Menu
Busca terça, 22 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
LEGISLATIVO DE MS

Entra em vigor lei que obriga atendimento domiciliar a pacientes com câncer

03 fevereiro 2020 - 09h41Por Da Redação

Sancionada no final do ano passado pelo governador Reinaldo Azambuja, a lei do projeto “OncoDia de prevenção e atendimento domiciliar aos pacientes de câncer” de autoria do deputado estadual Marçal Filho (PSDB) já está em vigor em Mato Grosso do Sul. "Queremos agora que ela passe a funcionar em todos os municípios do Estado", diz o deputado.

O serviço é bastante difundido para pacientes que possuem convênios com plano de saúde e agora deverá entrar em funcionamento no SUS (Sistema Único de Saúde). Assim como os programas de atendimento específicos à pacientes com diabetes e hipertensão, o Oncodia funcionará nos mesmos moldes, com a diferença que o atendimento será realizado por meio de equipes interdisciplinares formadas por médico, psicólogo, assistente social e enfermeiro, vinculados à atenção básica. O serviço será oferecido às pessoas com câncer que realizam o tratamento em seu convívio familiar, sem estágios que incidam em internação hospitalar.

Um dos grandes objetivos da lei, conforme o deputado, é que o monitoramento será transformado em relatórios e análises, que podem identificar se o paciente está seguindo o tratamento adequadamente, se sofre com efeitos colaterais ou se até ameaça abandonar os remédios, por exemplo. O acompanhamento diminui os riscos de internação e pode até aumentar as chances de cura, melhorando a gestão dos pacientes e reduzindo custos em longo prazo.

"O Oncodia inclui uma ampla gama de variáveis, que vai muito além do tomar ou não os medicamentos indicados. Está ligada à mudança de rotina e à incorporação de novos comportamentos, que se fazem necessários para o controle da doença e que, consequentemente, permitem ao paciente viver o dia a dia em normalidade", explica Marçal Filho, que após o contato com profissionais da saúde e pacientes pôde entender o quanto é necessário que pacientes e familiares sejam assistidos por uma equipe interdisciplinar.

A baixa adesão ao tratamento de doenças crônicas, como o câncer, é um problema de ordem mundial. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) a adesão a longo prazo gira em torno de 50% apenas. "Sabemos que a doença pode levar o paciente ao seu limite, provocar depressão, resultando até na desistência do tratamento. A família toda também sofre. Por isso é importante a presença de uma equipe interdisciplinar com médico, psicólogo, assistente social e enfermeiro, para juntos discutirem e planejarem medidas para trazer o paciente de volta”, ressalta o autor da Lei Oncodia.

Marçal Filho espera que a Secretaria de Estado de Saúde instrua o quanto antes os gestores municipais e os profissionais de atendimento domiciliar em Mato Grosso do Sul a prepararem equipes habilitadas para atender o Oncodia, de forma que os cuidados envolvam um diálogo aberto com o paciente e a família, de forma a preservar a qualidade de vida.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Recepcionista é furtada e faz postagem no Facebook para achar moto
TEMPO
Terça-feira de sol com algumas nuvens em Dourados; não chove
NEGÓCIOS & CIA
Plano de carreira ou plano de vida: quando o propósito da marca é inclusivo
CAPITAL
Padrasto de menina baleada na boca fugiu de posto de saúde
SAÚDE
Estudo brasileiro aponta que covid-19 pode causar danos cerebrais
TRÊS LAGOAS
Mulher é agredida pelo companheiro por não abrir portão para ele entrar
BRASIL
Denatran oferece função de pagamento de multas por aplicativo
CAPITAL
Homem morre quase um mês após cair de escada em troca de refletor
JUSTIÇA
Empresa de estúdio fotográfico é condenada por fazer cobrança indevida
BELA VISTA
Rapaz morre com tiro no peito às margens do rio Apa, Polícia investiga

Mais Lidas

DOURADOS
Motorista bêbado atropela cinco pessoas que voltavam da igreja no Novo Horizonte
ESTADO
Confraternização em fazenda termina com tragédia após briga familiar
TRAGÉDIA
Bombeiro em Dourados morre durante acidente em Santa Catarina
DOURADOS
Amigos e familiares de entregador morto em acidente pedem que justiça seja feita