Menu
Busca terça, 11 de agosto de 2020
(67) 99659-5905
CORUMBÁ

Empresa de alimentos é condenada por erro em emissão de nota fiscal

06 julho 2020 - 20h05Por Da Redação, TJMS

O juiz da 2ª Vara Cível de Corumbá, Deyvis Ecco, julgou parcialmente procedente a Ação Declaratória de Inexistência de Débito c/c indenização por danos morais contra uma empresa de produtos alimentícios, condenando-a ao pagamento de indenização por danos morais, no valor de R$ 10 mil, por erro em emissão de nota fiscal cobrando a autora indevidamente, pois esta sequer tinha realizado compra com a requerida. Conforme a sentença, a empresa deve declarar inexistente a dívida representada pela nota fiscal, no valor de R$ 1.748,75, em nome da autora.

Assevera a autora que a primeira ré é uma empresa de comércio de produtos alimentícios e lhe cobrou por uma dívida alusiva a uma compra realizada em 3 de junho de 2017, bem como tomou conhecimento de que, em razão do inadimplemento, houve a inscrição de seu nome no rol de maus pagadores. No entanto, afirma que desconhece a compra e, depois de solicitar o "canhoto" da nota fiscal, descobriu que os produtos foram recebidos por outra pessoa, a segunda ré. Por fim, afirma que a compra foi feita de forma fraudulenta e mediante conluio das duas rés.

Citadas, as rés apresentaram contestação e a empresa asseverou que a autora e a segunda ré seriam da mesma família, pois têm o mesmo sobrenome e que a compra teria, assim, sido realizada, por acordo entre as partes, motivo pelo qual pleiteou a improcedência da demanda. A segunda requerida postulou o reconhecimento da preliminar de falta de interesse processual e, no mérito, afirmou que não agiu de má-fé e que foi levada a erro.

Em análise aos autos, o juiz verificou que a autora demonstrou que os produtos faturados em seu nome não lhe foram entregues e mais, foram entregues a outra pessoa, de modo que a dívida não lhe diz respeito.

De acordo com o magistrado, as alegações trazidas na contestação são genéricas e desprovidas de comprovação. “Assim, caberia à ré o ônus de provar o ‘conluio’, demonstrando a ‘existência de fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito da autora’, o que não foi realizado, de modo que sua versão não se sustenta. (…) De se ver, ainda, que, se houvesse ‘acordo verbal’ ou relação de parentesco entre autora e a segunda ré, certamente esta não seria demandada na ação, evitando uma exposição familiar”.

Desta forma, o juiz concluiu que a condenação deve recair, tão somente, em face da empresa, haja vista que a segunda requerida não agiu com dolo e lhe falta nexo de atuação quanto à eventual fraude.

“A confusão causada pela empresa requerida fez com que a autora tivesse seu nome inscrito no rol de maus pagadores, por uma dívida que não lhe pertencia. Portanto, tem-se que a inscrição indevida do nome da autora no cadastro de restrição ao crédito é ato ilícito que deve ser indenizado”, finalizou o juiz.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Júnior Rodrigues retoma liderança de Délia na Câmara após passagem 'relâmpago' de Maurício Lemes
SISTEMA DE SAÚDE
Governo atualiza ‘mapa’ com 10 novos leitos de UTI para casos de Covid em Dourados
INTERNACIONAL
Senador Nelsinho Trad participa de comitiva oficial de ajuda humanitária ao Líbano
PANDEMIA
Jogo da Série B do Brasileirão é adiado após 18 atletas testarem positivo para o coronavírus
LICITAÇÃO
Empresa ganha contrato de R$ 71 mil para confecção de letreiro turístico em Dourados
PANDEMIA
Taxa de letalidade sobe para 1,7% em Mato Grosso do Sul
CAMPO GRANDE
Instalações precárias fazem TRE-MS mudar local de votação na Capital
MATO GROSSO DO SUL
Deputado Marçal destina recursos para Hospital do Amor de Nova Andradina
REGIÃO
PM encontra carga de maconha durante ocorrência por violência doméstica
AMAMBAI
Homem acorda durante a noite e descobre casa em chamas

Mais Lidas

REGIÃO
Professora morre ao ter moto atingida por carro
DOURADOS
Suspeito de atropelar motociclista durante racha na BR-163 se apresenta à polícia
DOURADOS
Acidente entre carro e moto deixa homem em estado gravíssimo
FRONTEIRA
Ex-lutador de MMA é executado a tiros em confraternização