Menu
Busca sábado, 15 de agosto de 2020
(67) 99659-5905
RESSOCIALIZAÇÃO

Estado lidera ranking de políticas positivas voltadas a presas

14 julho 2020 - 17h50Por Da Redação

Mato Grosso do Sul é destaque na aplicação e desenvolvimento de ações estratégicas voltadas às mulheres em privação de liberdade e egressas do sistema prisional. Em documento oficial emitido pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen), a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen/MS) foi parabenizada pelas evoluções alcançadas e obteve o melhor resultado no comparativo com 25 Estados Federativos quanto à análise de impactos das políticas implementadas ao aprisionamento feminino, no período de agosto de 2018 a dezembro de 2019.

As ações integram o Plano Estadual de Atenção à Mulher Privada de Liberdade e Egressa do Sistema Prisional e seguem diretrizes do Depen, que é responsável pela implantação e controle da Política Nacional em questão.

Com 74,2%, a Agepen atingiu o primeiro lugar na colocação geral do país, alcançando 48,39% em execução das ações de plano estadual (com pontuação máxima de 70%) e 25,81% na avaliação de impacto (com total de até 30%).

De acordo com a Nota Técnica emitida pela Divisão de Atenção às Mulheres e Grupos Específicos, do Depen, os resultados obtidos pelo estado de MS demonstram esforços para a efetiva melhoria de vida das mulheres presas e dos servidores que atuam em unidades prisionais femininas.

Desenvolvidas pela Diretoria de Assistência Penitenciária (DAP) da Agepen/MS, as atividades abrangem os impactos da redução do déficit de vagas prisionais femininas; diminuição do percentual de presas provisórias; aumento da quantidade de mulheres em atividades de trabalho interno e externo; aumento de espaço específico para gestantes; aumento de quantidade de mulheres em consultas médicas externas e na própria unidade; e aumento na quantidade de mulheres em atividades educacionais.

Conforme a diretora da DAP, Elaine Arima Xavier Castro, a conquista é resultado do trabalho conjunto das direções das unidades prisionais femininas e suas equipes em todo o estado. “Esses servidores lidam diariamente com os desafios e contribuem para a prática constante e efetiva das políticas públicas essenciais durante o cumprimento de pena”, ressaltou.

Ponto focal em Mato Grosso do Sul para essa política de atenção à mulher privada de liberdade e egressa do sistema prisional, a  chefe da Divisão de Promoção Social  da agência penitenciária, Marines Savoia, complementa que as orientações para as equipes psicossociais são constantes na aplicação de cada ação e das diretrizes. “Isso também possibilita maximizar os impactos positivos no cumprimento da pena”, acentua.

Para o diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves, é importante esse reconhecimento quanto as ações desenvolvidas no sistema penitenciário do estado. “Graças ao esforço dos servidores, que atuam em conjunto com as orientações repassadas pela diretoria responsável, e o apoio de instituições parceiras temos alcançado resultados positivos e visibilidade no cenário nacional, o que indica que estamos no caminho certo, buscando aprimorar cada vez mais os serviços prestados”, informou o dirigente.

Orientação nacional

Por meio de diretrizes, metas e ações estabelecidas, a Política Nacional de Atenção às Mulheres em Situação de Privação de Liberdade e Egressas do Sistema Prisional (PNAMPE) tem o intuito de fomentar a visibilidade do aprisionamento feminino e a atenção na resolução das demandas específicas de mulheres presas e egressas, promovendo a adaptação das políticas penitenciárias às especificidades desse público.

Iniciado em 2017, a partir de reuniões técnicas por região, foi possível viabilizar o progresso das ações relativas ao público privado de liberdade feminino e de grupos específicos, com foco principal na confecção e publicação das políticas estaduais de atenção às mulheres privadas de liberdade e egressas dos sistemas prisionais estaduais.

A PNAMPE orienta os governos estaduais na elaboração de ações para: atenção à gestação e à maternidade na prisão; assistência material; acesso à saúde, à educação e ao trabalho; assistência jurídica; atendimento psicológico; e capacitação permanente de profissionais do sistema prisional feminino.

Para medir a execução das ações dos planos estaduais, a avaliação analisou sete eixos, sendo eles: Gestão; Articulação Interinstitucional e Controle Social; Promoção da Cidadania; Sistema de Justiça; Maternidade e Infância; Modernização do Sistema Prisional; e Capacitação de Servidores.

A produção de um novo ciclo de planos estaduais está prevista para iniciar ainda neste mês de julho.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Vendas externas de açúcar aumentam 200% de janeiro a julho e MS é 6º maior exportador do país
BRASIL
“Obstáculos serão vencidos”, diz Bolsonaro durante cerimônia militar
FALTA DE ÁGUA
Indígenas vão à Câmara e pedem solução para problema antigo na Reserva de Dourados
REGIÃO
Recurso destinado por Marçal beneficia Lar do Idoso com veículo
APARECIDA DO TABOADO
Dois morrem após carreta carregada com sementes tombar em curva
BOLETIM
Dourados confirma mais duas mortes por coronavírus
MS/PR
Casal é preso em balsa com mais de 7kg de haxixe
PANDEMIA
MS registra mais de mil novos casos de Covid e sete mortes em um dia
TRÊS LAGOAS
Briga generalizada em bar termina com homem esfaqueado nas costas
MISSÃO ESPECIAL
Delegação brasileira que viajou ao Líbano retorna ao país

Mais Lidas

DOURADOS
Fogo destrói lanchonete, invade loja e queima várias motocicletas
DOURADOS
Decreto deve autorizar volta de cursos profissionalizantes e atividades práticas de universidades
PANDEMIA
Prefeitura autoriza abertura de bares e flexibiliza funcionamento de outros setores
DOURADOS
Operação 'Gambiarra' mira reformas de escolas municipais pagas por secretária em nome de empresa