Menu
Busca terça, 28 de setembro de 2021
(67) 99257-3397
GERAL

Indústria naval brasileira está consolidada, diz coordenador do Ipea

14 agosto 2014 - 16h45

O crescimento da indústria naval brasileira em torno de 19,5% ao ano desde 2000, somado a investimentos que alcançam quase R$ 150 bilhões, consolidaram o setor no país. A opinião é do coordenador de Infraestrutura Econômica do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Carlos Campos Neto. “Esses investimentos significam que a indústria naval está consolidada no país”.

Com base em contratos já firmados ou previstos para o desenvolvimento do pré-sal e também sobre as descobertas e perspectivas para águas profundas no Nordeste, Campos Neto disse à Agência Brasil que há demanda para investimentos no setor pelos próximos 25 anos. "Existe demanda para a indústria naval para os próximos 25 anos”, disse. Segundo Campos Neto e seu parceiro em um estudo sobre o ressurgimento da indústria naval no Brasil, o técnico de Planejamento e Pesquisa, Fabiano Pompermayer, a demanda identificada para esse período está em torno de R$ 220 bilhões.

O estudo do Ipea foi apresentado hoje (14) na Marintec South America – 11ª Navalshore, no Rio de Janeiro. Esse é considerado o principal encontro estratégico para a indústria naval e offshore da América Latina. Ele engloba representantes de mais de 17 países, 380 marcas expositoras e 12 pavilhões internacionais.

Carlos Campos Neto salientou a importância dos investimentos da Petrobras no processo de retomada do setor naval. “O que fez ressurgir a indústria naval e o que vai sustentá-la pelos próximos 25 anos é fortemente a indústria de petróleo e gás offshore (exploração em alto mar)”, comentou. O estudo mostra que o apogeu da indústria naval brasileira ocorreu na década de 1970, iniciando-se declínio nos anos 80, até quase a extinção do setor, na década seguinte. O economista avaliou que os erros cometidos no passado, entre os quais se destaca a gestão do Fundo de Marinha Mercante (FMM), não serão repetidos. “Eles não estão sendo cometidos”.

Campos Neto salientou que a indústria naval brasileira não será competitiva, porém, em todos os segmentos. Na área da construção de navios petroleiros, por exemplo, o Brasil não vai conseguir concorrer, em termos de preços e custos, com a China ou a Coreia. Por outro lado, o Brasil vai bem na produção de embarcações de apoio, plataformas offshore e navios sonda. “Nosso nicho de mercado, onde o Brasil tem se estruturado e desenvolvido melhor, é nesses três segmentos, que têm muita tecnologia embarcada. Isso para nós é muito bom”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Atleta do MS disputa Mundial de Canoagem Maratona na Romênia
ESPORTE
Atleta do MS disputa Mundial de Canoagem Maratona na Romênia
FUTEBOL
Clubes decidem pelo retorno de público no Brasileirão da Série A
Filhotes de papagaio que caíram de ninho e tucano atropelado são resgatados
REGIÃO
Filhotes de papagaio que caíram de ninho e tucano atropelado são resgatados
Decoração econômica em tempos de crise: aposte nessas 4 tendências!
ARQUITETURA E DESIGN
Decoração econômica em tempos de crise: aposte nessas 4 tendências!
Inadimplência das micro e pequenas empresas cai 0,9% em agosto
ECONOMIA
Inadimplência das micro e pequenas empresas cai 0,9% em agosto
COMER BEM
Veja essa receita de pastel com 3 ingredientes com uma massa que desmancha na boca
POLÍCIA
Encapuzado, homem invade comércio e furta rolos de cabos elétricos
NEGÓCIOS E CIA
8 dicas para reduzir as dívidas e organizar a vida financeira
ATLETISMO
Atleta de MS é bronze no dardo no Sul-Americano Sub-18
REGIÃO
Homem é preso vestido com roupa da vítima após furtar residência

Mais Lidas

REGIÃO
Acidente entre Dourados e Fátima do Sul matou mulheres e deixou policial ferido
EXECUÇÃO
Justiceiros matam mais um na fronteira e deixam recado
DOURADOS
Mulher é agredida em discussão e desfere golpe de faca no órgão genital do companheiro
HOMICÍDIO
Com tiros na cabeça e peito, jovem é executado em Pedro Juan Caballero