Menu
Busca terça, 19 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
PERIGO NA INTERNET

Investigador de MS faz alerta sobre crimes virtuais no Estado

25 novembro 2015 - 18h05

Estar na internet e nas redes sociais é rotina na vida de grande parte dos brasileiros, que acabaram criando certa dependência do mundo virtual, onde a maioria das pessoas passou a viver, como se mundo real fosse, mas com mais cores e sabores que o amargo dia a dia experimentado por muitos.

É também na internet que as pessoas passaram a fazer amizades, confidências e a perigosa troca de dados, que abriu as portas para os chamados crimes virtuais ou, delitos de informática.

No país que é o quarto colocado mundial de crimes cibernéticos, os delitos puramente virtuais ainda não tem tipificação própria e segundo o delegado da Polícia Civil Wellington de Oliveira, especialista no assunto, são apurados como crimes já listados no Código Penal Brasileiro. “Para esses casos a tipificação é a que temos nas leis, o que muda é que pessoas usam a internet como meio para cometer crimes como estelionato, injúria e ameaça, por exemplo”, explica.

Da simples e inofensiva rede mundial de 1994 onde era possível acessar e-mails e ler conteúdos, a internet se transformou em um complexo e ágil sistema de consulta e armazenamento de dados de pessoas e empresas, que permitem compras, pagamentos, transações bancárias de todos os tipos e o encurtamento de distâncias com videochamadas com baixíssimo custo que permitem ver e falar com pessoas do outro lado do mundo, tudo isso facilitou muito nossas vidas, que ficaram também mais vulneráveis e expostas.

Como ninguém entra na sua casa se não for convidado ou a porta estiver aberta, para o investigador da Polícia Civil Michel Weiller Neves, especialista em informática, a culpa da fragilidade dos sistemas não pode ser atribuída unicamente a internet. “Inocentemente muita gente envia dados para desconhecidos, expõe a vida nas redes sociais, confia em pessoas que conhece apenas virtualmente e acaba presa fácil para criminosos que agem no mundo negro da internet”, diz.

Segundo o investigador antigamente os criminosos virtuais, chamados até então de hackers queriam apenas aparecer e provar que tinham capacidade e inteligência para violar os sistemas considerados seguros, mas com a possibilidade de obter vantagens financeiras com a rede e reduzir os riscos de prisão, novas modalidades criminosas, como o sequestro de bancos de dados de empresas e prefeituras com pedidos de resgate milionários começaram a surgir, para desespero de todos.

Mas há como se proteger para não ser a próxima vítima dos crimes virtuais? O delegado Wellington de Oliveira garante que sim. “São prevenções primárias e simples, como a troca constante de senhas, que não devem conter informações que facilitem a descoberta, como datas de nascimentos, números de documentos e placas de veículos, nomes de familiares e animais de estimação, não deixar computadores abertos e jamais passar senhas e dados para desconhecidos e certificar que o acesso a sites que pedem informações pessoais é seguro e da empresa que apresenta”, alerta.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UNIVERSIDADE
Laboratório de universidade federal analisa mais de 4 mil testes de Covid-19 em 2020
LEGISLATIVO
Deputados entregam a candidatos à Presidência da Câmara carta com prioridades para a educação
CÂMARA DOS DEPUTADOS
Projeto prevê punição para o repasse indevido de salário de funcionários de agentes políticos
BRASIL
Anac divulga aéreas que podem transportar cilindros de oxigênio
OPINIÃO
Como as alterações nos benefícios previdenciários podem te impactar
PANDEMIA
Mato Grosso do Sul realiza primeira vacinação contra o coronavírus
SISTEMA DE SAÚDE
Governo foi informado dia 8 sobre escassez de oxigênio em Manaus
TRAGÉDIA
Criança de seis anos morre em acidente entre Bonito e Bodoquena
CLÁSSICO
Palmeiras goleia Corinthians e segue sonhando com título brasileiro
REGIÃO
Bombeiros são acionados para buscas após populares verem corpo boiando em rio

Mais Lidas

DOURADOS
Morto por descarga elétrica pode ter tentado consertar portão
ACIDENTE
Homem morre após sofrer descarga elétrica em Dourados
DOURADOS
Comitê alerta para crescente da Covid e prefeito expede decreto com novas regras
DOURADOS
Em ação conjunta, polícia deflagra operação para investigar crimes