Menu
Busca domingo, 27 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
JUSTIÇA

Incorporadoras devem pagar IPTU até imissão na posse do comprador

22 novembro 2019 - 19h20Por Da Redação

Os desembargadores da 2ª Câmara Cível do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), por unanimidade, negaram provimento ao recurso interposto por duas empresas incorporadoras de Três Lagoas. Em primeiro grau, as apelantes foram condenadas ao pagamento do IPTU, referente ao ano de 2016, do imóvel vendido para J.U. da S.

Consta nos autos que o proprietário comprou três lotes das empresas recorrentes no ano de 2015. No contrato, estava acordado que o IPTU destes imóveis só seria cobrado do proprietário a partir do momento em que o lote fosse liberado, fato que só aconteceu em fevereiro de 2017, o que fez com que a responsabilidade do pagamento fosse da empresa e não do proprietário.

De acordo com o processo, J.U. da S. ingressou com ação de inexistência de débito para condenação das apelantes ao pagamento dos tributos municipais dos anos de 2016 e 2017, e pela indenização por danos morais e materiais em R$ 3.000,00.

Em primeiro grau, os pedidos foram julgados parcialmente procedentes, com a determinação de que seja considerado inexistente o débito em nome do autor, referente exclusivamente ao IPTU de 2016, e a responsabilidade das empresas vendedoras ao pagamento de tal tributo.

Em contrarrazões, as apelantes alegaram que o proprietário aceitou fazer o pagamento e depois se arrependeu. Também argumentam que a responsabilidade do IPTU é do dono dos imóveis a partir da assinatura do contrato.

O relator do processo, Des. Julizar Barbosa Trindade, ressaltou que, ao contrário do afirmado pelas empresas, o contrato celebrado entre as partes não estabelecia que a responsabilidade pelo pagamento do imposto é do comprador. “Assim, não tendo havido a ocupação do bem nem tendo sido utilizados seus benefícios, a obrigação pelo pagamento das despesas de IPTU não pode ser atribuída aos compradores antes da imissão na posse, pois também inexistente qualquer assunção contratual de tal responsabilidade”.

Conforme o acórdão, inexistindo previsão contratual em contrário, o pagamento do IPTU dos lotes de terrenos adquiridos só é devido pela parte compradora após sua imissão sobre a posse dos imóveis, razão pela qual os tributos vencidos antes da efetiva entrega do bem em condições de ocupação devem ser suportados pela vendedora/incorporadora.

Deixe seu Comentário

Leia Também

STF
Leis estaduais sobre taxa de religação de energia elétrica são inconstitucionais
PANTANAL
Força-tarefa combate incêndio na RPPN Eliezer Batista, um dos maiores na Serra do Amolar
PANDEMIA
Hospital de Campanha do Ibirapuera dá alta ao último paciente
ABAV COLLAB
Turismo sul-mato-grossense realiza promoção dos destinos, capacitações e tutorial de gastronomia
FUTEBOL
Série B: Figueirense e Guarani empatam em 2 a 2, em Florianópolis
STJ
Em promissória com duas datas de vencimento, prevalece a que melhor reflete a vontade do emitente
FUTEBOL
Time principal do Fluminense tem cinco jogadores com covid-19
STF
2ª Turma autoriza extradição de proprietário da Telexfree
ESTADO
Justiça do Trabalho pede prioridade a ações que envolvam profissionais da saúde que atuam na pandemia
BRASIL
Profissionais podem se increver até 6 de outubro no CNJ Inova

Mais Lidas

POLÍCIA
Caminhoneiro de Dourados morre ao capotar na serra de Maracaju
ATO DE FÉ
Após vigílias em frente a hospital, família celebra 'milagre' por homem que caiu do telhado
PONTA PORÃ
Polícia apreende comboio com contrabando avaliado em R$ 1 milhão
CAMPO GRANDE
Gêmeos são executados dentro de quitinete