Menu
Busca sexta, 22 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397

Impeachment - Governo na antessala da UTI

08 dezembro 2015 - 09h30

Até aqui o Governo Dilma leva nota zero em matéria de articulação política e seus desencontros batem de frente com o próprio PT inclusive. A prisão do senador Delcídio, líder do Planalto no Senado engrossou esse caldo apimentado.

Se Dilma for afastada por 180 dias ela voltará? Mas se sair vitoriosa neste processo o Governo vai articular com quem? Como ficarão suas relações com o vice presidente Michel Temer - dependendo da conduta dele ao longo deste episódio?

Qualquer observador percebe que será marcante a influência da Lava Jato no desenrolar do impeachment. Novas prisões de lideranças de partidos diversos – inclusive do PMDB e aliados do Planalto – poderão ter reflexos imediatos na opinião pública, desembocando na pressão das ruas.

Para piorar, o agravamento da crise econômica – com queda da produção industrial e o aumento do desemprego – será mais um fator determinante para que a elite empresarial seja mais participativa no evento. Aliás, as previsões apontam que esse quadro deve piorar em muito à partir de março.

Assim, o afastamento de Dilma passaria a ser vista como uma alternativa em termos de solução para a crise. Psicologicamente seria positiva, abrindo perspectivas independentemente da capacidade gerencial de Temer. Seria como trocar o técnico da seleção de futebol.

Encurralado no canto do ringue o governo joga com as cartas que tem. As primeiras ações de barrar o a instalação do Impeachment no STF não deram certo e repercutiram pessimamente no imaginário popular. Eu diria; mais uma trapalhada. Depois o Planalto quer apressar o processo, aproveitando o desvio da atenção da população devido as festas de final de ano. A oposição já percebeu e reage de forma inteligente.

Finalmente, há que se analisar a postura do STF caso a questão se resolva judicialmente. Lembro; comparando o nível desta corte com aquela do impeachment de Collor veremos que seu nível é mais fraco. Com a maioria de seus integrantes indicada pelo Planalto, há dúvidas como eles se comportarão.

Partidarizarão o processo?

Na falta – por exemplo - de ministros lúcidos e influentes como Paulo Brossard e Neri da Silveira, a esperança é que a voz das ruas possa de alguma forma influenciar a mais alta corte a decidir corretamente.
Afinal, o Brasil precisa voltar a caminhar.

De leve...

Deixe seu Comentário

Leia Também

Aposentada que teve desconto indevido no benefício será indenizada
MS
Aposentada que teve desconto indevido no benefício será indenizada
Fundação de Cultura cogita carnaval entre maio e julho em MS
PANDEMIA
Fundação de Cultura cogita carnaval entre maio e julho em MS
Dourados confirma mais quatro óbitos e chega a 210 vítimas da Covid-19
PANDEMIA
Dourados confirma mais quatro óbitos e chega a 210 vítimas da Covid-19
MIRANDA
Após roubar e ameaçar idoso de morte, homem é preso em construção abandonada
STF nega liminar contra voto presencial para presidência da Câmara
POLÍTICA
STF nega liminar contra voto presencial para presidência da Câmara
REGIÃO
Prefeitura de Rio Brilhante dinamiza serviços do laboratório central
ANASTÁCIO
Polícia flagra esquema de furto de combustível na BR-262
ARTIGO
Metas para 2021
PANDEMIA
MS confirma mais de 30 óbitos por coronavírus e ultrapassa 155 mil casos
BRASIL
TSE suspende consequências para quem não votou nas eleições de 2020

Mais Lidas

DOURADOS
Segundo corpo encontrado às margens da BR-163 é identificado
VIAGEM SANTA
PF deflagra operação contra tráfico de drogas em empresas de turismo religioso de Dourados
DOURADOS
Um dos corpos encontrados às margens da BR-163 foi quase decapitado
DOURADOS
Alvo da PF, empresário foi preso com armas e fortuna ao sofrer atentado em 2019