Menu
Busca terça, 19 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
ARTIGO

Governo terminado, mas ainda não esquecido judicialmente

05 fevereiro 2016 - 16h35

Removendo o arquivamento do investigação contra compra suspeita de fazendas {1}, ainda há muito chão a perder de vista no caminho para André Puccinelli (PMDB) se livrar de assombrações criadas por ele mesmo e comparsas em seu reinado, que há dois anos expirou dando lugar a Reinaldo Azambuja (PSDB). Parafraseando alguns dos elementos (incluindo o chefe), neste começo de ano foi ressuscitado pelo Ministério Público Estadual, talvez após empenho almejando decidir as punições, o conhecimento de condutas que rebaixavam servidores públicos e o povo a nível de escravos dos líderes, que manipulavam o contingente da primeira categoria subutilizando-o ou ameaçando descartá-lo.

Determina a lei o apelo das instituições estatais ao concurso público visando a cobertura de cargos inelegíveis por influência da alta demanda que não permite escolhas à semelhança das funções de comando. Assim é sinalizada a capacidade de os órgãos estatais recepcionarem humanamente quem a seu uso possui direito – todos –, funcionando sob a energia de mão-de-obra capaz graças à comprovada infusão de saberes inerentes à labuta ou sua adaptação à mesma nos portadores de uma amostra deles.

Mas na realidade nem sempre os fatos obedecem a esses ventos. Vira e mexe a gente fica sabendo de falhas em provas de concursos que, quando intencionais, tiram dos inscritos merecedores chances de pródiga carreira em benefício de grupos ou pessoas isolados. Entretanto, como a estratégia do passado governo sul-mato-grossense, parece não se ter aplicado antes alguma semelhante em habilidade para se obter o que desejam os perpetradores.

Desde o início da dupla gestão Puccinelli (2006-2014) muita gente conseguira ingressar em seu funcionalismo com o reto emprego dos meios de praxe. Engaiolados os pássaros na Superintendência de Gestão da Informação e secretarias de Estado de Trabalho e Assistência Social (Setas) e de Desenvolvimento Agrário e Turismo (Seprotur), tornou-se a una norma trabalhar para os parasitas a eles entregando vitais direitos e deveres, não tendo como reagir aos castigos provindos da negação, a escolha pelo caminho certo.

A rotina na SGI tinha ilustre participação do primeiro e mais grave tipo de abuso contra os trabalhadores mencionado ao fim do primeiro parágrafo. Um corpo de delito cuja profunda análise ainda mais abalaria a descrença a que se vulnerabiliza seu ato de indiciamento contra André, o empresário João Baird, o ex-secretário de Fazenda Mário Sergio Maciel Lorenzetto, o ex-ocupante adjunto da pasta André Luiz Cance e o ex-superintendente de Gestão da Informação Daniel Nantes Abuchaim são os mecanismos de transparência dos órgãos estaduais.

Em maior afinidade com a Itel Informática, propriedade de Baird, com quem celebrou contrato para se apropriar de funções cabíveis ao proletariado concursado, a antiga tropa de gestão estadual, apesar de ser paga pela orquestra, pôde escolher a música. Traduzindo para este contexto, os gestores e a empresa puderam a seu jeito, segundo interesses comuns a eles, selecionar o que e como publicariam nas plataformas de acesso popular contrariando o que a sociedade necessita saber sem máscaras.

A segunda linhagem de improbidade assemelhava as secretarias no modo de operação e destino de seus distintos propósitos. Em vídeo de 2012 André empurrava a servidores as funções de cabo eleitoral e eleitor destinadas a implantar e eternizar a hegemonia de parceiros comprometidos a governar Campo Grande mantendo a rota de regalias em direção ao chefe que deixava a cena política regional. Sem considerar, porém, o insucesso da coação no momento em que as urnas encontram-se dispostas aos votantes por causa da privacidade que os aparelhos lhe conferem, embora os estragos anteriores a esse instante sejam grandes para os demais candidatos devido a comum emprego de calúnias a eles entre os meios persuasivos.

Em resumo, as condições disciplinares a que o MPE quer a submissão dos malfeitores englobam multa de quase R$ 2,5 milhões e inelegibilidade em cargos públicos por 8 anos. Boa medida em teoria, que para se transfigurar na prática exige se coligar à criação de barreiras à fácil regeneração do couro arrancado da fortuna, ao qual caberia uso para revestir o rombo em que as falcatruas resultaram, junto ao posicionamento também da Itel no espaço de abrangência do raio punitivo. Os nomes apresentados constituem mais uma penca de homens públicos a serem marcadas como permanentemente descartáveis por nossas consciências, forma de colaborarmos para o sucesso nas medidas judiciais anticorrupção no momento em que os transgressores retomarem o direito às disputas governamentais.

Estudante*

Deixe seu Comentário

Leia Também

Valor da produção agropecuária de Mato Grosso do Sul chega ao recorde de R$ 70,9 bilhões
ECONOMIA
Valor da produção agropecuária de Mato Grosso do Sul chega ao recorde de R$ 70,9 bilhões
Copom inicia primeira reunião do ano para definir juros básicos
ECONOMIA
Copom inicia primeira reunião do ano para definir juros básicos
Suspensa tramitação de inquérito contra desembargador por ofensas a guarda municipal
STF
Suspensa tramitação de inquérito contra desembargador por ofensas a guarda municipal
Dupla é presa após assaltar entregador em frente conveniência no Jardim Flórida
DOURADOS
Dupla é presa após assaltar entregador em frente conveniência no Jardim Flórida
Entendendo o Autismo Infantil
SAÚDE & BEM - ESTAR
Entendendo o Autismo Infantil
IMUNIZAÇÃO
Prefeitos em Mato Grosso do Sul se planejam para vacinação nas aldeias
DOURADOS
Mulher suspeita que companheiro estuprou neto e é agredida em discussão
ECONOMIA
Caixa paga abono salarial para nascidos em janeiro e fevereiro
HABITAÇÃO
Beneficiários da Agehab podem emitir boleto via aplicativo
COVID-19
Dourados recebe primeiro lote da Coronavac e começa vacinação simbólica nesta manhã

Mais Lidas

DOURADOS
Morto por descarga elétrica pode ter tentado consertar portão
ACIDENTE
Homem morre após sofrer descarga elétrica em Dourados
DOURADOS
Comitê alerta para crescente da Covid e prefeito expede decreto com novas regras
DOURADOS
Em ação conjunta, polícia deflagra operação para investigar crimes