Menu
Busca segunda, 26 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
OPERAÇÃO BOLSÃO

Gaeco estima prejuízo de R$ 750 mil aos cofres públicos

18 dezembro 2017 - 16h50Por Da Redação

O Ministério Público de Mato Grosso do Sul, por meio do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado - Gaeco, realizou, nesta segunda-feira (18/12), o cumprimento de ordens de busca e apreensão expedidas pelo Juízo da Vara Criminal da Comarca de Paranaíba.

Esta é a segunda fase da Operação Bolsão: Fase Padrinho, que tem o objetivo de combater a prática dos crimes de associação criminosa, corrupção, concussão e lavagem de dinheiro. Os mandados foram cumpridos nas cidades de Aparecida do Taboado e Paranaíba, na residência e empresas dos envolvidos, além da Secretaria da Fazenda e Agência Fazendárias - Agenfa de Paranaíba e também em Ribeirão Preto, no Estado de São Paulo, onde os mandados foram cumpridos com o auxílio do Gaeco do MPSP.

Nesta fase, cujos indícios de cometimento dos crimes foram colhidos, durante a primeira fase da Operação Bolsão, deflagrada no início deste ano.

Os alvos são fiscais estaduais, empresários, contadores e terceiras pessoas que, em acordo de vontades, se uniram para exigir propina de empresários a fim de interferir na fiscalização tributária estadual e assim fraudar o erário público. As investigações até o momento já identificaram prejuízo ao fisco estadual de cerca de R$ 750 mil.

Segundo o Gaeco, o dinheiro arrecadado por suborno transitava em contas bancárias de propriedade de familiares dos envolvidos, no intuito claro de mascarar os ganhos ilícitos. A coordenação do GAECO ressalta ainda que “as investigações referentes à primeira fase da Operação Bolsão ensejaram o oferecimento de denúncia criminal contra todos os envolvidos, cujo processo já está em fase final de instrução processual. Com relação à segunda fase, deflagrada hoje, as investigações terão prosseguimento para o fim de análise de todo o material apreendido, inclusive celulares dos investigados”.

Operação Bolsão II

A Operação teve o nome de "Padrinho" pois este era o termo utilizado entre os fiscais e empresários quando em contato para as tratativas dos pagamentos das propinas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CONTRABANDO
Polícia apreende caminhão carregado com 55 mil pacotes de cigarros
ECONOMIA
IBGE começa a devolver taxa de concurso suspenso do Censo 2020
REGIÃO
Dupla tenta levar mais de 1 t de droga para capital e é presa
REGIÃO
Comarca de Bandeirantes abre inscrições para seleção de estagiários
SEGURANÇA
PF vai utilizar drones para fiscalizar eleições municipais
ECONOMIA
Dólar fecha em queda nesta segunda-feira
DOURADOS
Jovens fazem "limpa" em loja de calçados no shopping e são presas
FUTEBOL DE MS
Reunião define retorno do Estadual e realização do Sub-19
CALAMIDADE PÚBLICA
Árvores derrubadas por vendaval em Dourados começam a ser retiradas das ruas
DOURADOS
Rombo em cerca faz capivaras deixarem parque e eleva risco de acidentes em via movimentada

Mais Lidas

DOURADOS
Guarda encerra festa organizada por adolescente em plena pandemia, apreende droga e até arma artesanal
DOURADOS
PM é acionada e consegue evitar suicídio de homem em hotel
DOURADOS
Homem invade casa, tenta estuprar jovem e é detido por populares
DOURADOS
Homem é socorrido às pressas após levar golpes de facão na cabeça