Menu
Busca terça, 26 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
JUSTIÇA

Empresa deve indenizar por bloqueio indevido de linha telefônica

05 dezembro 2015 - 20h45

Por unanimidade, a 2ª Câmara Cível do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) negou provimento ao recurso interposto por uma empresa de telefonia contra sentença que julgou procedente a ação movida por um usuário.. A decisão declarou a inexistência do débito e condenou a empresa a restabelecer o serviço telefônico à autora, além de pagar indenização no valor de R$ 8 mil pelos danos morais.

Em seu recurso, a empresa pediu o afastamento da condenação por danos morais, alegando que não há qualquer comprovação de abalo moral sofrido pela autora em razão da suspensão dos serviços de telefonia. Caso não seja esse o entendimento, pediu a redução do valor da indenização para que seja mais condizente com a situação.

Em seu voto, o juiz convocado para atuar no Tribunal de Justiça, José Ale Ahmad Netto, relator do processo, entende que o recurso não merece ser acolhido, pois o bloqueio indevido de linha telefônica por si só é capaz de gerar transtornos indenizáveis, tratando-se de dano moral presumido.

O entendimento é de que uma vez demonstrada a ausência de cautela da empresa no bloqueio indevido de linha telefônica, ao agir com descaso e desorganização na prestação de serviços, demonstra a obrigação de indenizar. Além disso, ainda que seja possível a suspensão do serviço por inadimplência do usuário, esta só pode ocorrer após 30 dias e mediante notificação.

O relator destaca que a autora buscou a solução do impasse com o SAC da empresa, e que inclusive pagou um débito indevido para que fosse restabelecida sua linha telefônica, mas mesmo assim não houve o desbloqueio ou ativação do celular.

Com relação ao pedido de redução do valor da indenização, também não há razão à empresa. Explica que a reparação por dano moral deve, em um primeiro momento, estabelecer um valor básico para a indenização, considerando precedentes que apreciaram casos semelhantes e em seguida devem ser consideradas as circunstâncias do caso, para fixação definitiva do valor.

Atendida essa linha de avaliação, a extensão da aflição da autora está de acordo com a fixação imposta na sentença, no valor de R$ 8 mil. “Portanto, em face dos critérios de proporcionalidade e razoabilidade já adotados, mantenho o quantum indenizatório em R$ 8 mil”, escreveu o relator em seu voto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Violência contra jornalistas foi 105,77% maior em 2020, aponta estudo
BRASIL
Violência contra jornalistas foi 105,77% maior em 2020, aponta estudo
LEGISLATIVO
Câmara examina proposta que dá autonomia ao Banco Central
Parcela de salário de dezembro de servidores municipais será quitada nesta quarta
DOURADOS
Parcela de salário de dezembro de servidores municipais será quitada nesta quarta
Distribuidora de títulos e valores mobiliários não precisa de registro junto ao Conselho Regional
ECONOMIA
Distribuidora de títulos e valores mobiliários não precisa de registro junto ao Conselho Regional
Lewandowski pede informações a laboratório sobre produção e importação da vacina Sputnik V no Brasil
STF
Lewandowski pede informações a laboratório sobre produção e importação da vacina Sputnik V no Brasil
BRASIL
Saúde atualiza plano de vacinação com novas categorias na prioridade
EDUCAÇÃO
Processo Seletivo da Uems abre inscrições para 1052 vagas
BRASIL
Justiça lança projeto-piloto para redução da oferta de drogas ilícitas
CRIME AMBIENTAL
PMA apreende petrechos de pesca em balneário de Três Lagoas
REGIÃO
Maconha escondida em pote de achocolatado é apreendida na BR-163

Mais Lidas

DOURADOS
Motorista envolvido em acidente fatal relata bebida ao depor e é liberado 
ACIDENTES
Trânsito de Dourados faz terceira vítima fatal no ano, todas motociclistas
CRIME
Vizinhança flagra suspeito pulando muro e evita furto em Dourados
BR-276
Carreta com quase dez toneladas de maconha é apreendida em Dourados