Menu
Busca domingo, 07 de junho de 2020
(67) 99659-5905
COVID-19

Detentos de MS confeccionam uniformes e máscaras para equipes de saúde

04 abril 2020 - 09h05Por Da Redação/MPT

A pedido do MPT em Mato Grosso do Sul, a Justiça do Trabalho liberou cerca de R$ 24 mil para a aquisição de insumos destinados à confecção de uniformes e equipamentos de proteção individual, por internos do Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande, e outros R$ 43 mil para a compra de materiais úteis ao enfrentamento da Covid-19 pelo Município de Três Lagoas.

Durante a pandemia, o projeto inovador idealizado pela Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) pretende fabricar, diariamente, cerca de três mil máscaras de TNT, nos estabelecimentos prisionais de todo o estado, além de uniformes compostos por capotes, coletes, calças e propés. O primeiro lote de materiais foi entregue na última segunda-feira (30/3), para distribuição aos profissionais de saúde do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul (HR-MS). Outras unidades também serão beneficiadas com o recebimento dos produtos.   

“O trabalho em equipe e o engajamento dos servidores de diversos setores envolvidos (como da saúde e do trabalho) têm sido fundamentais para o sucesso desta ação”, enfatizou o diretor do Estabelecimento Penal Jair Ferreira de Carvalho (Presídio de Segurança Máxima), Mauro Augusto de Araújo, onde ocorreu a entrega dos primeiros itens produzidos pelos detentos. “Nos unimos em uma força de várias mãos, da direção aos privados de liberdade, unidos para auxiliar os profissionais da saúde que estão na linha de frente, trabalhando pelo bem de todos”, explicou a chefe da Divisão da Saúde da Agepen, Maria de Lourdes Delgado Alves.

A iniciativa foi viabilizada por meio de um termo de cooperação mútua entre a Associação dos Magistrados de Mato Grosso do Sul (Amamsul), Associação Sul-Mato-Grossense do Ministério Público (ASMMP) e o HR-MS.

Representando o Hospital Regional, a diretora Rosana Leite de Melo agradeceu a doação mostrando-se impressionada com a qualidade dos produtos. “Precisamos todos agir dentro das normas para que nossas ações tenham resultados potencializados. Certamente este material nos ajudará muito”, declarou Rosana Leite de Melo.

Com esse repasse, o MPT-MS soma cerca de R$ 240 mil em transferência de valores provenientes da atuação dos procuradores, direcionados para medidas de prevenção e combate à Covid-19 - compra de aparelhos hospitalares, equipamentos de proteção e ampliação de leitos. No país, os números chegam a R$ 124 milhões.

Além dos uniformes e equipamentos de proteção para as equipes de saúde que lidam com pacientes infectados pelo coronavírus, os reeducandos do Presídio de Segurança Máxima ainda têm produzido material de higiene e limpeza para atender à grande demanda dos estabelecimentos penais do estado e do Hospital Regional.

Pelo trabalho, eles recebem remição de um dia na pena a cada três dias trabalhados, conforme estabelecido na Lei de Execução Penal (LEP).

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSOS
Filho de Flávio Migliaccio desabafa sobre morte do pai
CLIMA
Em sábado frio, temperatura não passou dos 20°C em Dourados
COM PREMIAÇÃO
Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul selecionará 150 projetos
MEIO AMBIENTE
Prevenção e combate a incêndios florestais em MS envolverá setor público e privado
SIDROLÂNDIA
Homem que estava desaparecido é encontrado morto sem as orelhas em açude
BRASIL
Prefeito de Santa Quitéria do Maranhão morre por Covid-19
BRASIL
Estudo defende aprimoramento de norma que avalia endividamento público
CAPITAL
Vítima salta de porta-malas com carro em movimento para fugir de bandidos
BRASIL
Bolsonaro defende divulgação atrasada e parcial de dados
SAÚDE
CCZ notifica seis pessoas para limpar quintal neste sábado, em Dourados

Mais Lidas

PANDEMIA
Dourados bate novo recorde e se aproxima de 500 casos de coronavírus
DOURADOS
Suspeito de apontar arma na cabeça de motoboy para roubar veículo é apreendido
DOURADOS
Polícia descobre central que abastecia “bocas de fumo” e prende traficante
PANDEMIA
“Há projeções de que o pior está por vir”, diz secretário após apresentar números da Covid