Menu
Busca sexta, 15 de janeiro de 2021
(67) 99659-5905
ECONOMIA

Governo atende setor de papelaria e reduz tributo para itens de material escolar e escritório

01 março 2016 - 19h20

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Fazenda (Sefaz), reduziu tributos do setor de papelaria para itens de material escolar e de escritório. Na prática, foi reduzida a margem de valor mínimo agregado (MVA) de itens sujeitos a cobrança de Impostos sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pelo regime de Substituição Tributária (ST). A medida atende a pedido do setor de papelaria e foi publicada no Diário Oficial de segunda-feira (29), por meio do Decreto nº 14.413, de 26 de fevereiro de 2016.

De acordo com informações do Secretário de Fazenda, Marcio Monteiro, em janeiro o governo do Estado publicou as tabelas de produtos sujeitos a substituição tributária, fixando o segmento de papelaria com 144% de margem de valor agregado (MVA).

A margem compõe base de cálculo do pagamento antecipado do ICMS para novas mercadorias, que entra em vigor a partir desta terça-feira (1).

“Havíamos feito uma margem única para todo o setor de papelaria, baseada em pesquisa realizada por meio de notas fiscais. Contudo, recebemos uma solicitação de revisão do setor, com base em dados de tributação praticada em outros estados. Após cálculos, reduzimos com nova margem, principalmente os itens de que tem grande volume de vendas”, explicou Monteiro.

No geral, o setor teve uma redução no valor mínimo da MVA que passou de 141% para 105,57% (para produtos adquiridos no Estado), com redução maior de tributos para alguns itens. “Para o papel A4, por exemplo, está aplicada a margem de 53,33%. A margem é menor devido ao maior volume de venda. Entre os produtos que serão beneficiados com a redução podemos citar canetas, cadernos, papéis, cartolinas e outros, basicamente todos aqueles ligados a material escolar e de escritório”, detalhou o secretário.

Questionado se a medida afeta de alguma forma a arrecadação, Monteiro explicou que ainda não há como analisar números, uma vez que a substituição tributária para novos produtos entra em vigor no dia 1º. “Nossa ideia principal é adequar os valores a realidade de mercado e estabelecer uma tributação mais justa para os contribuintes”, finalizou.

O pagamento do ICMS da Substituição Tributária (ST) para novas mercadorias foi definido em agosto no ano passado, pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), por meio do Convênio ICMS nº 92/2015. Neste documento está estabelecida a sistemática de uniformização e identificação das mercadorias e bens passíveis de sujeição aos regimes de substituição tributária e de antecipação de recolhimento do ICMS.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Ipea aponta inflação de 6,22% para as famílias mais pobres em 2020
Após denúncia, suspeito de praticar tráfico de drogas é preso
CAMPO GRANDE
Após denúncia, suspeito de praticar tráfico de drogas é preso
Plano de Arborização quer mais 1,2 mil árvores na Avenida Marcelino Pires
DOURADOS 
Plano de Arborização quer mais 1,2 mil árvores na Avenida Marcelino Pires
PARAGUAI
Ambulância de Pedro Juan Caballero atropela homem em rodovia
Homem tem celular roubado ao sair de agência bancária na região central de Dourados
DOURADOS
Homem tem celular roubado ao sair de agência bancária na região central de Dourados
DOURADOS 
Profissionais de enfermagem protestam no CAM por salários atrasados
SAÚDE & BEM - ESTAR
Unimed Dourados lança novo site para beneficiários e cooperados
DOURADOS
Homem é assaltado por dupla de moto na Vila Alba
CAMPO GRANDE
Motorista bêbado se diz ex-policial e ameaça militares durante blitz
DOURADOS
Moto roubada na Perimetral é recuperada nas proximidades da UPA

Mais Lidas

DOURADOS
Prefeitura corta mais de 400 cargos comissionados de uma só vez
CLIMA
Chuva alaga ruas no centro de Dourados após calor acima de 38°C
PEDRO JUAN
Policial é executado com tiros de fuzil na fronteira
BR-163
Homem morre após colidir carro de passeio contra caminhão