Menu
Busca sábado, 24 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
ESTADO

Em MS, empresas envolvidas em corrupção serão impedidas de firmar contratos com o Governo

12 dezembro 2017 - 12h35Por Da Redação

Empresas que estiverem envolvidas em casos de corrupção ficarão impedidas de firmar contratos com o Governo de Mato Grosso do Sul. Isso é que determina decreto normativo publicado pelo governador Reinaldo Azambuja no Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (12.12). Conforme a norma, o impedimento se dará após processo administrativo em que ficar comprovada a má atuação da instituição.

O Decreto n° 14.890, de 11 de dezembro de 2017, regulamenta a Lei Federal n° 12.846, de 2013. “É a chamada Lei Anticorrupção, que torna mais ágil a punição de empresas que atuam à margem da lei”, explica o controlador-geral do Estado, Carlos Eduardo Girão.

Na prática, as pessoas jurídicas que forem objetos de investigação na Justiça também passarão por processos administrativos dentro da Controladoria-Geral do Estado (CGE) e da Procuradoria-Geral (PGE), podendo sofrer sanções administrativas, como o impedimento de prestar serviço ao Governo durante até dois anos.

A norma é mais uma das ações do Governo do Estado para ampliar a transparência. “Isso é bom para Mato Grosso do Sul e melhora ainda mais o ambiente de confiança que nosso governo está transmitindo à sociedade. Transparência é um dos fatores que dão segurança. A credibilidade do nosso governo é uma conquista de toda população”, afirmou o governador Reinaldo Azambuja.

Com o regulamento, o Estado tem 60 dias para concluir uma investigação preliminar de casos envolvendo empresas com vínculos com o Executivo. Essa primeira investigação pode ser arquivada ou transformada em Processo Administrativo de Responsabilização (PAR) – que tem prazo de 180 dias para ser finalizado. O período é inferior a trâmites judiciais, o que torna o processo do Executivo mais ágil.

“No meio do procedimento os envolvidos podem propor um acordo de leniência, para trazer novos fatos e diminuir a penalidade”, completa Girão. Para o controlador-geral do Estado, o decreto privilegia organizações privadas que têm boa prática de governança. “Acreditamos que com esse instrumento podemos dar mais agilidade e coibir empresas que atuam à margem da lei”, pontuou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MAUS-TRATOS
Homem é detido após espancar e atirar contra cachorro em assentamento
TRÊS LAGOAS
Discussão entre cunhados termina com homem esfaqueado
PROPOSTA
MS pode ter semana estadual do 'Lixo Zero'
APARECIDA DO TABOADO
'Vendedor de pó' é preso e dinheiro do tráfico apreendido
COSTA RICA
Homem que matou mulher a golpes de machadinha é condenado a 29 anos
FUTEBOL
Três jogos movimentam a penúltima rodada do 1º turno do Brasileirão hoje
CRIME AMBIENTAL
Pecuarista é multado em R$ 10 mil por desmatar área ambiental
HARRISON DE FIGUEIREDO
Moto com numeração raspada é apreendida e homem preso por receptação
MATO GROSSO DO SUL
Sanesul amplia capacidade de tratamento de esgoto em Juti
CAMPO GRANDE
Traficante de cocaína tenta subornar policiais para não ser preso

Mais Lidas

DOURADOS
Acusado de matar mulher por asfixia no Canaã I é preso no Piratininga
TRÂNSITO
Moto invade preferencial, é atingida por caminhonete e dois ficam feridos na Marcelino
TRÁFICO DE DROGAS
Jovens que saíram de Dourados são flagrados com maconha no interior paulista
PONTA PORÃ
PF faz segunda maior apreensão de cocaína do ano em MS