitucional. “É necessária à intervenção da instituição quando há um decreto que contraria os princípios norteadores da nossa Constituição Federal, principalmente neste caso da Prefeitura de Ladário, o qual contrariava a norma maior de que o estado brasileiro é um Estado laico, não podendo tolerar nenhuma referência religiosa ou antirreligiosa em atos oficiais do poder público”, disse.

O presidente da subseção Corumbá Roberto Ajala Lins também pontuou a inconstitucionalidade de tal decreto, “que viola a liberdade de crença, cláusula pétrea da Constituição Federal de 1988, impondo oração e jejum em um estado totalmente laico”. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
SES amplia atendimento e agendamento de testes do coronavírus em duas cidades
TRÁFICO
Quase 4t de maconha são apreendidas em caminhões boiadeiros
PANDEMIA
Após um mês, Campo Grande ultrapassa Dourados em casos de coronavírus
INTERNACIONAL
OMS vê primeiros resultados de testes com medicamentos para covid-19
CONTRABANDO
Polícia flagra veículo abarrotado de cigarros do Paraguai
PANDEMIA
MS confirma mais de 500 casos de coronavírus e sete mortes em 24h
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 27 milhões neste sábado
OPERAÇÃO HÓRUS
Veículos com registros de furtos são recuperados na fronteira
IMUNIZAÇÃO
Vacinação contra o sarampo segue até 31 de agosto em Dourados
CAMPO GRANDE
Briga termina com homem morto a facadas por amigo

Mais Lidas

PANDEMIA
Mulher morre de covid-19 logo após dar à luz em Dourados
DOURADOS
Decretos sobre aglomerações, igrejas e comércio terão mais 10 dias de vigência
CAMPO GRANDE
Jovem que estava desaparecida é encontrada morta
20 VEÍCULOS
"Bonde do contrabando" é apreendido abarrotado de produtos do Paraguai