Menu
Busca sexta, 22 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
COMBATE AO AEDES

Lei garante ações para o combate do Zika Vírus, Dengue e Chikungunya em MS

08 janeiro 2016 - 17h50

Foi publicado no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (8/1) a Lei 4.812/2016, que institui Mato Grosso do Sul em “Estado de Alerta de Saúde Pública” e define ações de combate, controle, prevenção e redução de doenças transmitidas mosquito Aedes aegypti transmissão da Zika, Dengue e Chikungunya.

Na lei estão previstas sanções aplicadas para os proprietários de imóveis e, caso estejam alugados, serão aplicadas ao locatário por meio do CPF, ficando o responsável negativado, perante os órgãos públicos competentes, em que estejam com focos do mosquito. Diretores de repartições públicas que mantiveram focos da doença também serão responsabilizados.

A norma considera infração “a manutenção de objetos que propiciem a reprodução de mosquitos tais como: depósito de pneus a céu aberto, recipientes sob vasos de plantas, depósitos de lixo ou qualquer material que possa captar água da chuva ou outros meios que acumulem água e possa tornar-se meio propício para gerar foco do mosquito Aedes aegypti, transmissor da Zika, Dengue e Chikungunya”.

Nos casos de recusa ou oposição do ingresso dos agentes de Saúde no imóvel, será notificado pela vigilância sanitária municipal o proprietário, possuidor ou responsável legal, administrador ou seus procuradores, para que facilite o acesso ao imóvel ou propriedade no prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas.

Quem impedir o acesso está sujeito a multas que variam de 10 a 200 Uferms (Unidade Fiscal Estadual de Referência de Mato Grosso do Sul – em janeiro em R$ 22,90 a unidade). O recurso arrecadado será destinado, conforme a nova lei, para: I - 50% em conta específica da Vigilância em Saúde Municipal; II - 25% Superintendência Geral de Vigilância em Saúde/SES/MS; III - 25% Secretaria de Fazenda do Estado de Mato Grosso do Sul.

Em novembro passado, foi apresentado o projeto que previa tais medidas de combate. Em dezembro de 2015, a Casa de Leis recebeu o secretário estadual de Saúde, Nelson Tavares, que pediu apoio dos deputados para a celeridade para aprovação de medidas ao combate e explicou os riscos do Zika Vírus, que tem sido relacionado à causa de microcefalia [cérebro reduzido] em bebês.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Forças de segurança de MS recebem 250 viaturas nesta sexta-feira
NA CAPITAL
Forças de segurança de MS recebem 250 viaturas nesta sexta-feira
COVID-19
Saúde de MS toma medidas para evitar "fura filas" da vacina
FUTEBOL INTERNACIONAL
Zidane é diagnosticado com o novo coronavírus, diz Real Madrid
Ferido, Tamanduá-mirim é capturado em região central de Bela Vista
REGIÃO
Ferido, Tamanduá-mirim é capturado em região central de Bela Vista
IMUNIZAÇÃO
Distribuição de vacinas da AstraZeneca deve começar neste sábado
TRANSPARÊNCIA COVID
Sistema com relação de imunizados em Dourados será publicado nesta sexta
LEI 4.570
Moradia às vítimas de violência doméstica passa a valer em Dourados
STF
Ministra estende licença-maternidade para mãe de bebê internado desde nascimento prematuro
REGIÃO
Homem é preso por tráfico de drogas e corrupção de menores
MS
Aposentada que teve desconto indevido no benefício será indenizada

Mais Lidas

DOURADOS
Segundo corpo encontrado às margens da BR-163 é identificado
VIAGEM SANTA
PF deflagra operação contra tráfico de drogas em empresas de turismo religioso de Dourados
DOURADOS
Um dos corpos encontrados às margens da BR-163 foi quase decapitado
DOURADOS
Alvo da PF, empresário foi preso com armas e fortuna ao sofrer atentado em 2019